bircher-benner muesli

bircher-muesli.jpg

Não consigo me lembrar onde foi que vi a receita original do bircher-benner muesli, mas sei que foi há muitos anos, quase uns trinta, pois quando comecei a fazer esse cereal matinal meu filho ainda era um bebezinho. Lembro da pequena cozinha do meu primeiro apartamento e como eu colocava a aveia de molho na água numa pequena cumbuquinha e de manhã cedo ralava a maçã e preparava o muesli. Pra mim, que sou famosa por não ter apetite matinal, começar a comer esse cereal foi a epitome da mudança de hábitos. Hoje eu faço o muesli regularmente durante os meses em que encontro maçãs locais para comprar. Adoro levar para o meu snack matinal no trabalho. Não deixo mais a aveia de molho, mas costumo preparar o muesli na noite anterior e deixar guardado num potinho de vidro com tampa na geladeira.

Essa é a maneira como eu preparo o meu bircher-benner muesli, mais fiel à receita original possível: numa tigela coloque um pouco de aveia em flocos grossos, junte em camadas uma maçã ralada, suco de limão, leite condensado [prefiro normalmente o mel, ou nectar de agave, ou algum tipo de açucar mascavo], um pouco de iogurte natural e amêndoas tostadas por cima. Consuma imeditamente ou guarde num vidro para comer no dia seguinte.

panquecas de centeio

panqueca-centeio_1S.jpg

Nós não somos pessoas que comem panquecas no café da manhã. Eu, porque de manhã mal consigo articular palavras coerentes, quanto muito fritar panquecas. E o Uriel, porque ele não é muito versado na cozinha, com panelas e ingredientes. Mas eu tinha uma missão neste final de semana—tentar liquidar com um tanto de buttermilk e usar a farinha de centeio que comprei outro dia para fazer uma receita que levava menos de uma xícara. Panquecas foram a melhor idéia e achei esta receita perfeita, porque usa todos os ingredientes que eu precisava gastar e faz uma quantidade pequena. Pra nós dois foi até um pouco demais e sobrou. Mas não sobrou muito. Comemos panquecas então no café da noite do domingo, acompanhadas por rodelas de banana da terra [plantain] fritas e maple syrup. Para fazer as bananas, apenas coloque as rodelas numa frigideira com manteiga derretida, frite dos dois lados e salpique com uma mistura de açúcar e canela.

Para fazer as panquecas, numa vasilha peneire tudo junto:
1/2 xícara de farinha de centeio
1/4 xícara de farinha de trigo integral
1/2 colher de sopa de fermento em pó
1 pitada de sal

Numa outra vasilha bata bem:
1 ovo
1 xícara de buttermilk
1/2 colher de sopa de manteiga derretida

Coloque a mistura dos ingredientes liquidos sobre a mistura dos ingredientes secos e bata com um batedor de arame. A massa deve ficar mais liquida que grossa. Acrescente mais buttermilk se precisar, na minha precisou. Unte uma frigideira ou chapa com manteiga e coloque colheradas da massa, espalhando rápido para formar um circulo. Deixe cozinhar bem de um lado, vire com uma espátula e cozinhe do outro lado. Remova as panquecas prontas para um prato. Repita a operação até usar toda a massa. Sirva com as bananas fritas e maple syrup. Ou com outra mistura de frutas frescas ou cozidas, geléia ou xarope que tiver disponível.

dutch baby [com limão]

dutch-baby-lemon_1S.jpg

O domingo seguiu na mesma malemolência do sábado e além do almoço simplérrimo, com frango de churrasqueira e salada, me apreguicei de fazer qualquer outra coisa para o nosso lanchinho da noite. Tinha pensado em fazer um bolo, mas faltou um ingrediente e desanimei. Apesar da pregui, deu uma vontadona de comer algo feito na hora, de preferência com limão, para acompanhar um chá feito com folhas de hortelã fresquinhas que colhi na horta. Vou dizer que não existe receita fácil que seja páreo para a dutch baby, uma panquecona feita no forno em poucos minutos. Pode-se fazer simples e servir com geléia, maple ou mel ou colocar frutas dentro ao gosto do freguês. Eu queria porque queria uma com limão, então fui procurar e achei essa receita no blog da Culinate retirada do livro A Homemade Life da blogueira Molly Wizenberg. Essa panqueca pode ser feita numa frigideira de 20 cm que possa ir ao forno, mas funciona também numa um pouco maior. Dá também pra fazer num pirex ou forma de torta. Eu fiz numa frigideira pequena. Ela infla enquanto assa e fica linda. Mas infelizmente murcha um pouco quando retirada do forno, conformemo-nos, é assim mesmo. Essa ficou com uma cor bem forte por causa dos ovos caipiras [sempre!] e das raspas da casca do limão, que ajudaram a deixar a panqueca com um sabor limãozudo acentuadíssimo. Delícia!

dutch baby pancakes with lemon and sugar
serve bem 2 pessoas
2 colheres de sopa de manteiga sem sal
4 ovos grandes
1/2 xícara de farinha de trigo
1/2 xícara de half and half
[misturei leite integral com creme de leite fresco]
1/4 de colher de chá de sal
Raspas da casca de 1 limão

Para servir: suco espremido de um limão e açúcar de confeiteiro para polvilhar

Pré-aqueça o forno em 425ºF/ 220ºC. Numa frigideira que possa ir ao forno ou outra forma similar, coloque a manteiga e derreta—pode ser no fogo ou no forno. Espalhe bem a manteiga derretida pela forma, fundos e lados.

No liquidificador coloque os ovos, farinha, leite com creme [ou half and half], sal e as raspas da casca do limão. Bata bem e coloque na forma untada com a manteiga derretida. Coloque a frigideira no forno e asse por uns 20 minutos, até a massa inflar e ficar dourada.

Remova do forno e regue a panqueca com o suco de limão [pode jogar bastante] e depois polvilhe com o açúcar de confeiteiro. Sirva imediatamente.

pão com nutella, mascarpone e morango fresco

pao-morango_1S.jpg
pao-morango_2S.jpg

A idéia saiu deste blog e eu fiz apenas uma pequena modificação. Ao invés de usar a notável Nutella, investi numa versão mais natureba e mais local, com a deliciosa manteiga de chocolate e avelã da Justin's—uma companhia do Colorado. Use um pão bem rústico, tipo italiano. O meu tinha nozes na massa. Os morangos bem doces e maduros, de preferência orgânico. E se não conseguir de jeito nenhum achar mascarpone, vá lá e substitua pelo cream cheese.

Fatias de pão rústico
Nutella ou manteiga de avelã
Mascarpone
Morangos orgânicos lavados e fatiados
Manteiga [opcional]

Corte o pão em fatias, passe manteiga se quiser [eu não quis] e toste ligeiramente numa frigideira ou grelha. Cubra cada fatia com uma camada de Nutella, outra de mascarpone e por cima espalhe as fatias de morango. Sirva imediatamente.

brunch de Páscoa

easter_brunch_2s.jpg
easter_brunch_6s.jpg
easter_brunch_1s.jpg
easter_brunch_3Bs.jpg
easter_brunch_4as.jpg
easter_brunch_7s.jpg

Sem chocolate. Com salmão defumado e fatias de tomate e limão, omelete com pecorino e chives, aspargos cozidos no vapor e temperados com azeite, um pingo de vinagre balsâmico e flor de sal, pães de centeio e integral, iogurte, mel, manteiga de amêndoas, frutas frescas, queijo provolone, manteiga sem sal, café, leite e suco de cenoura.

salmão defumado & pão

salmao_noruegues2.jpg
pao_aveia.jpg
para o café da manhã

Para o breakfast do dia de Natal, servi esse salmão defumado norueguês para os meus convidados noruegueses—não podendo ser mais óbvia, acabei sendo! Adoro esse pão de aveia, feito por uma padaria francesa no Napa Valley e que chega fresquinho todo santo dia no Co-op. Também fiz uma omelete, Annette Poulard style. Sempre coloco um pingo de leite ou creme na mistura de ovos, mas dessa vez acho que dormi no ponto. Invés de comprometer, a falta do leite deve ter ajudado, pois a omelete foi devorada avidamente. Só bati quatro ovos imensos das galinhas que ciscam no terreiro com salsinha, sal, pimenta branca moída. Derreti uma colher de sopa de manteiga numa frigideira larga, joguei a mistura de ovos chacoalhei metodicamente, até que os ovos ficaram cozidos. Dobrei no meio e servi.

breakfast no Café Bernardo

cafe_bernardo_26_2.jpg
cafe_bernardo_26_3.jpgcafe_bernardo_26_4.jpg
cafe_bernardo_26_5.jpgcafe_bernardo_26_6.jpg
cafe_bernardo_26_7.jpgcafe_bernardo_26_8.jpg
cafe_bernardo_26_9.jpgcafe_bernardo_26_10.jpg

No dia 25 eu tinha preparado um breakfast robusto, com omelete e salmão defumado. Na manhã do dia 26, eu, Marianne, Reidun e Idar fomos tomar nosso café da manhã fora. Escolhemos o Café Bernardo, que é um lugar bem gostosinho em downtown. O Uriel e o Gabriel não nos acompanharam, pois foram trabalhar. Eu gostei de não precisar fazer nada e tivemos um breakfast típico norte-americano, com ovos, bacon, salsicha feita em casa, refogado de batatas, pão, geléia, café.

buckwheat crêpes

buckwheat_crepes-1s.jpg

Outra receita da Alice Waters pela qual eu me apaixonei assim que li pela primeira vez, ainda no livro do McNamee, sem quantidades, onde ela faz somente a descrição desses crêpes de trigo sarraceno. No seu primeiro livro, Chez Panisse Menu Cookbook, Alice publicou a receita completa, com medidas e instruções. Essa é uma receita que ela faz em casa.

crêpes de trigo sarraceno
2 xícaras de leite
1/2 xícara de manteiga - 1 barra de 113 gr
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de açúcar
3/4 de buckwheat - farinha de trigo sarraceno
1 1/2 xícara de farinha de trigo
1 colher de sopa de óleo vegetal
4 ovos
1 xícara de cerveja - deixe sair todo o gás

Numa panela pequena misture 1 xícara do leite, a manteiga, o sal e o açúcar e leve ao fogo médio, até que a manteiga derreta. Retire do fogo e deixe esfriar. Numa vasilha grande e funda peneire a farinha de trigo e a farinha de trigo sarraceno. Faça um buraco no meio da mistura de farinha e jogue lá os 4 ovos e o óleo vegetal. Bata com um batedor de arame, acrescente gradualmente a mistura de leite e manteiga, batendo sempre, e finalmente a cerveja. Bata bem, cubra a vasilha e leve à geladeira por 2 horas. Retire da geladeira, acrescente a outra xícara de leite e bata bem com o batedor de arame. Vai ficar uma massa bem grossa.

Numa frigideira larga e rasa, faça os crêpes. Eu untei levemente a frigideira com manteiga apenas uma vez. Coloque três colheres da massa e espalhe na frigideira até ela ficar bem fininha. Quando começar a formar bolhinhas, vire com os dedos ou com uma espátula e cozinhe mais uns minutinhos do outro lado. Vá empilhando os crêpes, tentando mantê-los quentes. A massa pode ser guardada até dois dias na geladeira. Essa receita dá muitos crepes, você pode diminuir a receita ou fazer para vários dias.

Para servir, prepare uma manteiga temperada com raspas de laranja e açúcar. Eu coloquei uma barra de manteiga orgânica no micoondas por dez segundos, até ela ficar mole, mas não liquida. Juntei as raspas de uma laranja grande e açúcar de baunilha. Bati bem e coloquei na geladeira até a hora de servir. Essa manteiga fica um creme laranja, com um aroma e um sabor que é no mínimo o máximo—não deixe de fazer. Para usar a laranja, piquei em pedacinhos, temperei com Grand Marnier e açúcar. Para servir com os crêpes, tivemos também a opção de mel e creme fraiche.

Indian slapjacks

American Cookery, foi o primeiro livro de receitas publicado em território norte-americano em 1796 . A autora da façanha, uma órfã e trabalhadora doméstica chamada Amelia Simmons, fez o primeira registro dos hábitos alimentares e do uso de ingredientes nativos, como milho, cornmeal, squash e abóbora. O livro, cujo título original era American Cookery, or the art of dressing viands, fish, poultry, and vegetables, and the best modes of making pastes, puffs, pies, tarts, puddings, custards, and preserves, and all kinds of cakes, from the imperial plum to plain cake: Adapted to this country, and all grades of life , substituiu os importados da Inglaterra nas cozinhas da América e tornou-se extremamente popular. Hoje existem somente quatro cópias do livro original, e uma delas pode ser vista no website da Biblioteca do Congresso. Notem ao folhear as páginas amareladas, que a prensa que fez a impressão do livro certamente tinha um problema com a letra "s", que foi substítuida em todas as páginas por um "f". Esse detalhe acrescenta um toque extra de peculiaridade à leitura de American Cookery.

*Reproduções desse livro e de outros pioneiros da culinária norte-americana podem ser encontrados AQUI. **O Projeto Gutenberg tem o livro disponibilizado para download AQUI.

Nem todas as receitas são fazíveis, mas a leitura desse livro precursor é certamente uma aula de história da gastrônomia no Novo Mundo. Eu quis experimentar ao menos uma receita e escolhi essa de Indian Slapjacks, que é basicamente uma panqueca de milho. Elas não ficam tão macias quanto as panquecas comuns, mas são extremamente saborosas.

slapjacks.jpg

Indian Slapjacks
1 xícara de leite
2 xícaras de cornmeal
4 ovos
4 colheres de sopa de farinha de trigo

Misture bem todos os ingredientes até formar uma massa uniforme. Frite em frigideira ou chapa untada, sob fogo ou em temperatura média. Vire quando a massa fizer bolhinhas. Sirva morno com mel, manteiga, geléia, ou somente com sal. As minhas foram servidas com maple syrup.

Birchermüesli

birchermuesli.JPG

Essa é uma receita de café da manhã suiço-alemão que eu tenho há anos e que fazia diáriamente nos meus auros tempos de super-natureba. Fica uma delicia, é refrescante, nutritivo e super saudável. Eu agora achei o müesli semi-pronto de caixinha no Co-op, que facilita encurtando o período de deixar a aveia de molho. Mas fazer "from scratch" também não é nada difícil.

1 colher de sopa de aveia
3 colheres sopa de água
1 colher de sopa de suco de limão
1 colher de sopa de leite condensado
3 colheres de sopa de iogurte natural
200 gr de maçã ralada
1 colher de sopa de avelã ou amêndoa ralada

Deixar a aveia de molho na água durante a noite.
De manhã cedo, acrescentar os outros ingredientes e servir imediatamente.
Pode variar a fruta, colocar leite ou creme de leite no lugar do condensado, adoçar com mel. Mas a base do müesli é essa.

morning snack

Meu café da manhã é paupérrimo. Acordo num mau humor desgranhento e não tenho o menor apetite. Bebo apenas uma xícara de café com leite morno, às vezes mordisco uma bolacha, um pedacinho de pão. Duas horas depois estou acordada, menos mal humorada e faminta! Por isso trago uma lancheira pro trabalho. É pela manhã que necessito desse ranguinho extra. Procuro caprichar, com frutas, cereais, algo com leite. Bebo água ou chá o dia todo. Acho que posso dizer que tenho mais hábitos alimentares saudáveis do que não saudáveis. Ou tento ter!

Na minha lunchbox de hoje:
—uma banana nanica orgânica, com selo de certificação de FAIRTRADE [adoro isso!]
—um saquinho com damascos secos do Farmers Market - eles são cor de laranja escuro e não amarelo como os de supermercado e têm um sabor inigualável.
—uma barra de cereal de limão com cranberry - essas nunca faltam na minha lancheira.
—um potinho com iogurte de leite de cabra [é booom!] adoçado com uma geléia de figo e açafrão, que comprei no Farmers Market, e que é o fino da bossa!
—crackers integrais da Dr. Kracker com queijo e sementes de abóbora - essas bolachas são simplesmente o máximo, sou viciada nelas!




[VOLTAR]