mousse de chocolate
[feito com abacate]

mousse de chocolate

Esse mousse não é novidade, nem invenção minha, mas virava e mexia eu dava de cara com a ideia. Outro dia meu amigo contou que tinha comido um mousse de chocolate maravilhoso num restaurante em Sacramento e que tinha lembrado de mim porque a sobremesa era feita com abacate. Como todo americano, ele ficou surpreso quando descobriu que no Brasil crescemos comendo abacate como sobremesa, batido com leite ou limão. Pois esse mousse é a mesma coisa, só que acrescenta cacau em pó. Eu fiz no processador de alimentos porque meu liquidificador está quebrado. O segredo é bater bastante, parando a máquina vez ou outra pra limpar as bordas com uma espátula. Já fiz várias vezes, todas ficaram ótimas. Pode acrescentar um pouco de liquido se o abacate for daqueles de polpa mais firme. Eu usei um dedinho de leite de amêndoa. Mas se o abacate for bem molinho e maduro, nem precisa. Como eu DETESTO aqueles mousses feitos com não-sei-quantos mil ovos, essa receita foi simplesmente um oásis de deliciosidade. Se você nunca fez, faça e depois me diga se não é o Fino da Bossa!

Polpa de 1 e 1/2 avocados
2 colheres de sopa de cacau em pó [usei o Valrhona]
Mel a gosto ou outro adoçante da sua preferência
Um pouquinho de leite de amêndoa, se achar que precisa
Coloque tudo no copo do liquidificador ou processador e bata bem até obter um creme bem espesso. Coloque em taças e leve pra gelar. Eu salpiquei com sal Maldon na hora de servir, mas não precisa.

bolo de chocolate [vegano]

bolo de chocolate

Domingo às quatro da tarde. Na minha lista de afazeres para aquele resto de dia constava preparar uma panela de molho de tomate, assar uma abóbora e várias batatas doces, fazer um shrub de peras, usar os tomates zebras num gazpacho, descascar e picar um melão, cozinhar arroz integral e fazer umas bracholas. Claro que com todo esse trabalho me esperando, eu resolvi primeiro fazer um bolo de duas camadas, com recheio e cobertura. E como faltou um dos ingredientes, ainda dei um jeito de passar pela lojinha de bugigangas de segunda mão no caminho para o supermercado. Não é a toa que no final do dia eu estou sempre absolutamente podre.

Mas o causo é que decidi fazer essa receita assim que botei os olhos nela somente porque me interessei pelos ingredientes inusitados. É realmente maravilhosa essa criatividade nas substituições dos ingredientes nas receitas veganas. Até achei que daria pra fazer mais uma substituição se necessária, do óleo de coco pelo azeite. Esse bolo não tem nenhum leite, nem creme, nem ovos, mas o resultado é nível O Fino da Bossa. Macio e úmido, o puro sabor do chocolate, sem ser exageradamente doce nem enjoativo. Garanto que ninguém que não for avisado identificará a abóbora no recheio. Acabei levando metade do bolo no meu trabalho e ninguém percebeu que não era um bolo como outro qualquer, ele apenas desapareceu da bancada da cozinha e só o que ouvi foi—mas que delicia de bolo!

para o bolo:
3 xícaras de farinha de trigo
2/3 xícaras de cacau em pó
2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
3/4 colheres de chá de sal
2 colheres de sopa de vinagre de maçã
2 xícaras de leite de amêndoas, arroz ou soja [*usei de amêndoas]
2/3 copos de óleo de coco derretido
2 colheres de chá de extrato puro de baunilha
1 e 3/4 xícara de açúcar [*usei o demerara]

Unte duas formas redondas de bolo com óleo de coco. Pré-aqueça o forno a 350°F/ 176ºC. Numa vasilha grande peneire juntos a farinha de trigo, o cacau, o bicarbonato e o sal. Numa outra vasilha adicione o leite de amêndoas, o vinagre de maçã e bata até ficar espumoso. Misture o óleo de coco, a baunilha e o açúcar. Vá aos poucos adicionando cerca de um terço dos ingredientes molhados aos ingredientes secos e misture bem. Adicionar outro terço, misture bem e em seguida adicione a última parte. Misture para incorporar, sem exagerar. Despeje a massa de bolo nas formas untadas e leve ao forno por 25 minutos ou até que o centro esteja completamente cozido. Remova os bolos do forno e deixe esfriar completamente.

para o recheio:
1 xícara purê de abóbora
1/4 xícara de cacau em pó
1/4 xícara de xarope de maple syrup
3 colheres de sopa de manteiga de amêndoa ou de castanha de caju

Num processador de alimentos coloque o purê de abóbora, o cacau, o maple, e a manteiga de amêndoa. Pulse até obter um creme bem liso . Reserve.

para a cobertura:
170 gr [6 oz] de chocolate amargo picado
1/2 xícara de leite de amêndoas
2 colheres de sopa de maple syrup

Misture o leite e o maple syrup em uma panela pequena e leve para ferver. Coloque o chocolate numa vasilha e jogue a mistura quente de leite por cima, mexendo bem até o chocolate derreter completamente. Deixar esfriar em temperatura ambiente.

Para montar o bolo: remover os bolos das formas. Coloque um dos bolos numa travessa e espalhe o recheio cremoso por cima. Delicadamente coloque o outro bolo por cima. Despeje a cobertura de chocolate sobre o bolo. Coloque na geladeira para firmar por uma hora. Sirva.

choc-vegan.jpgchoc-vegan.jpg

bolo de castanha & chocolate

bolo-castanha-choco.jpg

Sou daquela tribo de pessoas excessivamente entusiasmadas que compram ingredientes em quantidade demasiada. Fiz essa pataquada com umas castanhas portuguesas, que só aparecem mais frequente durante as festas de final de ano. Nem sei quanto tempo as caixinhas com as chestnuts já cozidas, descascadas estavam na minha geladeira. Com medo da validade estar vencendo [não estava, ufa!] me apressei pra encontrar uma receita. Em inglês acha-se muitas receitas com o purê de latinha ou com a farinha de chestnut, mas eu queria algo com as castanhas inteiras. Consegui essa receita que tinha tudo o que eu queria, com a adição auspiciosa do chocolate. Não podia dar errado. E não deu. Ficou um bolo fininho e sedoso, daqueles de derreter na boca e devoramos várias fatias acompanhadas de chá earl grey com creme half and half, que é como gostamos.

1 xícara de castanhas portuguesas [chestnuts] pré- cozidas e descascadas
2 colheres de sopa de açúcar
3/4 xícara de leite
7 colheres de sopa de manteiga sem sal
3/4 de xícara de chocolate amargo picadinho [*usei 70%]
3 ovos caipiras
1/2 xícara de açúcar
cacau em pó para polvilhar

Pré-aqueça o forno a 350º F/176ºC. Forre uma forma grande de fundo removível com uma folha de papel vegetal ou manteiga. Unte o papel com manteiga e polvilhe com 1 colher de sopa de cacau em pó. Reserve.

Misture as castanhas, as 2 colheres de sopa de açúcar e o leite em uma panela de tamanho médio. Leve ao fogo médio-baixo e cozinhe por 5-10 minutos até que as castanhas comecem a amolecer. Retire do fogo e coloque num processador de alimentos, pulse até ficar uma massa homogênea.

Coloque os pedaços de chocolate e a manteiga sem sal em uma tigela para microondas e derreta em um nível baixo ou sobre uma panela com água quase fervendo. Deixe esfriar ligeiramente. Na batedeira misture os ovos e a 1/2 xícara de açúcar e bata por uns 6 minutos até obter um creme liso e com o dobro de volume. Em velocidade média-baixa misture a massa de castanhas. Por fim misture delicadamente o chocolate derretido.

Com cuidado despeje a massa na forma preparada. Espalhe a massa uniformemente com uma espátula e leve para assar na grade central do forno por aproximadamente 30 minutos ou até que o topo forme uma crosta bem delicada. Retire o bolo do forno e deixe esfriar completamente sobre uma grade. Polvilhe com cacau em pó e sirva com creme fraiche se quiser.

tea-for-two.jpgtea-for-two.jpg

bolo de chocolate & figo

bolo-figofresco.jpg

(( Comprei muitos figos ))

Comemos quase todos au naturel, de bocadas. Os mais firmes de casca roxa quis usar para fazer um bolo. Essa foi a primeira receita que achei e fiquei bem entusiasmada com ela. Figos frescos, chocolate e azeite. Bingo! Achei as medidas meio esdrúxulas, mas segui as instruções a risca. Também me irritei um pouco com o modo de fazer, misturando duas coisas aqui, duas ali, duas acolá e sujando um monte de potinhos. Mas o resultado valeu a pena! Na receita original a autora corta a base e depois cada figo ao meio. Eu coloquei os figos inteiros e deu certinho.

1 e 1/2 xícara de farinha de trigo para bolo
3/4 colher de chá de bicarbonato
3/4 colher de chá de sal
3/4 colher de chá canela
1/4 colher de chá pimenta da Jamaica [Allspice]
1 pitada de noz-moscada ralada na hora
1/2 xícara + 1 colher de chá de cacau em pó
1/2 xícara + 1 colher de sopa de água quente
1/4 xícara + 2 colher de sopa de azeite
1/2 xícara açúcar mascavo
1/2 xícara açúcar comum
2 ovos caipiras
1/4 xícara + 2 colher de sopa de buttermilk
1 e 1/2 colher de chá baunilha
8 figos frescos inteiros

Pré-aqueça o forno a 350ºF/ 176ºC graus. Prepare uma forma de bolo untando com azeite e cobrindo com papel vegetal ou manteiga, deixando uma saliência do papel em dois lados para facilitar a remoção do bolo. Unte por cima do papel também com azeite.

Numa vasilha peneire a farinha de trigo, o bicarbonato, o sal e especiarias. Reserve. Numa outra vasilha misture bem o cacau com a água quente. Reserve. Numa outra vasilha combine o buttermilk e a baunilha. Reserve. Numa outra vasilha misture o óleo e os açúcares. Adicione os ovos à mistura de ovos e bata bem. Acrescente então a mistura de cacau. Dai adicione os ingredientes secos em três vezes, alternando com o buttermilk—começando e terminando com os ingredientes secos. Misture bem. Despeje na forma preparada e bata suavemente o fundo da panela sobre a uma superfície firme para remover as bolhas de ar. Submergir os 8 figos inteiros [lavados e secos] pelo bolo.

Leve ao forno pré-aquecido e asse por 35/ 40 minutos, até que o centro do bolo esteja completamente cozido. Remova do forno e deixe descansar por uns minutos. Remova o bolo da forma puxando pelo papel, inverta numa travessa, deixe esfriar completamente, corte em fatias e sirva.

bolo de chocolate & azeite

bolo-choc-olive.jpg

O próximo passo na minha aventura do azeite era o bolo de chocolate. Procurei bastante por uma receita e esta aqui foi a que mais me agradou. O único porém foi que durante a preparação eu me deparei com um grande dilema: onde está a quantidade de açúcar da massa? Não achei em lugar algum, então improvisei uma quantidade baseada no meu bom senso de [metida a] cozinheira. Achei que 3/4 de xícara daria e foi isso que coloquei. Fiz esse bolo como uma das sobremesas do almoço de Memorial Day e decidi acrescentar morangos frescos no recheio e salpicar a cobertura com flor de sal. Foi a decisão certa. A primeira bocada que dei no bolo me fez soltar uma exclamação bem alta—WOW! Esse bolo ficou absolutamente incrível!

para fazer o bolo:
3 xícaras de farinha de trigo
6 colheres de sopa de um bom cacau em pó sem açúcar
3/4 xícara de açúcar
2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
1/2 colher de chá de sal
3/4 xícara azeite extra-virgem
2 colheres de sopa de vinagre de vinho branco
1 colher de sopa de extrato puro de baunilha
2 xícaras de água fria

Pré-aqueça o forno a 350ºF/ 176ºC. Unte com azeite e enfarinhe duas formas de bolo redondas. Misture a farinha, o açúcar, o cacau, o bicarbonato e o sal em uma tigela grande. Junte o azeite, o vinagre, a baunilha e água na mistura de farinha e bata com um batedor de arame até que a massa fique bem lisa. Despeje nas formas preparadas, leve ao forno e asse por aproximadamente 30 minutos ou até que o centro do bolo esteja firme. Remova o forno e deixe esfriar sobre uma grade por 10 minutos antes de desenformar. Deixar os bolos esfriarem completamente antes de rechear e cobrir.

para fazer a cobertura:
3/4 xícara de açúcar
4 colheres de sopa de amido de milho
1 xícara de água fervente
Dois quadrados grandes de chocolate amargo
1/2 colher de chá de sal

Cozinhe todos os ingredientes em uma panela robusta em fogo médio, mexendo continuamente até que a mistura engrosse. Quando a mistura ficar espessa, adicione 4 colheres de sopa de manteiga e 2 colheres de chá de baunilha. Deixe esfriar um pouco antes de rechear e cobrir o bolo. Eu coloquei uma camada de fatias de morangos sobre o recheio e na hora de servir salpiquei a cobertura com flor de sal. Achei que o sal fez uma grande diferença no resultado final.

bolo-chocaz1.jpgbolo-chocaz2.jpg
bolo-chocaz3.jpgbolo-chocaz4.jpg

bolo de azeite
[com chocolate & alecrim]

bolo-azeite1.jpg

Qual o melhor procedimento para o caso de se querer fazer um bolo no final da tarde de domingo, não ter nenhuma manteiga na geladeira e não querer de jeito nenhum sair de casa para comprar mais? Procurar por uma receita de bolo feito com azeite, ora pipocas! E uma hora depois servir as fatias desse bolo robusto e perfumado, acompanhadas por chá de hortelã recém colhido, numa mesa arrumada no quintal durante o cair da tarde.

3/4 xícara de farinha de espelta [*substituí pela de centeio]
1 e 1/2 xícaras de farinha de trigo
3/4 de xícara de açúcar
1 e 1/2 colheres de chá de fermento em pó
3/4 colher de chá de sal kosher
3 ovos caipiras grandes
1 xícara de azeite de oliva
3/4 xícara de leite integral [*substituí por buttermilk]
1 e 1/2 colheres de sopa de alecrim fresco picado
150gr de chocolate amargo [pelo menos 70% de cacau) picado

Pré-aqueça o forno a 350ºF/ 176ºC e posicione a grade no centro. Unte uma forma rasa com fundo removível [tipo para quiche] de 22 cm com azeite de oliva.

Peneire os ingredientes secos juntos numa vasilha e reserve. Numa outra vasilha bata bem os ovos. Adicione o azeite, o leite e o alecrim e continue batendo. Usando uma espátula acrescente os ingredientes secos, misturando suavemente. Adicione o chocolate. Despeje a massa na forma untada, espalhando uniformemente e alisando topo com a espátula.

Asse por cerca de 40 minutos ou até a superfície ficar dourada. Retire do forno, deixe esfriar, desenforme e sirva.

bolo-azeite3.jpgbolo-azeite3.jpg

bolo de chocolate & amêndoa
[com ganache de chocolate]

bolo-chocolatudo1.jpg

Contando ninguém acredita, mas no ano passado eu peguei os dois números de estréia da revista da australiana Donna Hay, que foram oferecedidos gratuítamente para iPad e como gostei da qualidade resolvi assinar. Fiz a compra—$19 por 6 edições bimestrais, mesmo achando a assinatura bem mais cara que as revistas que assino por aqui. Assim que tentei baixar a primeira revista, deu um erro. Tentei por vários dias até que a irritação me venceu e fui na app store cancelar a compra. Tinha certeza absoluta que estava tudo cancelado, até recebi vários e-mails da app store que queria se certificar que eu estava satisfeita, eteceterá-eteceterá. O caso parecia encerrado.

Um ano depois, cliquei sem querer no ícone da revista Donna Hay que ainda estava no meu newsstand e pra minha surpresa tinha lá dentro seis revistas, uma pra cada bimestre de 2012, desde o início da assinatura malfadada e que eu nunca tinha baixado nem lido. Vários pontos de interrogação flutuando no ar.

Li todas as revistas e sinto muito dizer isso, mas elas não me seduziram como da primeira vez. Meu padrão de qualidade é Martha Stewart Living e na minha opinião nobody does it better than Martha. A Donna Hay praticamente só tem receitas e algumas dicas de comprinhas, que pra mim não interessam tanto. Achei também que tem um excesso de animações nas páginas, algumas chegando a irritar [desnecessário tanto filminho de bolinho se mexendo] e os vídeos dela ensinando algumas técnicas e truques são um pouco repetitivos e alguns bem fraquinhos. Mas tenho que admitir que as fotos são lindas [a maioria com aqueles fundos brancos com papel vegetal, paninho desfiado e gradinhas vintage que são extensamente copiados por blogs galore pelo mundo] e tem muitas receitas ótimas. Esse bolo de chocolate é uma delas. O que mais posso querer? Um bolo dessa categoria de belezura e deliciosidade, feito em apenas uma vasilha e com um batedor de arame! Perfeito! Segui à risca, só troquei o creme de leite pelo half and half. Como sempre faço, usei os melhores ingredientes e o resultado foi outstanding! Quanto à revista, bacaninha, não sei se paguei por elas ou não, mas de qualquer maneira não vou renovar ou recomprar a assinatura.

para o bolo:
2 xícaras de farinha de trigo [peneirada]
2 colheres de chá de fermento em pó [peneirado]
1 xícara de farinha de amêndoa [almond meal—se não achar a farinha pronta, moa bem as amêndoas no processador]
2 xícaras de açúcar mascavo
200 gr de manteiga sem sal derretida
3 ovos caipiras
1 xícara de leite integral
1/3 de xícara de cacau puro sem açúcar [peneirado]

para o ganache:
150 gr de chocolate amargo picado [*usei 70%]
1/2 xícara de creme de leite fresco [*usei half and half]

Pré-aqueça o forno em 325ºF/ 160ºC. Unte uma forma de 22 cm levemente com manteiga e polvilhe com cacau em pó. Reserve. Numa vasilha grande coloque a farinha de trigo, o fermento, a farinha de amêndoa, o acúcar, a manteiga derretida, os ovos [levemente batidos], o leite e o cacau e misture bem usando um batedor de arame. Coloque a massa na forma untada e leve ao forno por 65-70 minutos ou até o centro estar completamente cozido. Remova do forno, deixe esfriar e vire numa grade. Deixe esfriar totalmente e coloque num prato ou travessa. Coloque o bolo na geladeira e deixe gelando por uns 20-30 minutos.

Faça o ganache, colocando o chocolate picado e o creme numa panela pequena. Leve ao fogo baixo e vá mexendo até o chocolate derreter completamente, mexendo para obter um creme bem liso. Tire do fogo e deixe descansar por 10 minutos. Coloque o ganache sobre o bolo, espalhe bem com uma espátula e deixe descansar por uns minutos em temperatura ambiente antes de servir.

bolo-choco1.jpgbolochoco2.jpg

bolo invertido de amêndoa
[e chocolate]

bolochocomendoa_2S.jpg

Achei tudo quase tudo perfeito nesse bolo da MS, com a exceção da quantidade de açúcar. Só de ler os ingredientes da calda de caramelo meu deu arrepios. Minha tolerância para coisas extremamente doces é super baixa. Por isso arrisquei e diminuí as quantidades de açúcar, tanto da calda como do bolo. Achei que mesmo assim ficou um pouco mais doce do que eu gostaria, embora suportável para pessoas não-formigas como eu. Minha impressão foi que esse bolo ficou mais gostoso com o passar dos dias.

para o caramelo
6 colheres de sopa de manteiga sem sal derretida
3/4 xícara de açúcar mascavo [*usei 1/4 xícara]
1/4 xícara de mel
1 e 1/4 xícaras de fatias ou lascas de amêndoas levemente tostadas

para o bolo
1 e 1/4 xícaras de farinha de trigo para bolo [*para cada xícara de farinha de trigo, acrescente 2 colheres de sopa de amido de milho])
1/2 xícara de cacau em pó
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1/2 colher de chá de sal
1/2 xícara [1 tablete de 113 gr] de manteiga sem sal amolecida
1 e 1/2 xícaras de açúcar [*diminuí para 1 xícara]
3 ovos grandes
1 xícara de buttermilk
1 colher de chá de extrato de baunilha

Pré-aqueça o forno a 350ºF/ 176ºC. Unte uma forma redonda de bolo com manteiga. Coloque as 6 colheres de sopa de manteiga derretida na forma e agite para cobrir o fundo, polvilhe com o açúcar mascavo. Regue com o mel e espalhe as amêndoas por cima. Reserve.

Peneire junto a farinha de trigo, o cacau em pó, o bicarbonato de sódio e o sal três vezes—isso ajuda a deixar o bolo bem leve Coloque a manteiga na tigela da batedeira e bata até ela ficar cremosa e fofa. Adicione o açúcar e continue batendo. Adicione os ovos, um de cada vez, batendo após cada adição. Continue batendo até formar um creme, cerca de 3 minutos. Com a batedeira em velocidade baixa, adicione um terço da mistura dos ingredientes secos, alternando com a metade do buttermilk , depois mais outro terço dos ingredientes secos, mais o restante do buttermilk e a baunilha. Adicionar o último terço da mistura de ingredientes secos e bater bem até ficar homogêneo. Despeje a massa na forma, por cima das amêndoas, e leve ao forno.

Asse até que o centro do bolo esteja cozido, de 45 a 55 minutos. Remova do forno, deixe esfriar por uns minutos. Passe uma faca ao redor da borda da forma e inverta sobre uma travessa. Deixe descansar assim virado por 5 minutos para que o caramelo se incorpore ao bolo. Remova a forma totalmente. Se a cobertura grudar no fundo da forma, aqueça a base da forma levemente sobre a chama do fogão, em fogo baixo, para soltar o caramelo e em seguida vire numa travessa. Deixe esfriar completamente antes de servir.

bolochocomendoa_1S.jpg

picolé de chocolate
[fudge bars]

picole-choco_2S.jpg

Do jeito que a coisa vai por aqui, muita gente deve estar pensando que estou vivendo de comer sorvete. Mas não é verdade. Eu ando realmente sobrevivendo com sopas frias e purê de batatas, depois de ter feito um pequeno procedimento cirúrgico que me deixou com pontos em dois lugares nas gengivas e outro no céu da boca.

Esse picolé não durou muito na geladeira. O Uriel, com uma ajudinha do Gabriel, devorou quase todos com avidez. Acho até que meu marido se aproveitou do fato de eu estar impossibilitada de comer, para detonar sozinho essa delícia chocolatuda. Felizmente eu tive tempo de comer um antes do evento periodontal. Esses picolés ficaram incrivelmente sedosos e cremosos, simplesmente o fino da bossa! A receita saiu na edição de julho/agosto da revista Everyday Food . Fui um pouco mais generosa com o cacau, que era da melhor qualidade—orgânico e fair trade.

2 colheres de chá de amido de milho [maizena]
1 e 1/2 xícaras de leite integral
1 e 1/3 xícaras de creme de leite fresco
1/2 xícara de açúcar
1/2 xícara de cacau em pó [sem açúcar]
1/4 colher de chá de sal
2 colheres de chá de extrato puro de baunilha

Numa panela média misture, com o batedor de arame, o amido de milho com 2 colheres de sopa de leite até formar um liquido bem liso. Junte o restante do leite, o creme de leite fresco, o açúcar, o cacau em pó e o sal. Leve ao fogo médio, mexendo constantemente. Deixe ferver e cozinhe por 1 minuto. Transfira o creme para uma jarra e adicione o extrato de baunilha. Despeje nas forminhas de picolé e leve ao congelador por no mínimo 6 horas. Desenforme molhando o fundo das formas rapidamente em água quente.

bolo de cereja & chocolate

bolo-cerejachoc_2S.jpg

bolo-cerejachoc_1S.jpg

Por causa dessa minha mania adquirida que gente do hemisfério norte tem de ficar checando a previsão do tempo neuróticamente, no domingo eu já sabia que uma onda de calorão estava chegando. Isso me deixou meio obcecada pela ideia de fazer um bolo, porque quando o bafão se instala no way josé que eu vou ligar o forno. Procurei por uma receita de bolo de chocolate, mas parei quando achei essa que me agradou muito. O único porém é que eu não tinha a pera [um dos ingredientes principais, cof, cof, cof, desculpa!]. Pensei então que seria incrivelmente auspicioso trocar a pera pela cereja, que é uma fruta que também combina muito bem com chocolate e ainda está abundante por aqui. Foi o que eu fiz. Faça esse bolo com a pera ou com a cereja, mas faça, pois ele fica muito bom e ainda melhor no dia seguinte.

1 1/2 xícara de farinha de trigo
2 colheres de chá de fermento em pó
1/4 de colher de chá de sal
1 xícara de iogurte integral natural
1 xícara de açúcar
3 ovos caipiras grandes
1/2 colher de chá de extrato puro de baunilha
1/2 xícara de óleo vegetal
1 1/2 xícara de cerejas frescas picadinhas [sem caroço]
1/2 xícara de chocolate meio amargo picado

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC e unte com manteiga uma forma retangular de pão. Reserve. Numa vasilha pequena misture a farinha, o fermento e o sal. Reserve. Na batedeira bata o açúcar, os ovos e o extrato de baunilha até ficar bem cremoso. Junte o iogurte, batendo em velocidade média. Vá colocando a mistura de farinha aos pouquinhos. No final, desligue a batedeira e com uma espátula vá incorporando o óleo bem devagar e mexendo bem até a massa ficar bem lisa e consistente. Despeje metade da massa na forma untada. Sobre a massa coloque 2/3 das cerejas e do chocolate. Despeje o resto da massa sobre o recheio e coloque o restante das cerejas e chocolate por cima. Pressione levemente com a espátula para as frutas e chocolate afundarem um pouquinho na massa. Leve ao forno pré-aquecido por 55 ou 60 minutos, ou até o centro do bolo estar firme e cozido. Remova do forno e deixe esfriar por 5 minutos. Remova da forma e deixe esfriar sobre uma grade. Coloque numa travessa, corte em fatias e sirva.

bolo-cerejachoc_3S.jpg

bolo de chocolate & earl grey

bolo-choc-earlgrey_1S.jpg

Eu tinha decidido não comprar nada de chocolate para a Páscoa, porque meu filho avisou que iria viajar e eu perdi a motivação para fazer qualquer coisa celebrativa para esse evento. Sem falar que eu mesma não como muito chocolate e normalmente tenho que desovar as sobras desse tipo de festividade no meu trabalho. Mas uma amiga que mora em outra cidade avisou que viria me visitar no sábado à noite e como eu sei que ela curte comemorar a Páscoa com chocolate, resolvi fazer esse bolo para servir de sobremesa acompanhado por sorvete. Gosto dessas misturas diferentes que o chocolate proporciona. E essa com o chá earl grey fica realmente auspiciosa. O aroma e sabor do chá harmonizam perfeitamente com o chocolate, fazendo um bolo muito saboroso.

6 pacotinhos de chá earl grey [ou 2 colheres de sopa do chá solto]
1 xícara de água
1/2 xícara [8 colheres sopa] de manteiga em temperatura ambiente
3 ovos
2 xícaras de açúcar
115 gr [4 ounce] de chocolate amargo derretido* e em temperatura ambiente [usei o 70% cacau da Scharffen Berger]
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de chá de fermento em pó
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1/4 colher de chá de sal
1/2 xícara de iogurte natural
Açúcar de confeiteiro pra decorar

Pré-aqueça o forno em 350° F /176ºC. Unte uma forma com um furo no meio [bundt] com manteiga e polvilhe com chocolate** em pó.

Prepare o chá, imergindo os 6 saquinhos na xícara de água fervendo. Deixe descansar por 5 minutos, remova os saquinhos da água e reserve o chá.

Na batedeira, bata a manteiga, os ovos e o açúcar até formar um creme fofo. Junte o chocolate derretido e em temperatura ambiente. Junte a farinha, o fermento, o bicarbonato, o sal, o iogurte e o chá. Bata bem e despeje a massa na forma untada.

Asse por mais ou menos 50 minutos ou até o centro do bolo estar totalmente cozido. Remova do forno, deixe esfriar e vire o bolo numa travessa. Polvilhe com o açúcar de confeiteiro.

*derreti no microondas por 1 minuto, mexi, depois por mais 1 minuto. deixe esfriar completamente antes de adicionar na massa.

**polvilhei com um achocolatado tipo nescau que eu tinha comprado pros meus sobrinhos tomarem café da manhã quando eles estiveram aqui em dezembro e sobrou. funcionou super bem. mas pode-se também usar o cacau em pó.

bolo-choc-earlgrey_2S.jpg

torta de abóbora & chocolate

pumpkin-pie_1S.jpgpumpkin-pie_2S.jpg pumpkin-pie_3S.jpg

A torta que mais agradou os comensais no jantar de Thanksgiving não ganhou foto apropriada, porque praticamente saiu do forno para o carro e quando chegamos na festa nem pensei em fotografar nada, animada que fiquei bebendo vinho e batendo papo com os meus amigos. No final do jantar, colocamos as tortas na mesa e daí saiu uma clicada pro instagram, mas já era noite e tals, portanto a foto não fez nenhuma justiça à delicadeza e deliciosidade dessa receita saída da revista Everyday Food de outubro de 2008.

20 cookies de chocolate
2 colheres de sopa de açúcar comum
3 colheres de sopa de manteiga sem sal derretida
115 gr [4 ounces] de chocolate meio amargo picado e derretido
1 e 1/2 xícara de purê de abóbora
1 ovo grande
1/2 xícara de creme de leite fresco
1/4 xícara de açúcar mascavo claro
1/4 xícara de maple syrup puro
1/2 colher de chá de pumpkin-pie spice
1/4 colher de chá de sal

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC. Num processador pulse os cookies e o açúcar comum até ficar bem moído. Junte a manteiga e pulse até a mistura ficar bem úmida. Coloque essa farofa na base de uma forma de fundo removível de 22 cm. Use a base de uma xícara medidora para pressionar bem. Forre só a base, não o lados. Coloque a forma sobre ums assadeira e leve ao forno por 12 minutos.

Remova a forma do forno e espalhe o chocolate derretido sobre a massa assada. Use uma espátula para espalhar bem. Leve a forma ao congelador por 5 minutos até o chocolate endurecer. Unte os lados da forma com um pouquinho de manteiga.

Enquanto isso, coloque o purê de abóbora, o ovo, o creme de leite, o açúcar mascavo, o maple syrup, a pumpkin-pie spice e o sal numa vasilha. Misture tudo muito bem com o batedor de arame. Coloque a mistura de abóbora sobre a massa com a camada de chocolate e leve ao forno novamente, por 50 minutos. Remova do forno, deixe esfriar e leve à geladeira por pelo menos 1 hora. Desenforme e sirva.

bolo de cacau

amazon-cake_1S.jpg

Eu tinha UM ovo na geladeira e inventei que queria assar um bolo. Fui procurar uma receita usando polenta ou semolina. Vários livros já tinham sido folheados sem sucesso quando abri o calhamaço vermelho da Amanda Hesser—The Essential New York Times Cookbook e no index de bolos achei o cocoa or amazon cake. Fui checar e fiquei alegremente surpresa quando vi na lista de ingredientes que não pedia ovo! E nem leite e nem manteiga. Fui poupada de ter que fazer uma corrida ao supermercado num domingo à tarde. A autora dizia lá que aquele não era o melhor bolo de chocolate do mundo, mas que era um bolo muito bom e uma receita apropriada caso você quisesse fazer algo rápido e gostoso pra levar à algum evento de amigos. E sem ovos, leite ou manteiga, esse interessante bolinho chocolatudo ainda é vegano. Fiz numa piscada e ficou muito bom—denso e saboroso. Servi pro lanche da tarde acompanhado de pêssegos grelhados e um pingo de creme de leite fresco. Depois ainda comemos as últimas fatias acompanhadas da versão morangos frescos e creme de leite.

1 e 1/2 xícara de farinha de trigo
1/3 xícara de cacau puro em pó, sem açúcar
1 colher de chá de fermento em pó
1 xícara de açúcar
1/2 colher de chá de sal
5 colheres de sopa de óleo vegetal
1 xícara de água gelada
1 e 1/2 colher de chá de extrato puro de baunilha
1 colher de sopa de vinagre de cidra

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC. Unte uma forma redonda de bolo de 22 cm. Numa vasilha misture a farinha, o cacau, o açúcar, o fermento e o sal usando um batedor de arame. Numa outra vasilha misture o óleo, a baunilha e o vinagre. Junte a 1 xícara de água gelada e bata bem. Acrescente a mistura dos ingredientes secos à dos liquidos e bata bem até ficar uma massa bem lisa. Coloque na forma, alise com uma espátula e leve ao forno por 30-35 minutos. Remova do forno e deixe esfriar. Remova da forma e coloque numa travessa. Salpique com açúcar de confeiteiro se quiser. Eu não quis.

panna cotta de chocolate

pannacotta-choc_1S.jpg

Essa panna cotta ficou realmente surpreendente, pois apesar de ser chamada de panna cotta, não tem creme nenhum nos ingredientes. Pra quem quer se jogar numa sobremesa suntuosa, sem esquentar a moringa. Eu não escolho receitas por porcentagem de calorias, gorduras ou açúcar. Escolho por causa dos ingredientes interessantes ou das misturas inusitadas. E essa sobremesa tem todas essas qualidades. Além de ser levinha. Saiu de uma folha rasgada de uma das minhas revistas Sunset antigas. Fica absurdamente cremosa e chocolatuda. Experimente fazer e depois me conte o que achou. Comemos acompanhados de morangos madurinhos.

2 colheres de chá de gelatina em pó sem sabor
2 xícaras de leite [low-fat/ 1%] dividido
3/4 xícara de açúcar
85 gr [3 oz] de chocolate meio amargo picado
1/4 xícara de cacau em pó puro, sem açúcar
1 e 2/3 xícara de iogurte grego natural
1 colher de chá de extrato puro de baunilha
Raspinhas de chocolate para decorar

Numa vasilha pequena coloque 1/2 xícara de leite e polvilhe a gelatina por cima. Deixe descansar por 1 minuto, daí mexa com uma colher e deixe descansar mais 10 minutos.

Numa panela média coloque o restante 1 1/2 xícara de leite, o açúcar, o chocolate meio amargo e o cacau e leve ao fogo médio até ferver, por uns 3 minutos. Adicione a mistura de gelatina e bata bem até dissolver completamente. Deixe esfriar, por uns 15 minutos.

Numa vasilha grande bata o iogurte com o extrato de baunilha até formar um creme liso. Pode bater com o batedor de arame. Junte a mistura de chocolate, passando o liquido por uma peneira. Misture bem e despeje em 8 ramequins levemente untados com óleo vegetal. Cubra com plástico e gele até ficar bem firme. Para desenformar passe uma espátula de metal nas bordas do ramequin e vire num prato ou travessa. Decore com raspinhas de chocolate e sirva.

bolo de whiskey e chocolate

choco-whiskey_1S.jpg

Saí do trabalho tão energizada na sexta-feira, que ao invés de ver um filme na tevê, ler um livro ou revista, ou simplesmente não fazer nada, cheguei em casa e limpei a geladeira, fiz jantar [normalmente comemos fora nesse dia da semana] e assei este bolo de chocolate e whiskey. O bolo demorou pra ficar pronto e como tinha que esfriar completamente para desenformar, fomos dormir com a casa cheirando a chocolate e só fomos provar uma fatia no café da manhã do sábado. Eu adoro cozinhar com booze e se você também tem essa preferência, vai gostar muitíssimo deste bolo. Eu já tinha tido uma outra experiência com um bolo batizado no passado. Foi com esta receita de bolo de cacau & vinho que também ficou outstanding.

1 xícara de cacau em pó
[use o puro e sem açúcar--não use o Dutch-process]
1 e 1/2 xícara de café preparado
1/2 xícara de whiskey [pode ser bourbon]
2 tabletes [226 gr ou 1 xícara] de manteiga sem sal
2 xícaras de açúcar
2 xícaras de farinha de trigo
1 e 1/4 colher de chá de fermento em pó
1/2 colher de chá de sal
2 ovos grandes
1 colher de chá de extrato puro de baunilha

Coloque a grade do forno no meio e pré-aqueça em 350°F/ 176ºC. Unte uma forma bundt com manteiga e polvilhe com cacau em pó. Reserve.

Numa panela pequena aqueça o café, o whiskey, a manteiga cortada em cubinhos e o cacau, batendo com um batedor de arame até a manteiga derreter completamente. Remova do fogo e deixe esfriar por 5 minutos.

Enquanto isso coloque na vasilha da batedeira a farinha, o fermento e o sal. Numa vasilha separada bata os ovos com o extrato de baunilha. Junte a mistura de ovos à mistura de chocolate. Com a batedeira em velocidade baixa, misture a farinha e vá acrescentando o liquido de chocolate bem devagar, até que fique bem combinado. A massa vai ficar bem fina e com bolhas. Vá raspando os lados com uma espátula, pra toda farinha se encorporar. Coloque a massa na forma untada e asse por 50 minutos. Remova do forno e deixe o bolo esfriar completamente antes de desenformar. Pode salpicar com açúcar de confeiteiro, para dar um toque decorativo. Este bolo fica bem denso e aromático, com uma leve piscada de whiskey.

brownies de azeite [e coco]

brownie-azeite_1S.jpg
brownie-azeite_2S.jpg

Esses não são os brownies da Alice B. Toklas, mas nem por isso deixam de causar um certo furor. Fiz a receita para levar num evento com muitas pessoas normais—aquelas que curtem chocolate. E como tem chocolate nesse bolinho! E tem também azeite de oliva extra-virgem e coco ralado salpicado com flor de sal. Verdadeiramente requintado. Foi esse o elogio que ouvi de alguém que provou o brownie. A receita do olive oil and coconut brownies saiu do NYTimes.

3/4 xícara de azeite de oliva
1/3 xícara de cacau puro em pó
1/2 xícara mais 2 colheres de sopa de água fervendo
60 gr de chocolate amargo ralado[*usei 99% cacau da Scharffen Berger]
2 ovos grandes
2 gemas de ovos grandes
1 colher de chá de extrato puro de baunilha
2 e 1/2 xícaras de açúcar [*coloquei somente 2]
1 e 3/4 xícaras de farinha de trigo
3/4 colher de chá de sal [kosher]
80 gr de chocolate meio amargo picado [*usei 60% cacau da Scharffen Berger]
2 xícaras de coco ralado
Flor de sal para salpicar

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC. Unte uma forma retangular com azeite.

Numa vasilha grande bata com o batedor de arame o cacau em pó e 1/2 xícara mais 2 colheres de sopa de água fervendo, até dissolver bem. Adicione o chocolate amargo [usei o 99% cacau] ralado e bata até o chocolate derreter completamente. Adicione o azeite e bata. Depois adicione os ovos, as gemas e a baunilha e continue batendo até ficar bem incorporado. Junte o açúcar e bata até tudo ficar bem incorporado. Usando uma espátula, coloque a farinha e o sal, combinando bem. Coloque os pedaços picados do chocolate meio amargo [usei o 60% cacau] na massa e misture bem com a espátula.

Coloque metade da massa na forma untada com azeite, espalhe por cima 1 xícara do coco ralado. Cubra com o resto da massa. Espalhe por cima a 1 xícara restante de coco ralado, salpique flor de sal por cima e leve ao forno por 30 minutos. Transfira a forma do forno para uma grade e deixe esfriar completamente. Depois de frio corte em quadradinhos. Esse brownie solidifica somente depois de frio.

biscoitos com babaçu

cookies-babacu_1S.jpg

Aproveitei a saidinha da Neide, que está neste momento percorrendo o circuito Paris-Dakar, pra ir lá no Come-se roubar uma receitinha. Super mintchura, né gentê? Na verdade, estava na busca de uma receita para usar a farinha de babaçu que ganhei da Maria Rê e a primeira opção que o Google me ofereceu foi essa receita de biscoitinhos da Neide. Fiz exatamente como ela fez, só não coloquei as castanhas de baru, porque não tinha e decidi não substituir por nada. Usei um chocolate com 90% de cacau [da Scharffen Berger] e açúcar mascavo. Deixei a massa na geladeira de uma noite para a outra [24 hrs] e ela ficou bem dura. Tem que tirar com antecedência e deixar amolecer um pouco para poder modelar os biscoitinhos.

cookies com babaçu e castanha de baru
[receita de Ana Tomazoni]
250 g de chocolate meio amargo
2 xícaras de açúcar [320 gr]
1/2 xícara de óleo [100 ml]
2 colheres chá de extrato de baunilha
4 ovos inteiros
2 xícaras de farinha de trigo [250 g]
1 xícara de farinha de babaçu [85 g]
1 colher sopa de fermento em pó
1 pitada de sal
1 xícara de açúcar de confeiteiro [130 g]
Para decorar: 1 xícara de chá de castanhas de baru, picadas grosseiramente

Corte e derreta o chocolate meio amargo, em banho maria com o fogo desligado. Em uma tigela grande e funda, coloque o açúcar, o óleo e a baunilha e misture bem. Aos poucos, acrescente o chocolate derretido e os ovos um a um e mexa bem com uma colher após cada adição. Junte a farinha de babaçu e farinha de trigo, o sal e o cookies-babacu_2S.jpgfermento e amasse bem até obter uma massa homogênea. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por no mínimo 6 horas. Retire a massa da geladeira e, com a ajuda de 2 colheres de chá, modele pequenas porções, ou faça bolinhas pequenas, passando uma a uma no açúcar de confeiteiro. Coloque-as em uma assadeira retangular grande, untada e enfarinhada, deixando espaços de, aproximadamente, 4 cm entre elas. Em cima de cada bolinha coloque um pedaço de castanha de baru. Leve ao forno médio [355ºF/ 180 ºC], pré-aquecido, por cerca de 10 minutos. Retire do forno e, quando estiverem frios, armazene-os em um recipiente com tampa para que permaneçam crocantes. Rende: 130 biscoitos

pudim inglês
com castanha & chocolate

pudim-castanhas_1S.jpg
pudim-castanhas_2S.jpg

Me senti um pouco insegura ao preparar esta receita para a sobremesa de Natal por causa dos passos de cozinhar na água com a forma tampada e eteceterá, mas no final percebi que não era um bicho de sete cabeças. E o pudim cozinha direitinho, fica delicioso. Eu tinha um punhado de castanhas portuguesas locais e fresquinhas que comprei no Farmers Market, por isso optei por testar esse pudim inglês. Foi uma escolha muito auspiciosa.

200 gr de manteiga amolecida
200 gr de açúcar
4 ovos batidos
[certifique-se que os ovos estejam em temperatura ambiente]
200 gr de farinha de trigo self-raising
[se não tiver, adicione 1 colher de sopa de fermento em pó na farinha]
150 gr de chocolate meio amargo picado
[*usei o Scharffen Berger com 90% cacau]
150 gr de castanhas portuguesa cozidas e descascadas
8 colheres de sopa de mel
Manteiga para untar a forma
Custard, creme de leite fresco batido ou crème fraîche para servir

Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até formar um creme fofo. Devagar adicione os ovos batidos. Adicione a farinha gentilmente, misture bem e com uma espátula misture o chocolate picado.

Unte uma forma grande [ou oito forminhas] com manteiga. Cloque as castanhas picadas no fundo da forma, adicione o mel por cima das castanhas. Então adicione a massa com chocolate.

Corte um círculo de papel vegetal do tamanho da forma e cubra bem a superficie do pudim com esse círculo. Cubra toda a forma com papel alumínio—se tiver o heavy duty, melhor. Amarre bem com um barbante em volta da forma. [*eu não fiz isso, porque usei o alumínio grosso e dobrei bem firme nas extremidades].

Coloque a forma [ou forminhas] numa panela grande com tampa e cubra até a metade da panela com água fervendo. Tampe a panela, abaixe o fogo e cozinhe por 1 hora para a forma grande ou 40 minutos para as forminhas pequenas. Se a água abaixar muito, adicione mais durante o processo.

Remova a forma da panela, retire o papel aluminio e o papel vegetal, deixe esfriar um pouco e vire com cuidado numa travessa. Sirva com um custard [que pode ser batizado com rum ou cognac], creme de leite fresco batido ou crème fraîche. Eu servi com o crème fraîche.

gelado de chocolate [amargo]

sorvete-chocolate_1S.jpg

Já tinha feito um sorvete de cacau com cereja e outro de menta com chocolate, que nem pode contar como chocolate, pois usei apenas as cacau nibs. Mas nunca tinha feito um sorvete apenas com chocolate. Falha no currrículo, que só pode ser desculpada pela minha preferência pelos gelados de frutas. Desta vez não me escapou. A receita é do jornal NYTimes—bittersweet chocolate ice cream. Minha única modificação na receita foi usar um chocolate com 100% de cacau e aumentar um pouco a quantidade de açúcar.

faz 1 litro
2 xícaras de creme de leite fresco
1 xícara de leite integral
1/2 xícara de açúcar
1/8 colher de chá de sal kosher
250 gr de chocolate amargo [de preferência 72% cacau)
1 colher de sopa de rye, bourbon ou rum [*usei rum]

Numa panela sobre fogo médio aqueça o creme, leite e açúcar, mexendo bem para o açúcar dissolver. No processador pulse o chocolate até ficar bem picado. Adicione uma xícara da mistura de leite quente no chocolate e pulse até ficar um creme liso. Coloque a mistura de chocolate no restante do creme, adicione o rum, mexendo delicadamente. Coloque a mistura na geladeira. Quando estiver bem gelada, coloque na sorveteira. Transfira para um recipiente de vidro co tampa e leve a congelador por 2 horas. Retire do congelador uns minutos antes de servir.

rose salted caramel

theorose-caramel_1S.jpg
theorose-caramel_2S.jpg

Acho que posso dizer que gosto mais de caramelo do que de chocolate, então esses da Theo, com infusão de rosas e leve cobertura de chocolate amargo e sal, foram um presente perfeito. Delicia é pouco para descrever minha experiência mordendo um desses cubinhos. E só digo isso.

Theo chocolate — factory

Theo chocolate factoryTheo chocolate factory
Theo chocolate factory
Theo chocolate factory
Theo chocolate factory
Theo chocolate factoryTheo chocolate factory
Theo chocolate factory
Theo chocolate factory
Theo chocolate factoryTheo chocolate factory
Theo chocolate factoryTheo chocolate factory
Theo chocolate factory
Theo chocolate factoryTheo chocolate factory
Theo chocolate factory

A primeira surpresa aconteceu dentro do avião, quando abri um tablete daquele chocolate com erva-doce, figo e amêndoa que levei para comer durante a viagem. Já tinha visto o endereço da fábrica dos chocolates Theo, que eles imprimem em letras grandes na frente da embalagem—3400 Phinney, mas foi somente quando fui ler a lista de ingredientes na parte de trás que vi o endereço completo, que incluia a cidade—Seattle, WA.

—good lord, a fábrica dos chocolates Theo fica em Seattle!!!

Não foi um momento absolutamente auspicioso descobrir esse detalhe de localização, justamente quando eu estava voando de Sacramento para Seattle? Então coloquei uma visita à Theo imediatamente na minha lista de coisas para fazer e lugares para visitar na cidade. Ainda no light rail que nos levou do aeroporto para o hotel, já coloquei o endereço no google maps, pra ver a distância do hotel até a fábrica. Teríamos que pegar taxi ou ônibus. Ficou registrado.

A segunda surpresa aconteceu no domingo, quando combinamos de nos encontrar com a Bridget, irmã da Victoria. Ela nos levou primeiramente ao Fremont market, que ficava bem distante do nosso hotel. Andamos pelo mercado e ela perguntou o que gostaríamos de fazer a seguir. Eu disse, bem, você que mora aqui que decide, mas eu tinha na minha lista visitar uma fábrica de chocolate, você conhece o chocolate Theo? Ela respondeu, claro que conheço, vamos lá então! E atravessou a rua. Eu achei que estávamos voltando para o carro, mas a fábrica da Theo ficava exatamente do outro lado da rua onde estávamos!

—good lord, a fábrica dos chocolates Theo é aqui!!!

Num pequeno prédio de tijolinho, quase não dava pra identificar que aquilo era uma fábrica de chocolate. Entramos e colocamos nossos nomes numa lista de espera para o próximo tour, onde milagrosamente conseguimos entrar. Esses tours são muito populares e lotam rapidinho, por isso é recomendado que se faça reserva. Tivemos muita sorte. Enquanto aguardávamos nossa vez na sala de espera e loja, ficamos experimentando pedacinhos de chocolate, de todos os tipos, sabores, misturas, até que chegou a hora do tour.

A fábrica é bem pequena e emprega apenas setenta funcionários. Tudo é feito manualmente, desde a torrefação do cacau, a confecção dos bombons e caramelos, até a finalização com empacotamento e embalagens. Tivemos uma guia super simpática, cheia de energia, paixão e entusiasmo. Ela nos deu uma extensa aula de biologia, botânica, história, geografia e política. Eu já tinha tido uma aula parecida quando fiz o chocolate tasting na Ginger Elizabeth em Sacramento. Mas na Theo a aula é bem mais complexa, porque eles precisam esmiuçar e enfatizar a importância de se comprar o cacau orgânico e fair trade. A guia explicou que há muito trabalho escravo na produção do cacau, principalmente nos países da costa oeste da África. O chocolate da Theo não é mais gostoso por causa disso. Eles são deliciosos porque são muito bem feitos, com ingredientes de altissima qualidade. Mas saber que ninguém foi explorado no processo até você poder se deliciar com uma barra de chocolate faz a diferença para mim e para muitos outros como eu.

A fábrica estava parada no domingo, mesmo assim fomos envolvidos por uma nuvem calorosa e cheirosa de chocolate quando entramos nas instalações. Os visitantes durante a semana podem ver a fábrica em pleno funcionamento. Adorei visitar a cozinha, onde os deliciosos bombons e caramelos são preparados. É incrível que todo aquele chocolate é feito artesanalmente, até as embalagens decoradas por uma artista local.

Theo é a única empresa que faz chocolate com cacau orgânico e fair trade aqui nos EUA. A fábrica tem apenas 4 anos de existência e já coletou muitos prêmios. Chocolate puro, de alta qualidade, com um sério compromisso com a sustentabilidade ambiental e políticas sociais. Não tem como não ficar fã!

* A Megan Gordon do blog Bay Area Bites também fez a tour na Theo e escreveu um relato muito legal.

Theo

theo-choc_1S.jpg
theo-choc_2S.jpg

Os chocolates da Theo são feitos com cacau orgânico e fair trade e esse amargo, com figos, erva-doce e amêndoas, ainda é vegano. Não resisti à essa mistura diferente, especialmente por causa da erva-doce. E de quebra eles ainda vêm com essa embalagem super fofa. Já fiquei freguesa, pois o chocolate é delicioso!

mousse de chocolate
[com calda de amora e mel]

moussechoc-amo_1S.jpg
moussechoc-amo_2S.jpg

Uma sobremesa cremosa com chocolate estava me rondando há tempos. Por várias vezes comprei barras de chocolate para fazer algo diferente, mas acabava sempre usando para outras coisas, principalmente para refazer este chocolate quente parisiense, que repeti infinitamente. Procurando por uma idéia legal, vi nas últimas páginas do livro da Skye Gyngell, My Favorite Ingredients, uma panna cotta de chocolate com calda de amoras e mel. Era isso! Eu só precisava dessa visão inspiradora e a partir dali criei a minha própria receita, que chamei de mousse de chocolate. Uma mousse sem nenhum ovo e que ficou deliciosamente cremosa e, é claro, chocolatuda.

200 grs de chocolate meio amargo [*usei o 70% da Lindt]
1 colher de sopa de mel
1 pitada de sal
2 xícaras de leite integral
1 1/2 xícara de creme de leite fresco
9 grs de gelatina agar-agar

Numa panela misture o leite, o chocolate quebrado em pedacinhos, o sal, o mel e a gelatina agar-agar. Leve ao fogo baixo e mexa com um batedor de arame até o chocolate derreter e a gelatina dissolver. Deixe chegar ao ponto de fervura. Desligue fogo. Junte o creme de leite, bata bem para incorporar e coloque tudo numa forma molhada. Leve a geladeira até firmar. Desenforme e sirva com as amoras, que devem ser cozidas rapidamente com um pouco de mel. Eu usei amoras orgânicas congeladas.

chocolate quente parisiense

chocolatequente1S.jpg

Este chocolate quente é para ser bebido com alegria e prazer e sem nenhuma crise de consciência. David Lebovitz conta no seu livro The Sweet Life in Paris, que essa é a bebida que os turistas buscam quando visitam a cidade e nem sempre encontram a autêntica. Segundo ele, muitos lugares apenas misturam um pozinho no leite quente. Mas ele recomenda um bom lugar para se beber o melhor chocolate quente parisiense, denso e aromático—La Pâtisserie Viennoise. Ou então fazer em casa, usando essa receita super fácil.

faz duas porções americanas ou quatro parisienses
2 xícaras - 500 ml de leite integral
140 gr de chocolate meio amargo da melhor qualidade que puder encontrar e comprar—eu usei o semi-sweet da Scharffen Berger.
1 pitada de sal

Coloque o leite, o chocolate em pedaços e a pitada de sal numa panela e leve ao fogo, mexendo com um batedor de arame, até o leite ferver. Nisso, abaixe o fogo no mínimo e cozinhe, mexendo sempre, por três minutos. Sirva imediatamente. Pode decorar com chantily ou colocar açúcar, mas eu achei desnecessário. Esse chocolate pode ser preparado com até cinco dias de antecedência, guardado na geladeira e reaquecido na hora de servir.

pasta de chocolate & avelã
[ou nutella pra cabra macho]

fakenutella_1S.jpg

Quando vi esta receita no David Lebovitz dei até um pulinho na cadeira, de tanta animação. Eu tinha todos os ingredientes para fazer essa receita super fácil e deveras intrigante. Seria uma nutella rústica? Precisei provar para tirar minhas conclusões. Pensei na utilidade de publicar a receita aqui, sendo que as cocoa nibs e o óleo de avelãs não são ingredientes ordinários que podem ser encontrados em qualquer mercearia da esquina. Optei por publicar, para assim também poder registrar as minhas impressões. Como explicado pelo Lebovitz na receita original, a pasta realmente endurece depois de um tempo e para reusar precisa dar uma esquentadinha, no microondas ou num banho maria. Nós achamos o resultado EXTREMAMENTE FORTE. Com tudo isso concluí e reafirmo—essa pasta é realmente uma nutella bem rústica, chocolatudíssima, coisa mesmo pra cabra macho. Mas como existem os fracos, existem também os fortes. Enquanto que eu e o Uriel comemos a pasta com aquela relutância natural de gente acostumada a passar apenas mel e manteiga no pão; os amigos pra quem ofereci a nutella caseira, numa tentativa de desovar as sobras, não só adoraram, como devoraram nacos inteiros solidificados, como se fossem pedaços de chocolate comum. Ganharam todo o meu respeito!

chocolate-hazelnut spread
faz 2/3 xícara [150 gr]
1 xícara [120 gr] de cocoa nibs torradas
[* usei as da marca Scharffen]
2 colheres de sopa de açúcar tipo demerara
[mais 1 1/2 colheres de chá extra para finalizar]
2 to 3 colheres de chá de óleo puro de avelãs
Sal marinho grosso ou em flocos

Toste as cocoa nibs numa frigideira, por uns 3 minutos, até elas ficarem bem aromáticas. Coloque as nibs no processador e junte as 2 colheres de sopa de açúcar, o óleo de avelãs e uma pitada de sal. Moa tudo muito bem, parando uma vez ou outra para raspar as bordas com uma espátula para que a mistura fique homogênea. A pasta deverá ficar bem brilhante, mas ainda um pouquinho crocante. Remova a pasta do processador e adicione a mão o restante 1 1/2 colheres de chá de açúcar. Sirva sobre fatias de pão e salpique um pouquinho de sal marinho por cima, se quiser.

bolo de chocolate e cranberry
[com creme de bourbon]

bolo-chococran_1S.jpg
bolo-chococran_2S.jpg

Na semana passada eu tive uma folga extensa patrocinada pelo furlough imposto pela universidade à todos os funcionários e professores. Isso quer dizer que tivemos que tirar um certo número de dias sem trabalhar, nem ganhar para a UC economizar umas pratas. Eu resolvi tirar meus dias no final do ano, quando viajei e recebi visitas. Mas ainda sobraram alguns e eu decidi que iria usá-los para fazer uma limpeza monstro nos armários da minha casa. Foi uma semana trancada em casa, com a vantagem de que chovia cântaros lá fora, selecionando e jogando fora papelada acumulada em caixas e pastas desde o século passado, limpando armários de sapatos, bolsas e roupas que abarrotavam tudo de uma tal maneira que eu já não conseguia mais achar minhas coisas e lembrar do que eu tinha. Finalizei a semana dirigindo até a thrift store com o bagageiro do carro lotado de coisas que foram doadas. Foi uma limpeza bem grande, que me fez sentir até mais leve.

Mas infelizmente uma semana não foi tempo suficiente para atacar todas as áreas críticas da casa. Ainda restou a parte de baixo, onde estão a cozinha, sala de jantar e estar, lavanderia e garagem. Essas áreas também estão abarrotadas de coisas e vou precisar de mais tempo para reorganizar tudo. Mas pelo menos dei uma geral nas pilhas de revistas, que estavam ficando ridiculamente altas e numerosas. Levei todas elas para um canto e pretendo organizá-las num futuro próximo, junto com as outras 876454 que estão numa estante. Durante esse pequeno ziriguidum doméstico pude dar umas folheadas em algumas das revistas espalhadas pela casa e abrindo uma Gourmet de novembro de 2006, caí exatamente na página com a foto desse bolinho. Não sou chocólatra, mas pisquei com a presença das cranberries e do bourbon na lista de ingredientes. Fruta e booze é uma mistura que só pode resultar em algo interessante.

Vou dizer que esses bolinhos vão agradar imensamente aquelas pessoas que curtem um chocolatão. Não é uma receita light. Eu e o Uriel achamos gostosos, mas imensamente substanciosos. A mais apropriada descrição para eles em inglês é—very rich. Fiz em formas de muffins gigantes, ao invés da forminha de torta ou ramequins que a receita recomendava. Mas acho que dá pra fazer usando formas regulares de muffins, só que a quantidade vai aumentar.

chocolate cranberry cakes with bourbon whipped cream
serve 4 porções
1 tablete [113 gr ou 8 colheres de sopa] de manteiga sem sal
2 colheres de sopa de farinha de trigo
1 xícara de cranberries secas [ou outra fruta seca, se não tiver]
1/4 de xícara, mais 2 colheres de sopas de bourbon [ou whisky]
200 gr de chocolate meio-amargo de excelente qualidade
[não mais que 60% de cacau, se isso estiver especificado na embalagem]
1/4 xícara de pecãs tostadas
3 ovos grandes, gemas e claras separadas
1/2 xícara de açúcar mascavo
1/2 xícar de creme de leite fresco gelado
1 colher de sopa de açúcar de confeiteiro

Coloque a grade do forno no meio e pré-aqueça em 350ºF/ 176ºC. Unte as formas com manteiga e polvilhe com farinha de trigo. Se usar as forminhas de torta com fundo removível, cubra o fundo com papel vegetal antes de untar com manteiga.

Numa panela, coloque as cranberries e o burbon e cozinhe em fogo baixo por 5 minutos, até as frutas absorverem o liquido. Remova do fogo e reserve.

Numa outra panela derreta o chocolate com a manteiga em fogo baixo, mexendo constantemente até ficar um creme bem liso. Remova o fogo e reserve.

Na mini processador pulse as pecãs com as 2 colheres de sopa de farinha de trigo. Não deixe virar uma pasta. Reserve.

Bata as claras com uma pitada de sal, até ficar bem firme. Reserve.

Bata as gemas e o açúcar até ficar um creme. Adicione a mistura de chocolate e bata só até ficar bem misturado. Junte então as pecãs moídas e as cranberries cozidas. Coloque 1/3 das claras em neve, delicadamente, até a massa ficar com uma cor mais clara, depois junte o resto, misturando com cuidado.

Divida a massa nas formas e leve ao formo por 25 minutos. Depois de assado, remova do forno, deixe esfriar uns minutos e vire os bolinhos numa grade. Deixe esfriar completamente. Polvilhe com açúcar de confeiteiro [*eu não fiz] e sirva acompanhado do creme de bourbon, feito com o creme de leite batido com 2 colheres de sopa de bourbon e 1 colher de chá de açúcar de confeiteiro.

pudim de chocolate e semolina com purê de framboesa

pudim-choc-rasp_2S.jpgMais uma vez um livro levou meses para ser explorado. Desta vez foi o Food Matters do Mark Bittman, que eu comprei, coloquei na pilha, um dia abri, folheei, depois de um tempo comecei a ler e achei que estava tendo um déjà vu do In Defense of Food, do Michael Pollan. Desanimei e só voltei a abrí-lo novamente semanas atrás. Bittmam descreve todas os paradoxos e aberrações do nosso sistema de alimentação, mas o foco central do livro é reeducar e mudar a dieta, também por questão de saúde. Ele estava obeso e diabético quando resolveu fazer uma dieta com menos carnes de animais e mais grãos integrais, legumes, verduras e frutas. Apesar de parecer um livro de dieta do tipo emagreça sem fazer força, Food Matters é mais abrangente. Política, ciência e receitas. E as receitas são básicas, simples e algumas ultra interessantes, como esta—uma mistura de pudim e bolo, para ser servido morno com um purê de frutas que ajuda a equilibrar a robustez do chocolate. A framboesa pode ser substituída por pêssegos, nectariinas, damascos [descasque antes], cerejas ou morangos.

4 colheres de sopa [1/2 tablete ou 56 gr] de manteiga
Manteiga extra para untar a forma
1/4 xícara de cacau em pó
1/3 xícaras [56 gr] de chocolate amargo [*usei o 86% cacau da Ghirardelli]
1 xícara de iogurte integral
3/4 xícara de açúcar
1 xícara de semolina
1/2 colher de chá de fermento em pó
1 colher de chá de extrato puro de baunilha
500 gr de framboesa fresca
Açúcar e suco de limão [*opcional, não usei]

Pré-aqueça o forno em 375ºF/ 190ºC e unte uma forma quadrada de 20 cm com manteiga. Numa panela coloque a manteiga e deixe derreter em fogo médio. Adicione o cacau e os pedacinhos de chocolate amargo e mexa bem até formar um creme liso. Remova do fogo.

Numa vasilha bata o iogurte com o açúcar. Acrescente a mistura de chocolate, a semolina, o fermento e a baunilha. Mexa vigorosamente até ficar bem incorporado. Espalhe a massa na forma untada e leve ao forno por 30 minutos.

pudim-choc-rasp_1S.jpg

Enquanto isso bata as framboesas no liquidificador ou processador. Se achar necessário adicione açúcar e suco de limão. Eu não coloquei. Passe tudo pela peneira para remover as sementes. Coloque o purê numa jarrinha e reserve.

Remova o pudim do forno. Deixe descansar uns minutos, corte em quadrados e sirva ainda morno com o purê de framboesa por cima.

bolo de cacau & vinho

bolo-cacau_vinho_1S.jpgA revista Food & Wine do mês de setembro chegou e no dia seguinte já acabou na cozinha, com montes de post-its cor laranja super fluorescente colados em muitas páginas. A primeira receita simplesmente não podia esperar. A idéia de usar vinho na massa do bolo era extremamente sedutora. Eu sei que existe uma afinidade entre o chocolate e o vinho, mas nunca tinha colocado isso em prática antes. O resultado foi um bolo bem denso e picante, deliciosamente agradável. Eu estava preocupada, pensando como iria fazer pra consumir o bolão, que resolvi fazer bem numa semana em que estou sozinha. Porém não precisei me preocupar muito, pois o Gabriel deu uma passadinha básica aqui em casa para lavar roupa e caiu de amores pelo bolo. Comeu muitas fatias e levou mais outras para casa dele. Sucesso absoluto e sem desperdício!

2 xícaras de farinha de trigo
3/4 xícara de cacau puro, não adoçado nem processado
1 1/4 de colher de chá de fermento em pó
1/2 colher de chá de sal
2 tabletes [113gr cada] de manteiga amolecida
1 3/4 de xícara de açúcar
1 1/4 xícara de vinho tinto seco
2 ovos grandes
1 colher de chá de extrato puro de baunilha
Açúcar de confeiteiro para polvilhar

bolo-cacau_vinho_2S.jpg

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC e unte uma forma bundt—ou qualquer outra dessas redondas com um furo no meio, com manteiga e polvilhe com farinha de trigo.

Numa vasilha misture com o batedor de arame a farinha, o cacau, o fermento e o sal. Na batedeira, coloque a manteiga e o açúcar e bata em velocidade média, até a mistura ficar bem fofa [mais ou menos 4 minutos]. Adicione os ovos, um por vez, e continue batendo. Junte a baunilha e bata por mais dois minutos. Vá colocando a mistura de farinha com uma colher grande e alternando com o vinho, até os ingredientes ficarem bem incorporados. Coloque a massa na forma untada e polvilhada com farinha e leve ao forno por 45 minutos. Remova do forno, deixe esfriar e então vire o bolo numa travessa. Polvilhe com o açúcar de confeiteiro, se quiser. Eu não quis. Sirva com creme de leite fresco batido em chantily, se quiser. Eu não quis.

torta de ricota & chocolate

ricotachoco-pie_1S.jpg
ricotachoco-pie_3S.jpg

Outra receita saída do livro Falling Cloudberries da Tessa Kiros. Segundo ela, essa é uma torta típica do sul da Itália, que combina a ricota com a obsessão dos italianos: o chocolate. Como não sou ligada em chocolate, o detalhe que me atraíu nessa torta foi a laranja, of course.

massa:
100gr de manteiga ligeiramente amolecida
85 gr de açucar
150 gr de farinha de trigo
30 gr de cacau em pó puro [sem açúcar]
1 ovo batido

Coloque a manteiga e o açúcar no processador e pulse até obter uma massa cremosa. Junte a farinha, o cacau e no final junte o ovo batido. Pulse até obter uma massa macia. Coloque numa folha de plástico, amasse num disco e leve à geladeira por 1 hora.

recheio:
3 ovos batidos
140 gr de açúcar
1 colher de sopa de raspinhas da casca de laranja
750 gr de ricota
1 colher de sopa de suco de limão
2 colheres de sopa de suco de laranja

Bata o açúcar e os ovos até ficar bem cremoso, Junte a casca de laranja e a ricota e bata até incoporrar bem, junte o suco do limao e da laranja.

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 180ºC. Abra a massa numa superfície enfarinhada e forre uma forma funda de fundo removível com ela. Leve a massa ao forno por 20 minutos. Remova a massa do forno e coloque o recheio de ricota. Volte ao forno por mais 45 minutos ou até o recheio ficar firme no centro. Remova do forno, deixe esfriar e desenforme a torta. Sirva morna ou fria.

gelado de cacau & cereja

cacau_cereja1S.jpg

Tive a idéia para esse sorvete, quando minha cunhada me contou que tinha feito um sorvete de chocolate, com cacau. Eu nunca iria pensar em fazer algo de chocolate se não viesse combinado com alguma fruta. E cerejas era o que eu tinha. Usei o cacau da marca californiana Ghirardelli.

1 xícara de creme de leite fresco
1 xícara de leite integral
2 colheres de sopa de cacau natural
Cerejas descaroçadas
Mel a gosto
1 pequena dose de Sherry
Bater tudo no liquididicador e colocar na sorveteira.

brownie de frigideira

brownie_frigideira_1S.jpg

Receita prática tirada da última edição da revistinha Everyday Food. É bem fácil de fazer e fica bem chocolatuda. Um deleite para os amantes do chocolate.

1 1/4 xícara de açúcar
3 ovos grandes
1 xícara de farinha de trigo
1/4 xícara de cacau em pó
1/2 colher de chá de sal
4 colheres de sopa / 1/2 tablete/ 60gr de manteiga sem sal
1/4 xícara de creme de leite fresco
8 ounces / 230 gr de chocolate meio-amargo em pedacinhos

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC. Numa vasilha bata bem os ovos com o açúcar. Noutra vasillha misture com um batedor de arame a farinha, o cacau e o sal. Numa frigideira de tamanho médio, derreta a manteiga e junte o creme de leite. Quando estiver quase fervendo, acrescente os pedacinhos de chocolate e vá mexendo em fogo baixo, até todo o chocolate derreter e formar um creme. Retire do fogo, deixe esfriar uns 5 minutos e coloque essa mistura de chocolate na mistura de ovos. Misture bem e então junte a mistura de farinha. Coloque a massa de volta na frigideira e leve ao forno por mais ou menos 40 minutos. Sirva morno ou em temperatura ambiente acompanhado de uma bola de sorvete de baunilha.

* use uma frigideira que possa ir ao forno.
** use uma frigideira de tamanho médio, pois eu usei uma grande e o brownie saiu fininho.

chocolate cupcakes

cupcake_choc-MS_1S.jpg

Eu queria fazer uns bolinhos para trazer no trabalho, já que é a semana do Thanksgiving e eu preciso agradecer meus colegas por serem pessoas bacanas de conviver, e por fazerem o ambiente de trabalho um lugar tranquilo, sem nenhum problema de relacionamento. Essa receita da Martha Stewart, que está no seu livrão novo —Martha Stewart's Cooking School, foi perfeita, pois faz uma batelada de cupcakes. Lá diz que faz 24, mas pra mim deu 36! E é tudo feito numa só vasilha, por isso o nome sugestivo de one-bowl chocolate cupcakes. Essa receita também pode ser usada para fazer dois bolos redondos de 20 cm, que devem ser assados na mesma temperatura de forno por 45 minutos.

1 3/4 xícara de cacau em pó puro, sem açúcar
2 1/2 xícaras de farinha de trigo
2 1/2 xícaras de açúcar
2 1/2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
1 1/4 colher de chá de fermento em pó
1 3/4 colher de chá de sal
2 ovos caipiras grandes, mais uma gema grande
1 1/4 xícara de água morna
1 1/4 xícara de buttermilk
1/2 xícara mais 2 colheres de sopa (1 1/4 tablete) de manteiga sem sal, derretida e esfriada
1 1/4 colher de chá de extrato de baunilha

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC. Unte ou coloque forminhas em duas formas de muffins de 12 cada. Numa vasilha bem grande misture todos os ingridientes secos, cacau, farinha, açúcar, bicarbonato, fermento e sal e bata com um batedor de arame. Junte os ingredientes liquidos, os ovos, a água, o buttermilk, a manteiga derretida e a baunilha e bata bem por uns 3 minutos até obter uma massa bem lisa. Distribua nas forminhas, enchendo em apenas 2/3. Asse por uns 20 minutos. Desenforme e deixe esfriar numa grade.

gelado de menta chocolate

menta_choc_chips_4S.jpg

Essa é a minha versão funky do famoso sorvete de menta com chocolate chips, que foi um sabor muito popular nos anos 80 e era um dos meus favoritos na época. Não por causa do chocolate, mas sim por causa da menta. Adoro essa erva. E como tenho uma abundância de uma variedade de menta muito interessante na minha horta, decidi arriscar replicar o famoso mint chocolate chip ice cream. Só que a minha versão é um pouquinho diferente, pois não usei chocolate chips, mas sim os cacao nibs. Esses são o cacau na sua forma mais pura e apesar de terem um sabor intenso quando mastigados, os cacao nibs não interferem no sabor do sorvete, que fica completamente mentolado. Muito bom!

Bati um punhado de folhas de menta chocolate no liquidificador com 1/2 xícara de leite integral e deixei descansar por uma hora. Depois coei, ficou um leite esverdeado. Eu deixei um pouquinho das folhas da menta moída no leite, mas isso não é necessário. Misturei ao leite mentolado 1 xícara de creme de leite fresco, adocei com mel a gosto e coloquei os cacao nibs—não coloque muito! Coloquei o liquido na sorveteira e voilá!

Em todos os meus sorvetes cremosos eu uso leite integral e creme de leite orgânico da Straus Family Creamery. Acho que a qualidade desses ingredientes refletem na qualidade do produto final, que fica sem sombra de dúvidas o fino da bossa. Pisc!

Ginger Elizabeth Chocolates

ginger_chocolates_1s.jpg
ginger_chocolates_10s.jpgginger_chocolates_11s.jpg
ginger_chocolates_3s.jpgginger_chocolates_5s.jpg
ginger_chocolates_2s.jpg
ginger_chocolates_31s.jpgginger_chocolates_14s.jpg
ginger_chocolates_20s.jpg

O querido Garrett do blog Vanilla Garlic organizou um evento bem bacana para os food bloggers de Sacramento. Fomos fazer um chocolate tasting na chocolateria Ginger Elizabeth Chocolates em midtown Sac. Como eu não sou louca por chocolate, fui sem nenhuma expectativa. Tive uma surpresa incrivelmente agradável com a qualidade e a delicadeza dos bonbons que nos foram servidos pela chocolatier e proprietária da lojinha encantada. Ginger Elizabeth tem apenas 26 anos e confessou ter se iniciado no fascinante mundo do chocolate aos 16. Ela primeiro nos deu uma explicação minuciosa sobre as plantações, colheita e processamento do cacau. Até nos mostrou fotos dela em fazendas na América do sul e central. Depois contou detalhes da manufatura da matéria básica e finalmente a parte que é a sua paixão—transformar o chocolate em pequenas delicias que dissolvem na boca. Provamos desde o puro chocolate em micro pedacinhos, até a manteiga, que pura tem um gosto repugnante, mas é o que faz o chocolate ser tão gostoso e viciante. Depois fizemos o tasting de vários tipos de chocolate amargo, seguido dos mais delicados bonbons, feitos de uma massa sedosa de ganache e cobertos com uma crosta quase imperceptível de chocolate. Dois bonbons me encantaram—o de chocolate amargo com ganache de meyer lemon e o de chocolate ao leite com ganache de maracujá. Ginger diz que usa os melhores chocolates e somente suco ou polpa de frutas, nada de essências. O sabor é um nocaute! Depoiis ela ainda nos serviu um bolo de várias camadas com gianduia, que eu tive que partir ao meio para conseguir comer e um tipo de semifreddo, cremoso e gelado. Visitamos também a cozinha da pequena chocolateria, onde Ginger pratica sua arte. Alguém aí pensou no filme Chocolat? Eu estou pensando nele agora. Acho que temos a nossa versão da Madame Rocher, aqui no vale central da Califórnia.

bolinhos de ruibarbo
& chocolate branco

rhubarb_muffins3s.jpg
rhubarb_muffins1s.jpg

Fui comprar pão e leite e vi ruibarbos, super vermelhos e fresquinhos, comprei dois talos. Essa é a minha segunda experiência com o ruibarbo. A primeira teve seus muitos percalços. Já estou achando que não dou muita sorte com esse ingrediente. Pensei em fazer uns muffins com ruibarbo e maçãs. Coloquei as palavras chaves no google e a primeira receita que apareceu foi esta. Nem quis procurar mais—era essa mesma que eu iria fazer! Achei facílima, com uma mistura de ingredientes maravilhosa. O unico problema é que eu não me adapto mais à essas medidas em gramas. Sinto muito, mas gosto do modo americano das xícaras e colheres. Você compra um set padrão e não tem como errar. Por isso as receitas da Marthinha S. dão sempre certo pra mim. Com essa receita o que aconteceu, concluí, foi que não consegui traduzir as maledetas gramas do buttermilk. Sinceramente, como se mede liquido em gramas, eu não entendo. Fiquei com pregui de usar o conversor e simplesmente coloquei um recipiente na balancinha, descontei o peso dele e pesei o buttermilk. Óbviamente que não deu certo, pois eu achei que os cupcakes ficaram muito moles, parecendo um bombocado. Sem falar que 150g de chocolate também foi demais. Usei um chocolate californiano de excelente qualidade, o Ghirardelli e mesmo assim achei que essa quantidade deixou os muffins muito oleosos.

Bom, no dia seguinte eles ficaram um pouco mais firmes e apesar de estarem bem comíveis, o resultado não foi o que eu esperava. De qualquer maneira, valeu pela experiência e me ensinou a lição de não me entusiasmar tão rapidamente com a primeira receita que me aparecer na frente e sempre procurar uma que tenha medidas em xícaras e colheres—better safe than sorry.

rhubarb & white chocolate buttermilk cupcakes
[faz 12 cupcakes normais ou 10 grandes]

150 g de açúcar
80 g de manteiga amolecida
2 ovos grandes
225 g de farinha de trigo
1 colher de chá de fermento em pó
150 g de buttermilk
400 g de ruibarbo
150 g de chocolate branco em pedaços

Pré-aqueça o forno em 225º C/435ºF.
Bata o açúcar e a manteiga até virar um creme. Adicione os ovos e continue batendo. Acrescente a farinha e o fermento, depois o buttermilk. Adicione o ruibarbo já lavado, descascado e cortado em cubinhos. Mexa e coloque o chocolate delicadamente. Distribua a massa em forminhas de muffins e asse por 20 minutos. Deixe esfriar numa grade.

cupcakes de baunilha & de chocolate

baunilha_chocolate1.jpg
baunilha_chocolate2.jpg

Fazia tempo que eu estava querendo trazer uns treats para os meus colegas no trabalho. Cupcakes são uma boa pedida, pois são fáceis de fazer, de carregar e de comer. Já tinha feito isso uma vez com os cupcakes de cranberry e pumpkin. Desta vez optei por duas receitas básicas—chocolate & baunilha.

Tenho uma insegurança enorme com relação à minha comida, principalmente com relação às coisas que não tenho muita prática, como bolos e sobremesas. Por isso providenciei uma sessão de degustação particular, quando provei um de cada bolinho e fiz o Uriel comer um de cada também, para poder dar o seu palpitezinho. Depois analisei intensivamente a questão dos ingredientes que eu normalmente uso. O cupcake de chocolate, por exemplo, foi feito com azeite e cacau orgânicos. O de baunilha com a melhor manteiga e açúcar, também orgânicos. O Uriel me aconselhou a não falar nada sobre isso—se você ficar falando que é tudo orgânico, é capaz de assustar o pessoal e eles ficarem com medo de comer os bolinhos. Meu marido, um cara ponderado e sábio! Ele também sugeriu que eu levasse uma geléia pra acompanhar os bolinhos, pois é fato público que meus colegas adoram coisas super doces, de preferência com bastante creme e sabores artificiais. Bom, eles pensam que isso é que é bom, já que não têm outra experiência pra comparar. Pois decidi que será meu papel de agora em diante providenciar essa experiência. Não fui ainda ver quantos cupcakes foram comidos. Estou aqui roendo as unhas—serão os meus bolinhos um sucesso ou um fracasso de publico? No decorrer do dia ficaremos sabendo.

As receitas:

mom's chocolate cupcakes
1 1/2 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de açúcar
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de sa;
1/3 xícara de cacau em pó
1/2 xícara de óleo - usei azeite
1 xícara de água
1 colher de chá de extrato de baunilha
1 colher de sopa de vinagre

Misture todos os ingredientes muito bem e coloque nas formas de cupcake. Asse por 20 minutos em forno pré-aquecido em 350º F/176º C.

simple vanilla cupcakes
2 xícaras de farinha de trigo
1/2 colher chá de sal
2 colheres de chá de fermento em pó
1/2 xícara - 113 gr de manteiga sem sal amolecida
3/4 xícara de açúcar
2 ovos
1 xícara de leite - usei egg nog
1 colher de chá de extrato de baunilha

Pré-aqueça o forno em 375ºF/ 176ºC. Forre as formas de cupcake com forminhas ou unte com manteiga. Bata bem a manteiga com o açúcar até formar um creme bem leve. Acrescente os ovos, um por vez. Adicione os outros ingredientes e a farinha e o leite alternadamente. Distribua a massa nas formas e asse por 20 minutos.

**update: 4:37 pm, passei pela cozinha e dos vinte e quatro cupcakes que eu coloquei lá às 8 am, restaram ZERO! ainda bem que eu não pronunciei a palavra orgânico—pisc!

Mousse de chocolate

moussechocolate.jpg

Peguei essa receita de mousse de chocolate no jornal Folha de São Paulo. Gostei dessa versão, que eles chamam de "light", por não conter as gemas, mas sim as claras de ovos. Resolvi experimentar. É um doce que vai agradar muito aos chocólatras e que de light só tem o nome. Achei bem forte e não consegui comer nem um potinho inteiro. Tem que ser servido com frutas frescas, pra contrabalançar a robustês do chocolate. Usei uma barra de Lindt 85% cacau e não coloquei as raspas de laranja, pois elas estavam na lista de ingredientes, mas não apareceram no modo de fazer, portanto eu deixei passar. Mas acho que as raspas adicionariam um toque elegante extra. Como fiquei com medo de misturar o chocolate nas claras muito vigorosamente, o mousse ficou com brancos do suspiro visíveis. Mas não comprometeu em nada o sabor, só o visual que ficou funky.

Mousse de chocolate
Tempo de preparo: 20 minutos, mais 2 horas para resfriar
Rendimento: 4 porções

100 g de chocolate escuro [com, pelo menos, 70% de cacau] quebrado em pedaços
3 claras de ovos
1/2 colher de chá de vinagre de framboesa ou de maçã
100 g de açúcar de confeiteiro
raspa da casca de 1 laranja
morangos ou framboesas, para decorar

Ponha o chocolate em uma vasilha refratária, sobre uma panela de água fervente. Aqueça-o até que derreta, mexendo de vez em quando.* pode derreter no microondas também.

Misture as claras de ovos, o vinagre e o açúcar em uma vasilha refratária, colocada sobre uma panela com água começando a ferver. Bata a mistura com uma batedeira elétrica de mão, por 5-8 minutos, até que fique firme. * não deixe a água ferver, nem a vasilha encostar na água—esse processo vai cozinhar as claras, o que é muito importante [lembrem-se da odiosa salmonela!]

Tire as claras em neve do fogo, depois misture com cuidado o chocolate derretido, até que fique homogêneo. Coloque em 4 forminhas. Deixe esfriar, depois refrigere por, pelo menos, 2 horas. Decore com os morangos e sirva.

chocolate, chocolate, chocolate

petitdesserts.jpg

Com tanto chocolate se exibindo e me acenando das prateleiras das vendinhas da cidade, finalmente caiu a ficha: a Páscoa está chegando! E eu que nem sou chocólatra, não consigo resistir a essas coisinhas—petit desserts, por exemplo... quer um?

as sobremesas do Ano Novo

Quando há uma festa ou eu tenho visitas, sempre fico animada para experimentar receitas novas e fazer coisas que normalmente não faço, como sobremesas. Para o Ano Novo decidi fazer uma pumpkin pie, porque o meu irmão e minha cunhada adoram essa torta. E quis experimentar uma torta de chocolate e pêra.

tortasanonovo1.JPG

Pumpkin Pie
da edição de novembro da revista Martha Stewart Liviing

Prepare a massa - graham crust
2/3 xícara de farinha de trigo
1/3 xícara de farinha de trigo integral
3 colheres de sopa de germe de trigo ou pepitas [sementes verdes de abóbora] tostadas
1/2 colher de chá de sal
1/4 colher de chá de canela em pó
1 tablete de manteiga sem sal, amolecida
1/3 xícara de açúcar mascavo

No food processor misture as farinhas, o germe ou pepitas, sal e canela. Adicione a manteiga e o açúcar, misturando até a massa ficar bem consstente. Forre a forma redonda, leve ao freezer por 15 minutos e então asse em forno pré-aquecido em 350ºF/176ºC até ela ficar dourada.

Prepare o recheio:
1 abóbora pequena assada - remover casca e sementes, usar só a polpa
3 ovos ligeiramente batidos
3/4 xícara de açúcar mascavo
1 colher de sopa de maizena [eu omiti]
1/2 colher de chá de sal
1/4 colher chá de allspice
1 pitada de pimenta cayenne em pó
1 pitada de cravo em pó
1 1/2 xícaras de leite evaporado [evaporated milk]

Bata todos os ingredientes no food processor. Deixe descansar por 20 minutos. Coloque essa mistura na massa já assada e coloque novamente no forno em 325ºF/162ºC por 40 minutos. Sirva em temperatura ambiente ou gelada. Eu servi com chantily feito com creme de leite fresco.

tortasanonovo2.JPG

Chocolate Pear Tart
da edição de dezembro da revista Everyday Food

1 tablete de manteiga sem sal na temperatura ambiente
1 xícara de amendoas sem pele
3/4 xícara de açúcar
3 ovos
1/3 xícara de cacau
1 colher de chá de extrato puro de baunilha
1/2 colher chá de sal
3 pêras [Bartlett] bem firmes

Pré-aqueça o forno em 350ºF/176ºC. Unte uma forma redonda com o fundo removível com manteiga. No food processor misture as amêndoas e o açúcar. Moa bem fininho. Adicione a manteiga, cacau, baunilha, sal, e misture bem. Coloque a massa na forma untada. Descasque as pêras e corte em fatias. Vá arranjando as fatias sobre a massa de maneira decorativa. Coloque a forma numa assadeira plana e asse por 40 minutos. Desenforme depois de fria e sirva. Parece um brownie bem fino, com as fatias da fruta - perfeito!!

hot chocolate

hotchocolate.JPG

Quando li a Anna contando numa das passagen da sua viagem a Argentina, de como os argentinos colocam barras de chocolate no leite quente, fiquei passada! Como nunca pensei em fazer isso antes? Que idéia genial! Então arregacei as mangas e mandei bala. Sob os olhares desconfiados do Uriel, mergulhei no leite uns quadradinhos super finos de chocolate amargo da Lindt que tenho sempre guardados num vidro. Eles são pra aquele eventual "craving", que raramente acontece. Gosto desses porque são fininhos e têm 70% de cacau. Pois coloquei três deles para cada xícara grande de leite bem quente. Não precisa colocar mais nada. Pro nosso gosto de açúcar ficou perfeito, já que não gostamos de nada doce demais. Mas pra quem é formiguinha, uma colher de mel faz o truque. Bom pra dias frios, ou não tão frios—qualquer dia!

BROWNIE do Lau

Estreando no Chucrute com Salsicha, por convite da Fer, resolvi colocar uma receita que tem feito muito sucesso. Embora seja algo comum, o brownie é uma sobremesa que nem sempre as pessoas sabem como fazer. Testei várias receitas e algumas variações até chegar a esta que mais me agradou.

Ingredientes -
250gr de chocolate meio amargo picado
50gr de nozes picadas*
1 e 1/3 xícara de açúcar
4 ovos
150gr de manteiga
1 xícara de farinha de trigo

Preparo -
Colocar a manteiga e o chocolate picado em uma tigela e levar ao microondas ou banho maria. Se for no microondas, retire de tempos em tempos e mexa. No banho maria, vá mexendo aos poucos, até derreter por completo. Depois de derretido, colocar os ovos, o açúcar, as nozes e misturar bem. Por último, acrescentar a farinha de trigo e misturar até ficar uma massa homogênea.

Untar um tabuleiro retangular (30 x 20cm) com manteiga e polvinhar farinha de trigo antes de despejar a massa uniformemente.

Forno: 180ºC
Tempo: 30 minutos

Dicas para o sucesso -
Substitua as nozes por castanhas de cajú ou do pará ou mesmo amêndoas, conforme sua preferência. Quanto melhor os ingredientes que você utilizar, melhor será o resultado. Portanto, use um bom chocolate. Esta receita não requer o uso de batedeira. Basta usar uma tigela para misturar os ingredientes e um fouet. Substitua a farinha de trigo por chocolate em pó após untar a forma, como uma variação.

give me the chocolate and nobody gets hurt

Eu gosto, é claro, mas não sou viciada, nem louca por chocolate. Também não sou uma formiga, sempre atrás do açúcar. Mas todo mundo tem seus dias, quando acontecem coisas inesperadas, que nos fazem agir de maneira pouco comum. Ontem foi um desses dias pra mim.

Fui ao dentista para a minha limpeza semestral. Eu tenho uma história com dentista. Não é uma história feliz, apesar de eu ter uma dentista fenomenal, com uma equipe fenomenal. O problema é que eu nasci assim, com essa propensão para ter problemas dentários. Never mind, isso não interessa. O que interessa é que eu fico toda tensa e estressada quando visito minha dentista. Ontem não foi diferente, tive até uma dor de cabeça.

Quando voltei pro trabalho o inusitado aconteceu. Me deu um desejo incontrolável de comer chocolate. Podia ser qualquer um, bad American chocolate, cheio de caramelo e peanut butter, eu encarava qualquer coisa. Catei 3 mangos e corri pra maquininha de tranqueiras mais próxima. Peguei uma barra de Crunch [dark, edição especial!], um pacote de M&Ms de amendoim e um saco de sour gummy bears!! Eu ADORO tudo o que é sour, isso é uma fraqueza que não posso negar. Mas M&M e Crunch foi novidade. Nem preciso dizer que devorei tudo enlouquecidamente e depois bebi água pra digerir a culpa.

Acontece.... Hoje já estou mais tranquila e voltei pro chá branco, frutas desidratadas, iogurt e barrinhas de cereal!

Chocolate Ganache Tart

Essa foi a sobremesa que decidi fazer para o Thanksgiving. Peguei a receita da edição nº 27 [novembro] da revista Everyday Food da Martha Stewart. É uma torta bem pesada, bem rica. Pra quem gosta de chocolate é um manjar! Precisa ser servida com uma fruta, tipo uva, pra quebrar um pouco o sabor pesadíssimo do chocolate. Mas fica muito boa!

Pré-aqueça o forno em médio [350ºF ou 176ºC].

Faça a massa: no food processor moa 3 colheres de sopa de amendôas sem casca. Acrescente 6 colheres de sopa de açücar, 1 1/4 xícara de farinha de trigo e 2 colheres de chá de casca de limão ou laranja ralada [opcional]. Misture bem na opção 'pulsar'. Acrescente 6 colheres de sopa de manteiga gelada cortada em pedacinhos. Vai acrescentando a manteiga aos poucos e pulsando até a massa ficar uma farofa. Coloque a massa numa forma de 22 cm [9 inch] com o fundo removível. Aperte bem dos lados e no fundo, tentando deixá-la o mais fininha possível. A massa fica uma farofa, não fica grudenta. Asse no centro do forno por mais ou menos 20 minutos, até ficar firme e dourada. Transfira para uma grade e deixe esfriar completamente por mais ou menos uma hora.

Faça o ganache: coloque 340 gramas [12 ounces] de chocolate amargo quebrado em pedaços numa vasilia. Numa panela pequena coloque 1 1/4 de heavy cream pra ferver. Coloque o creme fervendo em cima do chocolate - passe o creme por uma peneira. Bata bem até o chocolate ficar todo derretido e a consistência cremosa. Adicione 1 colher de chá de baunilha.

Monte a torta: desenforme a massa e ponha numa travessa. Coloque a mistura de chocolate no centro. Deixe descansar por duas horas. Pode gelar por uma hora antes de servir. Mas como estamos no inverno, a visita à geladeira não foi necessária. Serve dez pessoas.




[VOLTAR]