··÷¦ o outono deste ano ¦÷··

o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano
o outono deste anoo outono deste ano

the white sangria

outonooutono
outonooutono

Essa receita aconteceu em setembro, quando ainda havia figos e nectarinas, antes da minha viagem de férias pro Brasil. Foi a bebida do final de semana, que foi bem quente. E me deixou aproveitar sobras de vinho branco. Aqui sempre sobra vinho porque eu sou a única que bebo. Mas dessa vez não sobrou nada. Fiz uma mistura no olhômetro, mais ou menos assim—bastante vinho branco, uma outra quantidade de suco de uva branca, uma lata de ginger ale, suco de um ou dois limões verdes espremidos na hora, duas nectarinas picadas em cubinhos minúsculos. Cubos de gelo nos copos e servir.

um espetáculo de verão

Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle
Summer Expectacle Summer Expectacle

a árvore da floresta

finding the christmas treefinding the christmas tree
finding the christmas treefinding the christmas tree
finding the christmas treefinding the christmas tree
finding the christmas treefinding the christmas tree
finding the christmas treefinding the christmas tree
finding the christmas treefinding the christmas tree
finding the christmas treefinding the christmas tree
finding the christmas treefinding the christmas tree
finding the christmas treefinding the christmas tree

Eu não estava planejando armar árvore de Natal este ano, porque não vamos passar em casa e não estava muito no espírito. Mas o Uriel insistiu e fomos. Coincidentemente tinha nevado sem parar por dois dias seguidos e até nos perdemos por causa de algumas estradas fechadas, acabamos não indo no nosso lugar de sempre de buscar árvore. Acabamos aportando por acaso nessa fazenda toda coberta de neve novinha, branquinha, fofinha, flocuda, das melhores para se fazer bolas de neve! Lá tomamos cidra quente e devoramos tortas tradicionais dessa época—shoo fly pie e apple pandowdy. Passeamos pela fazenda que estava encantadora, depois compramos nossa árvore, que estava coberta de neve como todas deveriam ser, sem flocos de algodão.

e mais um outro outubro

outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro
outro outubrooutro outubrooutro outubro

Sempre tive uma simpatia particular pelo mês de outubro, não só porque ele é inaugurado com o evento auspicioso e festivo do meu aniversário, mas também porque no hemisfério norte já podemos notar os primeiros sinais do outono. E esse outubro começou especialmente bem com uma visita surpresa e inesperada do meu filho, o que fez o meu dia de ficar mais velha um dia muito mais feliz.

Outubro será o meu último mês circulando pelo campus da Universidade da Califórnia em Davis, porque no inicio de novembro todo o meu grupo mudará para um novo prédio na periferia da cidade. Estou muito animada com essa novidade, embora saiba que vou deixar pra trás um apanhado de coisinhas que a gente só vê e vive num ambiente acadêmico. Mas vou ganhar uma vida social mais intensa, que vai incluir uma área de refeição por onde circularão centenas de pessoas diariamente. Histórias interessantes certamente abundarão.

Nas previsões de outubro—o halloween, as mudanças no trabalho e o aniversário deste blog, que vai completar quantos anos mesmo? Não vou mentir que estou mesmo é pensando nas celebrações de novembro!

[ new this week ]

tomates-new1.jpg

tomates-new2.jpg
at the Woodland farmers market

amendoeiras em flor

amendoal
amendoalamendoal
amendoalamendoal

De repente tudo começa a florecer, incluindo os pomares de amêndoas. Quando você está dirigindo por uma das estradinhas da região e um pomar florido aparece no horizonte, o único procedimento aceitável é parar o carro imediatamente e se meter na propriedade alheia para tirar fotos dessa lindeza.

it's citrus time!

citrus-time1.jpg
tangerina, laranja vermelha, limão rosa

citrus-time2.jpg
limão rosa

a árvore na montanha

the xmas treethe xmas tree
the xmas treethe xmas tree
the xmas treethe xmas tree
the xmas treethe xmas tree
the xmas treethe xmas tree
the xmas treethe xmas tree

Iniciamos no ano passado a nova tradição de ir buscar nossa árvore de Natal direto na fonte—nas fazendas de pinheiros próximas das montanhas da Sierra Nevada. É muito legal ir até lá e escolher a árvore, cortar você mesmo e depois trazê-la amarrada no topo do carro. É uma boa maneira de começar a entrar no espírito natalino, que pra mim só acontece mesmo às vésperas do evento. Gosto de montar a árvore apenas uns dias antes e deixá-la iluminada na janela da casa para os passantes também poderem apreciar.

♥ adoro chuva no outono ♥

fall-rainfall-rain
fall-rainfall-rain
fall-rainfall-rain
fall-rainfall-rain

∴ pumpkin galore ∴

so manyso many
so manyso many
so manyso many
so manyso many

Elas estão onipresentes nesta época do ano. E vez e outra uma vira sopa, como essa da foto, que eu fiz batendo no liquidificador pedacinhos de abóbora já assados com caldo de cogumelo e temperando com azeite, sal, pimenta do reino moída na hora, ciboulettes e um pouco de half and half [1/2 creme de leite fresco—1/2 leite integral].

❧ as mudanças do outono ❧

it's fall againit's fall againit's fall again
it's fall againit's fall againit's fall again
it's fall againit's fall againit's fall again
it's fall againit's fall againit's fall again
it's fall againit's fall againit's fall again

Já posso dizer que estamos realmente no outono quando as folhas das magníficas sycamore começam a cair. Elas são as primeiras árvores que se desfolham, mas não são as que fazem da maneira mais bonita. As folhas imensas dessas árvores não ficam amarelas nem vermelhas, nem degradê, elas simplesmente secam e caem. E fazem uma sujeira e tanto. Mas não deixa de ser uma ocorrência bem-vinda depois do cansaço do final do verão. Minha casa é rodeada por umas cinco sycamore bem antigas e imponentes. Todo final de semana é um limpa limpa e as folhas gigantes continuam caindo, e vão cair desordenadamente até não sobrar mais nenhuma.

O Farmers Market de Woodland encerrou suas atividades sazonais. E encerrou com grande estilo, alongando a temporada por três semanas por causa da demanda. Fiz um estoque enorme da maçã mais deliciosa do mundo e me despedi dos meus fazendeiros favoritos com o melhor sorriso desejando revê-los todos em breve. Ganhei alguns produtos extras, colocados na minha cesta como um sinal de agradecimento. E recebi o elogio mais gentil—você foi uma super cliente! Certifiquei que estarei de volta para o próximo ano.

As abóboras abundam e acrescentam cores na peculiaridade da paisagem de outono. Já tivemos dias frios, com chuva e vento. Outros dias de sol virão, intercalados com os de chuva. Este ano está prometendo um inverno bem mais molhado. Quando dirijo para casa voltando do trabalho à tarde já não vejo mais nenhum campo de tomate ou de milho. Só vejo uma imensidão de terra sendo preparada para descansar ou receber alguma cultura alternativa de inverno. Os dias estão mais curtos e eu estou muito ocupada com toneladas de trabalho me soterrando e me consumindo. O lazer nos finais de semana é minha prioridade, com os dias de folga encabeçando a lista de desejos e cobiças. Quando eles chegam eu me comporto de maneira completamente esganada querendo aproveitar cada segundo. Porque são tantas coisas para fazer, ler, ouvir, fotografar, conversar. Além de todas aquelas folhas para varrer.

o doce que vem no figo

fig-jam_1.JPG

Parti figo ao meio e a polpa era o doce mais doce dos doces. Neste verão posso dizer que me esbaldei de comer figos. Comi de todas as variedades que achei pra comprar. Só não tive ânimo de me enfiar debaixo daquela árvore de ninguém onde todo ano me aventuro colhendo uns figos diferentes, verde claro por fora e um marrom pálido por dentro. Esses super doces comprei da mocinha que vem de Esparto vender os produtos mais bonitos no Farmers Market de Woodland. Ela já me conhece de outros carnavais e este ano teve até a audácia de guardar figos pra mim, na certeza de que eu compraria. E eu comprei. Voltei lá depois de comer os figos com doce dentro e mostrei essa foto para ela. Disse—seus figos vêm com doce de figo dentro. Ela riu com uma cara de bocó, porque muitos dos produtores do nosso pequeno Farmers Market parecem ser pegos de surpresa pelas coisas que eu falo pra eles. Sem mencionar a complexidade inovadora do discurso que vem sempre acompanhado de material ilustrativo. Saco o telefone da bolsa, mostro as fotos e falo coisas elogiosas, como se eu estivesse falando dos filhos deles, dizendo como são bonitos, inteligentes e talentosos. Eles sorriem agradecidos ou ficam com cara de abobalhados, com certeza pensando de onde saiu essa mulher que vem toda semana aqui com esse papo. Outro dia fui mostrar umas fotos dos figos pra um casal de quem eu sempre compro frutas e com quem sempre converso um bocado. Eles se entreolharam estupefatos. Num outro dia mostrei a foto das peras e das maçãs. E ainda no outro a das berinjelas rajadas. Nesse dia o moço não se aguentou e me disse entusiasmadamente—você deveria estar aqui deste lado junto com a gente, ajudando a vender nossos produtos. Ele falou isso num impulso, mas não parecia estar brincando.

o outono chegou, então?

pumpkin-time_pumpkin-time_
pumpkin-time_pumpkin-time_
pumpkin-time_pumpkin-time_

[na colheita]

colheita tomatecolheita tomate
colheita tomatecolheita tomate
colheita tomatecolheita tomate

Este verão foi um bom verão para os tomates. Não tivemos quase chuva no inverno e primavera, mas quando o calorão chegou, ficou estável por meses. Dias bem quentes, noites frescas. Imagino que tenha sido um ano de excelente safra. Os campos não estão tão pertos do meu caminho como no ano passado. Mas vi bastante colheita, desta vez um pouco mais de longe e sem muita vontade de ficar correndo pelo acostamento da estrada poeirenta tentando tirar fotos. Cliquei um caminhão aqui, outro ali, outro acolá no horizonte, cruzando a ponte do outro lado da pista. Vi muitos deles indo e vindo, completamente cheios e derrubando frutas pelas curvas ou já vazios voltando para pegar mais tomates nos campos. Vi muitas carretas cheias esperando os caminhões levá-las para as enlatadoras. As grandes plantações de tomates desta região são para enlatar e fazer catchup. São tomates comuns no formato, mas impressionantes na quantidade e qualidade. Diferentes dos vendidos para o consumo, que são um outro espetáculo—um caleidoscópio de cores, sabores e formatos que alegram os nossos olhos e paladares durante todo o verão.

cores de final de verão

the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school

dog days of summer

São os melhores e os piores dias. Os melhores por causa da abundância de frutas e legumes, os dias longos, o cheiro de feno seco pelas estradas, o entusiasmo pela colheita do tomate, as braçadas refrescantes na piscina [quando ela abre] sob um céu impecavelmente azul, a brisa da noite, os picnics, os almoços e jantares no quintal. Os piores porque estamos tendo um verão bem tórrido e nos dias em que o bafão se instala não acho possível cozinhar. A fome é quase que a mesma, mas o entusiasmo por fazer comida no fogão anda bem pequeno. Por isso cozinhando pouco estou.

dog daysdog days
dog daysdog days

Mas estou feliz com o inicio de agosto, pois julho foi um mês meio amargado de chatices, começando pelo gato que caiu doente logo nos primeiros dias. Fui surpreendida pela informação de que gatos e cachorros são mestres em fingir que está tudo bem e não mostrar que estão doentes. Os cachorros, porque não querem chatear, incomodar e entristecer os donos e os gatos porque são assim mesmo, orgulhosos. Pois foi então que o meu gato desmoronou de repente. Num dia estava normal—dentro do que se pode esperar de um animal com 17 anos, e no outro não conseguia se sustentar nas próprias pernas. Desde então estamos cuidando dele com o máximo de carinho e atenção. São remédios duas vezes por dia, soro um dia sim outro não, comida especial e um limpa limpa que não acaba mais, porque ele tem muitos acidentes de banheiro. Não tenho a ilusão de que ele vai voltar a ser o que era, mas pelo menos não está sofrendo. Descobrimos nesse interim que ele adora abóbora, depois que fomos aconselhados a misturar o purê do legume na comida normal para ajudá-lo com uma desagradável prisão de ventre. Quando chego em casa ele é o primeiro a aparecer, correndo todo capengueta atrás de mim, porque sabe que vou dar comida. O velho Misty Gray de sempre, o nosso gato Highlander.

Tive que parar de frequentar as classes de zumba que eu estava fazendo no YMCA da cidade por causa de uma incompatibilidade de horários e por recomendação de uma moça chamada Dolores fui experimentar uma aula com um outro grupo, que se encontra toda terça e quinta no ginásio de uma escola primária na minha vizinhança. Fiquei absolutamente chocada com a vigorosidade da coisa. Eu suo de pingar água da sobrancelha e empapar a toda a camiseta. A versão do YMCA devia ser para idosos. Já completei o meu segundo mês nessa zumba pra cabra macho e apesar de me esbaforir completamente e ainda ficar totalmente perdida nos movimentos rápidos, estou achando essa experiência super legal. Calculo que mais da metade das mulheres do grupo são hispânicas e então o ti-ti-ti é intenso. Invejo muito as moças que fazem os passos das danças com aquela graciosidade latina, sem ficar parecendo uma barata tonta no meio do salão.

dog daysdog daysdog days
dog daysdog daysdog days
dog daysdog daysdog days

Tentando estabelecer um esquema para a nossa rotina durante os dias de semana, com o Uriel em Sunnyvale, eu almoçando diáriamente no trabalho, as aulas extenuantes de zumba, a doença do gato, as restrições de um procedimento periodontal, as minhas tentativas de ver mais filmes e ler mais livros, a manutenção da casa, e os passeios e a vida social dos finais de semana—ajustei minhas investidas na cozinha para um modo mais quantitativo. Isto é, as comidas preparadas precisam gerar muitas sobras, para encherem marmitas ou virarem jantares rápidos e improvisados. Com um quilo de tomates ultra maduros fiz um molho que usei na preparação de uma lasanha gigante com camadas de abobrinha. Grelhei vários tipos de legumes e deixei na geladeira prontos para virarem uma salada ou recheio de sanduiche. Nos dias mais frescos cozinhei duas xícaras de quinoa, duas xícaras de arroz integral, uma de feijão, outra de lentilha. Minha desenvoltura fazendo comida crua ou usando a churrasqueira também está ficando notável. Os repetecos de receitas de sopa fria abundam. Bolos não tem acontecido, muito menos tortas ou pizza. E tem dias que a vontade realmente é de só de consumir um copão de sorvete, devidamente afogado em suco de laranja ou refrigerante de limão.

UC Davis Farmers Market

UCD-FM_1.jpg
UCD-FM_2.jpgUCD-FM_3.jpg
UCD-FM_2.jpgUCD-FM_3.jpg

Não vou mentir nem negar que sou uma habitué um tanto quanto fanática dos Farmers Markets da região. Antes eu era frequentadora apenas do mercado de Davis nas duas versões de sábado e de quarta-feira, se bem que essa última era mais pra fazer os afamados picnics. Agora vou nas duas versões em Woodland, no sábado e terça-feira, e também nas quartas-feiras do UC Davis Farmers Market. Essa opção é bastante conveniente pra mim, pois fica bem pertinho do prédio onde trabalho e posso dar um pulinho lá durante o meu break da manhã. É uma variante minúscula e montada especialmente para servir a população de estudantes do campus—os que com certeza tem a pior alimentação de todas. Essa versão universitária, que começou em 2007, é sazonal e acontece semanalmente no campus durante a primavera e o outono. Esse mercado já figurou por aqui uns anos atrás quando eu ia lá com o meu saudoso chefe. Desde então eles mudaram para numa área mais espaçosa, mas a feirinha continua tão boa quanto e hoje mesmo eu fui lá e comprei um punhado de cerejas.

colhendo frutas [u-pick]

Market Flowers
Market FlowersMarket Flowers
Market FlowersMarket Flowers
Market FlowersMarket Flowers
Market Flowers
Market FlowersMarket Flowers
Market FlowersMarket Flowers
Market FlowersMarket Flowers
Market Flowers

Desta vez fomos colher frutas na fazendinha orgânica da road 99 um pouco mais cedo e pegamos a [curta] temporada dos damascos. No ano passado colhemos apenas morangos e berries. Ficamos bem animados este ano e já voltamos duas vezes. Os morangos são deliciosos e segundo um amigo do meu marido que provou alguns, eles são os melhores que ele já comeu na vida! Eu até acredito. As berries ainda não estão super maduras, mas os damascos estão um caso à parte. As árvores estão carregadíssimas e as frutas estão lindas e dulcíssimas. Meu marido, que tem anos de experiência projetando robots chacoalhadores para colheita em árvores frutíferas, improvisou um chacoalhador manual no meio do pomar e pudemos coletar as frutas mais maduras que cairam das árvores. Adoramos e admiramos o fato da fazendinha usar o honor system na hora do pagamento. Nunca tem ninguém lá vigiando quem pega ou quem paga. Você colhe, você pesa, você paga o que eles pedem—treze dólares pelo baldinho cheio para morangos e damascos e quatro e cinquenta para o pound das berries. Acho que não dá pra ser mais local, mais fresco e mais próximo do produtor do que isso, né? É por essa, entre muitas outras, que eu adoro viver aqui na roça!

aspargos frescos
[com farofinha de panko]

aspargos-panko_2S.jpg

aspargos-panko_3S.jpg

Esfriou, choveu, choveu, choveu, baixou até neblina e hoje pela manhã tive que limpar uma camada de gelinho do vidro do meu carro e vi telhados e gramas das casas cobertos de geada. Mesmo assim os já presentes e evidentes sinais da primavera não permite tolos enganos—o inverno já virou a esquina, pelo menos oficialmente. E os sinais da nova estação estão por todos os lados. Um deles é a chegada dos aspargos. Uma chegada mundialmente celebrada, vamos concordar, pois esse legume é super versátil, além de delicioso. Dá pra fazer tanta coisa com eles, cozidos ou crus. Desta vez usei um maço para fazê-los da maneira mais simples possível, cozendo no vapor, temperando com azeite e limão e servindo com uma farofinha. Vi uma idéia mais ou menos como essa em algum lugar, mas esqueci onde. Por isso nem pude ter um guia e tive que inventar.

Numa frigideira coloque um pouquinho de azeite e refogue um ou dois dentes de alho picadinho. Junte panko [farinha de pão japonesa] o suficiente e refogue até ficar levemente dourado. Tempere com sal e com raspinhas da casca de limão [usei o meyer] e polvilhe sobre os aspargos já temperados com azeite e suco de limão [usei o meyer]. Sirva a seguir. Só isso.

aspargos-panko_1S.jpg

da terra da laranja

laranjas-beth_1S.jpg

Temos conversado muito sobre as laranjas e os limões porque esses cítricos andam onipresentes nas minhas andanças pela minha vizinhança em Woodland. Pra todo canto que eu olho, vejo árvores carregadas desses frutos. Sentada no sofá da sala de estar vejo duas árvores do vizinho de cá, da cozinha vejo outras duas do vizinho de lá e o vizinho da frente tem mais duas, todo mundo parece ter pelo menos uma laranjeira e muitos tem limoeiros. Devo ter ficado com algum tipo de obsessão cítrica depois que mudei de casa e fiquei lemontreeless, sei lá. O caso é que as laranjeiras carregadas de frutas de cores florescente estão todo o tempo no meu campo de visão e a frase que eu mais repito é—como eu queria pegar um tanto delas pra mim! Mas se não posso apenas ir pegando as frutas que quiser nas árvores alheias [trespassing!], resigno-me a aguardar pacientemente que alguém decida ser um vizinho benemérito. E de fato isso realmente acontece: noutro dia ganhei um saco de limões de uma vizinha e no sábado ganhei uma sacola cheia de laranjas de outra. Ela e o marido passaram a manhã colhendo laranjas de duas árvores, distribuiram um tanto e deixaram o restante em caixas na calçada para quem quisesse pegar. Dividir frutas com os desprovidos é, ao meu ver, uma das maiores manifestações de desprendimento, generosidade e benevolência humana.

bearss lime

limao-b_1S.jpg
a.k.a. persian — tahiti lime

A cidade já está com aquela cara triste de inverno, paisagem acinzentada, pilhas de folhas mortas nos meios fios das calçadas. Mas mesmo sabendo que agora serão muitas e muitas semanas de frio e chuva, me alegro imensamente com a chegada dos citrus. Minha cozinha já está iluminada com as laranjas, pomelos, tangerinas, tangelos, limões e limas. Depois de consumir toda a vitamina das frutas al natural, guardo as casas para jogar no fogo da lareira.

os dias estão dourados

dias douradosdias dourados
dias douradosdias dourados
dias douradosdias dourados
dias douradosdias dourados
dias douradosdias dourados
dias douradosdias dourados
dias douradosdias dourados
dias douradosdias dourados
dias douradosdias dourados

Tivemos dias de neblina pesada, dias de chuva, dias de ventania e com isso muitas das árvores já perderam quase todas as folhas. É tão lindo de ver, mas também tão efêmero, como tudo na vida. Os dias voam e eu não consigo fazer tudo o que quero. No primeiro dia de dezembro ganhei um limoeiro, que será plantado num lugarzinho que já escolhi lá no quintal. No segundo dia de dezembro minha casa participou do display das luminárias que acontece todo ano nesta área antiga da cidade. Tenho feito tudo com muito entusiasmo, pois agora sou uma das orgulhosas donas de uma daquelas casinhas vintage que todo mundo gosta de olhar. Minha vizinhança e vizinhos são muito bacanas. Fomos beber vinho e bater papo convidados pelos proprietários da linda casa construída em 1912. Tem dias que eu acho que meus gatos estão muito mais felizes aqui. E de uma certa maneira nós também estamos. Este outono está sendo um pouco diferente e eu não tenho do que reclamar.

amêndoas frescas

fresh-almonds_3S.jpg
fresh-almonds_4S.jpg
fresh-almonds_2S.jpg

Não tem coisa mais gostosa que um produto super fresco, vindo diretamente do pomar ainda na sua embalagem natural. Dá um pouco mais de trabalho pra abrir, mas o sabor compensa. Remova primeiro a casca aveludada, depois abra o invólucro poroso com um quebra nozes e o que não consumir na hora é só guardar na geladeira. Assim as amêndoas se manterão saborosas, crocantes e fresquinhas por um bom tempo.

pom [wonderful!]

pom-won_1S.jpg

Essas são as romãs mais deliciosas que eu já tive o prazer de provar. Todo ano eu ganho um saco cheio delas, vindas do maior produtor da Califórnia. Eles são os responsáveis pelo delicioso suco Pom Wonderful. Mas essas romãs que chegam pra mim são as produzidas para exportação, para o mercado japonês. Elas têm em média uns 15 cm de diâmetro e as sementes são vermelhíssimas e dulcíssimas, verdadeiras pedras preciosas. Este ano ganhei dez delas, escolhidas a dedo quando o Uriel voltou dos testes que ele faz nessa fazenda durante a colheita dos pistachos. Essa fazenda também produz toneladas de pistachos e de amêndoas, que irão virar histórias por aqui em breve.

as cerejas chegaram!

novas-cerejas_1S.jpg
orgânicas & locais

não tô mais podendo

roux-chegadisso_2S.jpg
[ chuvendô? travêis? ]

Olha, eu sou apenas um gato e nem saio na rua, nem mesmo no quintal. Mas não tô mais aguentando nem ver nem ouvir através dos vidros das janelas esse pinga pinga, molha molha e encharca encharca. E a ventania? Outro dia deu uma tempestade de chuva enviezada e vi galhos de árvores galore voando pela rua, além daquela poça ameaçadora que se alargava perigosamente lá no quintal. E esse céu sempre cinza? Nem dando muitos pulinhos espinoteados pela casa pra elevar o astral. Cansei a beleza de ver tanta água jorrando. Eu nem deveria me preocupar, já que nem saio de casa. Mas quando vejo a Fezoca chegando toda molhada e esbaforida, empunhando um guarda-chuvão cafona, dá uma certa pena. Mesmo pra mim tá tudo muito chato. Não aguento mais essa choveção. Dá pra começar logo essa tal de primavera?

☆ aspargos ☆

aspargos11_1S.jpg

Apesar do tempo chuvoso e frio parecer estar murmurando nos nossos ouvidos—inverno, inverno, inverno, já estamos na portinha da primavera e os sinais estão por todos os cantos. Nas árvores floridas e nas novidades brotando nas hortas. Já chegou o primeiro macinho de aspargos na cesta orgânica, que eu tive que dividir muito a contragosto com a minha ex-nora. Tudo bem, pois segundo o pessoal da fazenda, vamos ter aspargos pelas próximas oito semanas. Iurrruu!!

é sempre bom agradecer

abo-amarela_mini.jpgmacasnovas-mini.jpgperasnovas_mini.jpg

Em exatamente uma semana teremos as celebrações do Thanksgiving por aqui. Esse é, sem a menor dúvida, o meu feriado favorito no ano. Troco dez Natais por um Thanksgiving. E vou dizer porque. É que me sinto uma privilegiada por tudo o que tenho, nem preciso listar aqui, mas garanto que é muito. E por isso acho super importante esse negócio de agradecer. Nem precisa ser nada formal, um pensamento apenas basta—putzgrila, muito obrigada por tudo!

Neste ano não vai ter nada de especial. Nem mesmo o infalível peru. Decidi que não quero lidar com sobras, portanto vou assar um frango caipira, que abocanhei outro dia no Co-op e que guardei no congelador para esperar uma ocasião especial. Nosso esquema de Thaksgiving mudou um pouco, depois de quase dez anos de celebrações realizadas na casa da ex-sogra do Gabriel. Com ela aprendi muitas maneiras de apreciar essa festividade.

O Thanksgiving pra mim tem a cara do outono, que aqui é demorado, lindo e está no seu ápice no final de novembro. Nessa época estamos inundados pelas mais lindas cores de amarelo, vermelho e dourado. E apesar de já estar frio, ainda não está aquele cinza úmido miserável do inverno. É um momento realmente especial e muito auspicioso, que junta uma tradição culinária, com uma reunião de família. Comidas gostosas, calor humano. O dia de dizer obrigado está chegando e apesar de ainda não ter muitos planos esquematizados, eu já estou entrando no clima de antecipação e animação.

Hoes Down Fall Festival

hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival

Me diverti à beça no passeio que fizemos com nossos amigos da Unicamp na Full Belly Farm no dia do Hoes Down Harvest Festival, o festival do outono e da colheita. A Full Belly é uma fazenda orgânica localizada no Capay Valley e organiza essa festa, bastante famosa, há quase trinta anos. Além de poder conhecer a fazenda, ver o que eles produzem e como eles produzem, pode-se aprender muito com vários workshops e entender um pouco como funciona essa tal de agricultura sustentável. Mas a melhor parte dessa festa é mesmo a diversão—música, dança, comida e bebida. Nos vários palcos montados pela fazenda, tocava música ao vivo ininterruptamente e toda a comida servida era feita com ingredientes orgânicos. Desde o cachorro quente e os hamburgueres, feitos com carne grass-fed de animais criados de maneira humanitária, até os tomates e as salsinhas das saladas, vindos das fazendas da região. Tudo uma delícia, até a cerveja orgânica da cervejaria Thirsty Bear de San Francisco e os vinhos orgânicos de vinícolas locais.

Toda energia usada na festa era solar, o lixo era todo reciclado e o orgânico compostado, um mercado vendia frutas, legumes e verduras, tinha muita atividade para entreter a criançada, muita coisa legal pra ver e fazer. Nas fotos, um pouquinho de cada coisa: as crianças ajudando a moer a maçã para fazer apple cider, a apresentação dos alunos da escola Waldorf de Davis, o galpão cujo teto estava forrado de flores secas, os produtos feitos com a lavanda orgânica desta fazenda que visitamos na primavera, centenas de abóboras para quem quisesse fazer sua própria jack-o-lantern, artesanatos com flores, lã, panos e tintas para colocar as mãos na massa, e muita coisa boa para comer e beber, incluindo os mais deliciosos e mais criativos picolés do mundo vendidos pelas meninas do Fat Face de Davis.

O festival durou dois dias e teve música e dança até tardão da noite. Quem quisesse podia acampar na fazenda. Nós fomos somente no sábado e não ficamos até o final, porque já tínhamos outro compromisso. Foi a primeira vez que participei, mas com certeza não será a última. No próximo ano estarei lá novamente—nem dúvide, pois já marquei na agenda!

[na chegada do outono]

romas-novas10_1S.jpg

"Estreamos a quarta-feira de estação nova. Grama plantada fresca no playground e chão forrado de folhas amarelas. Alguém me disse olhando pras arvores e abraçando meus ombros:

—Que coisa mais bonita essa natureza...

A rotina não muda, mas a paisagem encanta os olhos. Outono é realmente minha estação favorita! Ontem cortei umas abóboras em guirlanda, que as crianças adoram colorir. E fiz tinta laranja pra pintura. E massinha de modelar cor de abobora com purpurina brilhosa. Girei um fantasminha feito improvisadamente com um filtro de café preso numa cordinha... BOOOOO....BOOOOO..... As crianças correram pela sala às gargalhadas!

Um ventinho sopra e vem uma chuva de folhinhas douradas. Uma criança sai gritando:

—o inverno está chegando! o inverno está chegando!

Vamos com calma!, vamos com calma, que por enquanto ainda estou curtindo o comecinho do outono."

vão virar catchup

tomato-truck_1S.jpg
tomato-truck_2S.jpg
tomato-truck_3S.jpg

Final de verão é época de colheita aqui na terra do tomate e dirigindo pelas estradas, passamos por muitos desses caminhões carregados da fruta. A maioria vira catchup. O resto é enlatado, no pico da maturidade e doçura.

a arte de encher linguiça

Eu nunca enchi uma linguiça de verdade nessa minha vida de enchedora de linguiça de palavras. Tirar assunto das pedras, sim isso é possível se você quiser e tiver o dom da conversa. Não quero insinuar que o meu papo é o mais interessante do planeta, mas quem sabe encher linguiça, sabe encher linguiça. E é claro que não estou falando da linguiça comestível.

Por isso nos dias em que fico sozinha em casa—e que não são poucos durante o verão, nem rareiam durante o resto do ano para quem é casada com um acadêmico, quando não tenho um outro humano presente para conversar, tagarelo com os gatos, com a televisão, com o computador e comigo mesma, que sou realmente a melhor e única companhia quando estou sozinha. Me dou bronca colocando o meu próprio dedo em riste no meu próprio nariz, tomo decisões exclamando bem alto frases autoritárias—AGORA CHEGA TÁ ME OUVINDO? ou—AGORA VAI OU RACHA, HEIN DONA FERNANDA! Dou muitas gargalhadas lembrando de certas histórias, choro borbulhões de lágrimas quando a macaca morre de pneumonia no filme, leio livros, leio revistas, marco receitas pra fazer, faço algumas mesmo estando sozinha e além de fazer, eu como. Sim, como e bebo, pois posso ser tudo, mas boba é que eu não sou.

jantar-offhawaii_1S.jpg

O único problema de fazer receitas quando se está sozinha é acabar com um monte de comida sobre a mesa, nas bancadas, no fogão e na geladeira. Quando alguém aparece, já vou oferecendo—não quer levar esse bolinho, fiz com farinha orgânica superfina, ovos cairpiras, tá vendo como tá amarelão? Empurro sobras pro meu filho, que já tem empilhado na cozinha da casa dele um monte de pratos, vasilhas de vidro com tampa e guardanapos, esperando ele lembrar de me devolver. Mas mesmo sendo comida super simples, eu faço em casa. Pois gosto de comer, e comer comida fresca, comida boa, quero aproveitar as frutas, os legumes, não quero comer qualquer porcaria em qualquer lugar puramente por causa da minha preguiça.

Descobri a roda e o fogo quando decidi testar fazer batata frita e torradas na churrasqueira. Dá super certo e fica super bom, garanto! Outro dia fiz até um frango xadrez usando uma wok dentro da churrasqueira. Queimou os cabos de madeira, mas o frango com legumes e amendoim ficou uma delícia. No verão eu uso e abuso da minha churrasqueira, muitas vezes porque está muito quente pra ligar o fogo do fogão, outras vezes somente porque cozinhar no quintal é divertido. E tudo feito na churrasqueira tem um gosto especial. Aos poucos vou experimentando coisas diferentes.

No dia em que chegou a cesta orgânica eu já grelhei uma berinjela comum e outra japonesa, vários pimentões verdes, amarelos e vermelhos, algumas pimentas jalapeño, jantar-offhawaii_2S.jpgvárias abobrinhas. Aproveitei e cortei uma baguette do dia anterior em rodelas, esfreguei alho e pinguei uma gota de azeite em cada uma e também grelhei—acredite, ficam as melhores torradas para bruschettas! Meu jantar neste mesmo dia foi torradas com tomates e folhas de manjericão picados e temperados com azeite, um pingo de balsâmico e sal, mais as abobrinhas grelhadas, que eu pré-temperei com ervas de provence, sal grosso e azeite, mais alguns figos e nectarinas frescas, além de duas taças de vinho rosé, feito com uvas orgânicas da costa norte da Califórnia.

Não me importo de sentar à mesa sozinha, escutando jazz, falando comigo mesma, rindo dos gatos, comendo coisas nem sempre combinantes, nem sempre uma refeição clássica, desde que seja comida boa, gostosa, fresca, que eu como com um imenso prazer. E como muito, nem vou mentir. Gosto de encher linguiça, gosto de falar, gosto de comer e beber. Mas tem uma hora que é preciso dizer chega. Hoje vou buscar meu marido viajante no aeroporto. Agora quero comer e beber um pouco com companhia, contar e ouvir histórias, abraçar, beijar, dar risada—que saudades que estou dele!

summertime

bolo-uriel_3S.jpgbolo-uriel_2S.jpg
saladatomatetom_1S.jpg
tomatesdeverao_1S.jpg
mistytbmverao_1S.jpgrouxtbmverao_1S.jpg
blossomsgoingrill_1S.jpg
saltomatamerelo_1S.jpg

Passamos por metade do nosso verão e até agora nem tenho do que reclamar. Os tomates chegaram tarde, mas chegaram firme. No aniversário do Uriel tomei coragem e fiz um bolo de quatro andares com recheio de morangos e chantily, cobertura de marshmallow que ficou lindo, gostoso, o fino da bossa. Foi o meu presente pra ele, que já com certeza cansou de ganhar meias, camisas, cuecas, e uns pijamas que ele nem usa.

Viajamos, voltamos. Logo ele vai viajar de novo, mais algumas vezes. E nos dias que fico sozinha, desacelero minha rotina na cozinha. Repito algumas receitas incansávelmente—as sopas frias, incluíndo variações do gazpacho, inúmeras saladas, de abobrinha, de tomate, milho assado na palha, salmão defumado com pão rústico, queijos, azeitonas, picolés de frutas. Outro dia fiz um suflê de milho, grelhei flores de abobrinha recheadas com queijo de cabra e assei uma torta de pêssego. Muita comida que nem tive vontade de fotografar, só de comer. Vinho verde. Brisa gelada durante a noite. Céu sempre azul, azul. Alguns dias tórridos, seguidos de outros dias deliciosamente amenos. Melões, melancias, pêssegos, nectarinas, uvas. Um dos meus pessegueiros está tão carregado de frutas, que o tronquinho magrelo até envergou perigosamente. Ainda tenho uns limões gigantescos na árvore—que vou usando com moderação, para esticar bem a temporada desse citrico no meu quintal. Já tem outros limões brotando, minha produção consegue ser year-round. Nectarinas já não há, pois o esquilo comeu todas. A devastação foi intensa e o que podemos fazer contra uma peste tão charmosa que nos encara e até posa para fotos, quando corremos para pegar a câmera e registrar o flagra?

Eu sei que é sempre a mesma história, sempre o mesmo papo, mas o verão é isso mesmo. Chegam as ondas de calor, vem a brisa fresca, abundância de tomates e frutas saborosas, um dos gato cheira as flores e rola no tapete e o outro dorme muito mais porque está ficando cada dia mais velhinho, ambos completamente alheios à algazarra silvestre que acontece do outro lado do vidro das janelas.

já é oficialmente verão

abundancia.jpg

nossa rotina da primavera

Abre as janelas, liga o ventilador de teto, põe um vestido, calça sapatilha sem meia, pega o guarda-chuva, veste um casaco leve, bebe cinco xícaras de chá quente, compra morangos, veste meias, desliga o ventilador de teto, coloca um casaco mais quente, enrola uma echarpe no pescoço, tira a meia, fecha a janela, guarda o guarda-chuva, liga o aquecedor, bebe quatro xícaras de chá quente, coloca a bota, tira a echarpe, pega o guarda-chuva, compra cerejas, abre as janelas, veste um vestido, coloca uma jaqueta leve, liga o ventilador de teto, põe gelo na bebida, faz o almoço na churrasqueira, guarda o casaco e a bota, tira a meia, veste a meia, desliga o ventilador do teto, fecha a janela, troca de casaco, carrega o guarda-chuva, se enrola na echarpe, come damascos, cerejas e morangos, espera pelos tomates, espera pelos tomates, espera pelos tomates, veste o sapatinho sem meia, veste saia esvoaçante, bebe várias xícaras de chá quente, assa um bolo, veste o casaco, veste a bota, pega o guarda-chuva, abre a janela, desliga o ventilador de teto, tira a meia, veste o casaco leve, se enrola na echarpe, bebe mais chá, assa mais um bolo, faz sorvete de morangos, fecha a janela, abre a janela, espera pelo verão.

a novidade da semana

morangoschegaram_1S.jpg
morangos locais e orgânicos!

na temporada

ruibarbos-pike.jpg

Ruibarbos—fresquinhos e lindos, à venda numa das várias bancas de frutas, legumes & verduras no Pike Place Market em Seattle.

sem título [enquanto espero]

chives-composite_1S.jpgchives-composite_2S.jpg
chives-composite_3S.jpg
composite_5S.jpgcomposite_7S.jpg

Acontece sempre comigo nas mudanças de estação. Vou ficando exausta do ritmo, das horas, do movimento, da luz ou falta de luz, das roupas, das comidas. Me encho de expectativas para as novidades que virão, pode ser apenas um ventinho mais gelado ou um raiozinho de sol mais potente. E este ano fiquei assim, bem cansada, do nosso inverno molhado. Enchi os piquás prá lá de metro das verduras, tantas folhas, overdose de clorofila. Estava esperando os dias mais secos, mais amenos, sem vendaval, ventania, chuva de granizo, como mais legumes do que verduras e poder usar um vestido com casaquinho, uma echarpe esvoaçante, sapatilhas sem meia. Nem estou pedindo para já começar a receber tomates, muito menos morangos. Mas que pelo menos pare de chover e abra o sol nos finais de semana, quando eu dou minhas braçadas e pernadas na piscina. E que o tempo fique firme pra gente poder almoçar na mesa do quintal.

Esta primavera está sendo uma das mais incomuns. Irritantemente fria e chuvosa, cansativa. Guardei toda roupa de inverno e tive que resgatar algumas peças na emergência. Cansei de vestir meias, de sair de botas. Me visto obrigatóriamente em camadas, mas muitas vezes preciso me agasalhar mais no meio do dia. Numa dessas tardes caiu um temporal com trovoadas. Muito peculiar, já que por aqui raramente troveja. Não plantei tomates na horta ainda, porque eles detestam frio. E eu também estou começando a detestar, porque tudo o que é demais dá nos nervos, exacerba.

Pelo menos já começamos a devorar toneladas de aspargos, alcachofras, ervilhas—as novidades que chegam no inicio da primavera. Apesar que nenhuma fruta nova apareceu no horizonte, ainda. Mas todo dia, quando passo pedalando pela árvore de damascos que fica no meio da minha vila e que não pertence à ninguém, observo o progresso da natureza e já vi que a árvore tem frutinhos bem grandinhos. É isso mesmo, os damascos chegam primeiro que as outras frutas de caroço e me deixam enlouquecida pois a temporada é curtíssima. Mas por enquanto o jeito é ter paciência. Olho a previsão meteorológica todo santo dia, na verdade várias vezes por dia e apesar da manhã ter sido escura e ter chovido canivetes, o sol apareceu discreto no meio da tarde e promete ficar num esconde esconde ente nós e as nuvens por alguns dias. Como as temperaturas máximas ficarão em torno de 20ºC, já renovei meus ânimos, pois muitas mudanças boas irão chegar.

a primavera chegou
[nos pomares de amêndoas]

flores-amendoal_3S.jpg
flores-amendoal_4S.jpg
flores-amendoal_5S.jpg
flores-amendoal_6S.jpg
flores-amendoal_7S.jpg

Uma semana depois da nossa primeira tentativa de ver as árvores floridas, dirigimos um pouco mais pro norte e encontramos muitos pomares assim, empipocados de flores. Ficamos meio na dúvida se essas eram amendoeiras, mas tivemos a confirmação achando muitas cascas ressecadas e apodrecidas das frutas espalhadas ao redor. Logo elas ficarão cheias de folhas verdes e depois de frutinhos. A colheita é no final do verão. Ainda temos uma longa espera pela frente.

bonitezas [efêmeras] da estação

prima_chega_3S.jpg
prima_chega_1S.jpgprima_chega_2S.jpg
prima_chega_4S.jpg

Essas florezinhas roxinhas são as primeiras que aparecem no meu quintal—resplandecentes e faceiras—quando a primavera aponta na esquina de março. Não sei que flor é essa, mas a planta é trepadeira, como o jasmim que vai florescer um pouco mais tarde. Essas não têm cheiro, mas como o jasmim têm uma existência breve. Logo todas as florzinhas caem e ficam só as folhas verdes, que produzem uma sombra muito boa numa pequena varanda onde fazemos algumas refeições nos dias de temperatura agradável.

alguns limões

limoes_precoce_1S.jpg

Tivemos que colher alguns limões em carater de emergência, pois o limoeiro estava muito tombado com o peso. O tamanho pequeno das frutas se deve à pouca chuva deste inverno. No ano passado choveu mais e os limões ficaram realmente gigantes.

esse vai-e-vem que nunca enjoa

Todo ano eu faço uma caminhada pelo Arboretum para fotografar a beleza do outono. Todo ano eu publico essas fotos do outono nos meus blogs. Quem me acompanha há um certo tempo já notou, e eu fico pensando em dúvida se alguém ainda quer ver fotos de folhas? Folhas de outono de novo? Mas não parece que foi ontem que publiquei fotos idênticas? Será o benedito que todo ano vou fazer sempre igual?

Com toda sinceridade, me agrada muito esses ciclos que regulam as nossas vidas, mesmo que isso signifique que vou escrever sobre os mesmos assuntos e registrar as mesmas imagens, entra ano, sai ano. Quantas fotos de tomates, flores, pêssegos, abóboras e folhas de outono já publiquei nesses últimos anos? Quantos verões, quantos outonos, invernos e primaveras? Algumas viagens, novos amigos, mudanças de hábitos ou de rotina. Felizmente está tudo documentado, para se lembrar e relembrar. Como se estivessemos folheando um álbum de fotos de família, com as mesmas caras habituais, um pouco mais velhas, com cortes de cabelo e roupas diferentes, alguns acréscimos, outras subtrações, mas todos sempre presentes nas mesmas celebrações, os aniversários, as viagens de férias, os natais.

Por aqui todo ano começa a esfriar e as folhas das árvores ficam amarelas, vermelhas, douradas e caem, coloco meias nos pés, acendemos a lareira, um gato quase queima os bigodes, alguém assa um peru que dividimos com a família no dia de agradecer, ficamos com dor no lombo varrendo e empilhando folhas no quintal, começa a chover, tiro fotos dos enfeites de Natal que ajeito pela casa de véspera, publico um cartão e desejo tudo de bom para todos, depois de tantas celebrações fico aliviada quando o ano se inicia, como nove sementes de romã, reclamo que não pára de chover, reciclo, recrio, me animo com a chegada da primavera, encho o saco da humanidade com as minhas fotos de flores e, principalmente, das rosas. O jasmim abre e o cheiro das suas flores perfumadas impregna o ar, capino a horta, planto tomates, as pestes chegam devagarzinho. O Gabe faz aniversário, faço o meu próprio breakfast no dia das mães, reclamo que está ficando muito quente, ando descalça, arranco mais mato da horta, detono algumas pestes e colho tomates, o Uriel viaja, viaja, viaja e eu reclamo mais um pouco de estar sozinha e do calor, as aulas e o ano recomeçam na UC Davis, eu aguardo ansiosamente uma brisa de outono, faço compras, combino uma social com os amigos, vou dançar o Blues, reflito sobre o envelhecimento quando meu aniversário aponta na esquina, comemoro mais um ano de vida, e mais um ano de blogagens, compro doces pras crianças, começa a esfriar, troco as roupas leves pelas quentes no armário, coloco meias nos pés, fecho as janelas, vejo as folhas amarelas entupindo as calhas da casa, lembro que preciso ir fotografar o outono no Arboretum, vou caminhar e encontro os limões cravo, publico as fotos das folhas, mais uma vez, mais um ano, mais um outono.

as cores mais lindas do ano

outono08_22S.jpgoutono08_17S.jpg
outono08_19S.jpg
outono08_8S.jpg
outono08_9S.jpgoutono08_12S.jpg
outono08_15S.jpg
outono08_18S.jpg

fotos de folhas são manjadas

foto_das_folhas_2S.jpg
foto_das_folhas_4S.jpg
Mas quem resiste?

tomate heirloom

heirloom_tomatos_1S.jpg

Os tomates heirloom são uma categoria especial de tomates e ganham essa denominação por serem tomates que têm uma tradição. Os heirloom são frutos naturais e especiais pois nunca foram manipulados pelo homem. Eles têm polinação natural, através do vento, dos pássaros ou da replantagem das suas próprias sementes. Diferentes dos hibridos, que foram engendrados para serem uniformes, terem o mesmo aspecto e, sobretudo, serem mais resistentes às pestes, os heirloom são espíritos livres, tomates hippies dançando descalços ao som dos tambores sobre a luz da lua. Eles nascem, crescem sem compromisso e não têm nenhuma preocupação estética de agradar, mas mesmo assim eles viram tomates lindos, justamente por não serem tomates massificados, um igual ao outro. Eles podem ficar enormes e às vezes se apresentar em formatos deveras interessantes. Os heirloom são muito comuns por aqui, eu mesma planto deles na minha horta. Os tomates gigantes que as ratazanas devoraram num verão no passado eram heirloom. Eu muitas vezes compro os tomates heirloom só por causa das suas cores e formas. Mas eles ainda têm outra vantagem sobre os tomates hibridos: são doces, suculentos, deliciosos, imbatíveis em sabor e textura. Alguns heirloom que já abafaram na passarela do Chucrute foram os rajados e os pitangas e os zebra.

anoitecer de verão

dim_light_1S.jpgdim_light_2S.jpg
dim_light_3S.jpg
Lendo o jornal e jogando conversa fora...

benditos frutos

As árvores estão assim, como uma mulher grávida de quadrigêmeos no último mês de gestação, curvadas pelo peso dos delicados frutos. O pé de nectarina já estava amparado com dois suportes de madeira há algum tempo. Ela é uma árvore mais madura, com um tronco mais robusto. O pessegueiro não. É uma arvorezinha mirrada, plantada num barril de plástico, mesmo assim está carregada de frutos e ontem o Uriel teve que colocar um suporte, porque queremos deixar as frutas amadurecendo lá por mais uns dias e não confiamos que o tronquinho magrelo fosse aguentar. No processo de amparar os galhinhos, dois pêssegos se soltaram. O Uriel comeu um e eu trouxe o outro cortado em fatias para comer durante a manhã no trabalho. Que maravilha de fruta doce e delicada! Acho que já podemos colher todos eles neste final de semana e dar um descanso para a árvorezinha!

»Imagens do lindo processo de transformação que todo ano nos encanta com FLORES , FLORES e mais FLORES e depois os FRUTOS, que ADOÇAM o nosso verão.

o primeiro da estação

o_primeiro_08_1S.jpg

Minha surpresa nesta semana foi encontrar muitos tomates já bem grandes, mas ainda verdes, nos pés de tomate que plantei este ano na minha horta. Surpresa maior foi ver vários tomates cerejas vermelhinhos pendurados num galho. O negócio é que eu não plantei nenhum pé de tomate cereja este ano, pois já vem muitos deles na cesta orgânica e eu sempre acabo com um surplus enorme. Esses nasceram espontaneamente, fruto das sementinhas dos tomatinhos que cairam na terra no final do último verão. Então tá, pelo jeito não tenho escolha, né? Vou ter tomates cerejas abundando na horta e na cozinha mais uma vez!

Blanc Mange

blanc_mange_S.jpg

Essa foi a primeira receita que marquei no The Taste of Country Cooking da Edna Lewis. É uma receita de primavera, quando a abundância de grama fresca significava um lote extra de leite, creme de leite e manteiga. Nessa estação do ano fazia-se muitas receitas com esses ingredientes, uma delas o Blanc Mange.

1 xícara de amêndoas sem pele
1 1/3 xícara de água gelada
1/2 xícara de leite
1/2 xícara de creme de leite fresco [heavy cream]
2/3 xícara de açúcar
1 colher de chá de gelatina em pó sem sabor
1/4 xícara de água gelada
1 colher de chá de extrato de amêndoas
1 colher de chá de extrato de baunilha
2 colheres de chá de rum

Coloque as amêndoas no processador ou liquidificador e pulse até elas ficarem moídas. Acrescente 1 1/3 xícara de água gelada e continue moendo, até virar um purê bem liso. Misture o leite, o creme de leite e o açúcar e bata tudo mais uma vez. Aqui Edna recomenda coar a mistura por uma peneira, mas eu não fiz. Coloque a mistura numa panela. Dissolva a gelatina em 1/4 xícara de água e adicione ao creme na panela. Coloque em fogo médio e, mexendo sempre, deixe escaldar mas não deixe ferver. Desligue o fogo, adicione os extratos e o rum. Coloque numa forma e deixe esfriar. Leve à geladeira até ficar firme. Remova da forma e sirva com frutas frescas ou em molho. Eu servi com um molho de framboesa e laranja. Também servi com figos assados na churrasqueira. De todas as maneiras esse doce foi um sucesso.

em novembro...

roma_copia_1S.jpg
roma_copia_2S.jpg

As romãs vão estar maduras para serem usadas, em deliciosos pratos salgados ou doces. Essas estão no edible gardens, a magnífica horta—pomar do COPIA.

as frutas da semana

frutas_da_semana_1S.jpg

Essa é a cornucópia de verão. Porém as cerejas já estão se despedindo, assim como os damascos. Mas os pêssegos e as nectarinas—e os figos, os FIGOS—já estão na roda. Dessas frutas, duas viraram sorvete. É uma boa maneira de usá-las rapidamente, já que eu não guardo fruta na geladeira.

não estou preparada pra hoje

É difícil alguém me pegar reclamand do frio. A não ser que chova muito e a umidade e falta de sol comece a mofar e cansar a beleza. Mas de maneira geral, eu encaro bem outono e inverno, nunca reclamei, nem mesmo quando morei em Alaskatoon. Mas o calor, lordhavemercy, esse me pega sempre com as calças na mão, tentando correr pra me esconder sem sucesso. Como eu abomino os dias infernais. Só não abomino mais os dias infernais daqui, do que a sauna do verão tropical. Sou uma pessoa temperada, não gosto de exageros.

Então me deu um siricotico histérico quando olhei a previsão do tempo para esta semana e vi lá na quinta-feira números inacreditáveis para esta época do ano. Hoje, 39ºC / 102ºF. O que significa isso??

Significa que preciso me vestir o mais confortavel possível, com roupas que não apertem, não sufoquem, e beber muita água, andar devagar, não se abanar nem se afobar, fechar as janelas e cortinas da casa na hora do almoço—na verdade deveria ter fechado agora de manhã—evitar usar o forno e tentar usar o fogão o mínimo possível. Plantas irrigadas, gatos com suplemento extra de água, coragem pra pedalar para casa às 5 pm, quando o mercurio do termómetro estiver batendo lá nos trinta e nove.

Essa ondaça de calor vai durar até domingo. A coisa boa é que está ventando muito. E ontem eu dormi com todas as janelas escancaradas e ouvindo uma deliciosa sinfonia de grilos, que pra mim é sempre um som nostalgico e reconfortante.

trimestre da primavera

Mais um ciclo se inicia. As aulas recomeçaram, o campus se encheu de estudantes e muitas daquelas arriscadas bicicletas. A população agora se divide em quem está sofrendo com a gripe e quem está sofrendo com alergias. Eu estou apenas tentando manter os olhos abertos, porque o vento ou outro mensageiro maldoso me presenteou com uma horrorilda conjuntivite. A cidade está coberta de pétalas de flores, algumas já se decompondo. O vento sopra gelado, dando a impressão de que tempo quente é apenas fruto da nossa delrante imaginação. Minha horta está renascendo de uma maneira excitante. O orégano reapareceu em diversos pontos, assim como a menta chocolate, que folgada como ela só já está se espalhando. Também tem chives e tomilho, a sálvia ainda mirrada, alguma salsinha e um montão de rúcula, picante e verdona. A cesta orgânica recomeçou sem muitas novidades—um maço pequeno de espinafre com folhas imensas, ramos de alho verde e mais aspargos magrelos. Estou notando a ausência das rosas, que já deveriam estar enchendo os meus vasos. Minhas roseiras ainda estão peladas, mas não por muito tempo—em breve, quem vier verá.

o dia de pegar na enxada

Parou de chover e deu uma esquentada, o que me motivou a sair para uma vistoria no quintal. Saí principalmente para checar o estado da horta. Duas horas depois eu já tinha capinado uma das beds, removido um monte de mato e muitas folhas mortas acumuladas que cairam da minha árvore ancestral no outono, arranquei também raizes da menta hortelã, porque ela já está rebrotando e se não ficar de olho ela avança em tudo. Deu até pra suar um pouquinho. Enxada, pá, ancinho, luvas de borracha, cheiro de terra, de folhas decompostas—eu não sei por que tudo isso me atraí tanto, já que sou uma péssima jardineira, não tenho os dedos verdes e sou notória por conseguir fazer com que todas as plantas em vasinhos morram quando estão sob os meus cuidados. Mas na horta eu não preciso fazer muito, pois a terra é ótima, cheia de minhocas, bate sol suficiente e tem sistema de irrigação. Fiz uma avaliação geral do que sobrou do final do verão. As rúculas estão reaparecendo, perfumando tudo com o cheiro delicioso que elas tem. Parte do orégano e do tomilho sobreviveu, apesar de não estarem nem um pouco vistosos. Também a salsinha está lá, meio tímida ainda. E um raminho curto de cibouletes. Tudo o mais padeceu com a chuva e o frio. Infelizmente eu não tenho disposição para fazer horta de inverno. Mas no verão eu realmente me animo, apesar de me concentrar basicamente nas ervas e nos tomates. Para este ano tenho uma estratégia diferente para os pés de tomate, que já fiquei no maior entusiasmo de plantar.

*esse ritual de sair no quintal quando o inverno dá um tempinho, é repetido rotineiramente no meio de fevereiro ano após ano.

** a estrategia deste ano eh apenas uma—espaco. vou plantar apenas duas plantas por canteiro, ou apenas uma por canteiro, pois tomates, like Brazilians, need space!! ;-)

***tem uma foto da minha horta AQUI.

the cycle of the seasons

"I certainly learned, as I made one inspired dish after another, how, when the seasons dictate what goes together, flavor and colors and textures play off each other and create a natural harmony that is always naturally delicious".

Judith Jones—The Tenth Muse.

salada de frutas [outono-inverno]

salada_frutas_outonais2.jpg

Use o que tiver à sua disposição. Salada de frutas não é sinônimo de verão e pode ser feita em qualquer época do ano, com qualquer tipo de fruta. Essas de outono-inverno se combinaram maravilhosamente bem nessa salada, que ficou vigorosa, refrescante, doce, azedinha e crocante. Eu usei: caqui fuyu, sementes de romã, laranja, figos secos e nozes tostadas. Temperei com pingos de limão meyer e um fio de maple syrup.

-2ºC

arvoreancestral_mistletoe.jpg

Essa é a paisagem que eu vou admirar por muitos meses. Nosso inverno é cinza com pinceladas de verde desbotado. Chove bastante e fica assim, frio o bastante pra congelar meu cérebro de manhã cedo na bicicleta se eu insistir em não usar uma touca bem protetora. Hoje está um dia assim, gelinho nas gramas, transeuntes e bikers encapotados e também algumas criaturas provavelmente provenientes do Alaska, que acham que estão no verão. Parece brincadeira, mas ainda vejo gente de chinelo de dedo nas ruas. Pra mim é tempo de meia, tchau chinelinhos. Mas eu entendo, pois nos nossos anos no Canadá, quando fazia ZERO grau já tinha canadense nas ruas de camiseta sem manga, chinelo e shorts, aproveitandoooo o caloooorrrr, afinal...

Minha árvore ancestral, que fica entre a minha casa e o do meu vizinho, cobre praticamente todo o quintal, providenciando uma sombra muito importante e bem-vinda nos meses do verão. Agora ela não tem nem uma mísera folhazinha. Esse verdinho pendurado nela não é parte da árvore. É sim uma planta parasita muito comum e famosa chamada mistletoe. Ela suga a árvore que a hospeda e é parte de uma tradição de Natal, quando se pendura um galho de mistletoe no alto de uma porta e os casais que passarem pela planta pendurada têm que se beijar. Nós fazemos, quando lembramos. Minha árvore é muito alta para alcançarmos as parasitas e também não há muitas, pois temos um serviço de poda que acaba com elas todo ano.

very halloweenish

neblinaemdavis.JPG

A cidade amanheceu envolta numa densa neblina. Só percebi quando olhei pela janela um minuto antes de sair de casa. Vesti uma touca de linha, tricotada por mim mesma há alguns anos. Pedalei pelas brumas me sentindo feliz—que dia perfeito para Halloween! As bicicletas com luzes acesas, as árvores sendo engolidas pela névoa cinza, um clima primoroso de outono.

Levei uma caixa de cookies de nozes para os meus colegas de trabalho, porque é tradição as pessoas levarem coisas gostosas durante essas comemorações. Hoje vou ver muita gente fantasiada no campus e pelas ruas da cidade. Estou pensando no que vou fazer para o jantar. Vai ter que ser algo bem prático, pois vou ficar ocupada abrindo porta e entregando doces. Também penso nos gatos, principalmente no Roux, que vai ficar excitado com os visitantes e com a porta aberta, possibilidade de aventura.

Não é todo mundo que acha bonito um dia nublado e neblinado. Mas eu gosto! Tem seu propósito. Meu colega concordou:—what a beautiful day!yes! very halloweenish!

é lindo olhar pra baixo

olharprabaixo1.jpg
olharprabaixo2.jpg
enquanto se caminha nesta época do ano

como arruinar um dia perfeito

applehill1.jpgapplehill2.jpg
applehill3.jpgapplehill4.jpg
applehill5.jpg<applehill6.jpg

Quando o Uriel propôs de irmos até Apple Hill no domingo, para o festival da colheita da maçã, logo pensei que aquela não era uma boa idéia. Quando li o relato da Sheri no Edible Sacramento tive certeza: seria uma FRIA! Mas fomos assim mesmo. E fomos tarde, pois eu precisava nadar. Eu só consigo nadar nos finais de semana. Pegamos a estrada pensando em almoçar em algum orchard em Apple Hill. Congestionamento na freeway, congestionamente na estradinha que leva aos pomares, dificuldade para estacionar, gentarada saindo pelo ladrão, familias e mais famílias com crianças, pais, avós, bisavós, querendo desfrutar as atividades promovidas pelas fazendas. E que atividades minha gente: correr por pumpkin paths fajutos, andar de cavalo [detesto, detesto essas coisas envolvendo animais], pagar ingresso para brincadeiras de quermesse, ficar horas na fila para tudo, inclusive para comer as mil e uma sobremesas feitas com maçã. No pomar que paramos, eles vendiam de tudo—tortas congeladas de maçã, vinho de maçã, suco de maçã, descascador de macã, e muitas maçãs, é claro. Fomos procurar algo para comer de almoço. O menu maravilhoso de hamburguer, hot dog, corn dog, chili dog, fritas, e eteceterá me desanimou. Mais desânimo quando vi o cartaz na janelinha da venda—espera de 30 a 45 minutos. Esperar tudo isso pra comer um monte de fritura? O Uriel se colocou na fila dos doces de maçã e comprou donuts, tortas, dumplings. Depois pegamos a estradinha congestionada novamente, pra tentar achar um restaurante. No meio de uma floresta de pinheiros achamos um pub inglês que servia todos aqueles pratos típicos, misturados aos norte-americanos, nada que entusiasmasse. Pedimos um rango mesmo assim e saímos de lá frustrados e desapontados. Fomos até o fim da estrada que corta Apple Hill e pegamos a freeway novamente, dando de encontro com outro congestionamento. Nesse ponto meus nervos já estavam em frangalhos e o Uriel decidiu parar em Placerville, que é uma cidadezinha histórica da corrida do ouro, com um ponto de interesse peculiar—um bar que foi construído no local onde ficava uma árvore onde se enforcavam criminosos, bem no estilo old wild west. Uma coisa fantasmagórica e deprimente. A cidade, que já visitamos duzentas e trinta e sete vezes, é bem bonitinha, com um bar a cada metro e muitas lojas de antiguidade. Eu me diverti nas lojinhas, bebemos suco de maçã, café e fomos embora. Que total desperdício de um belo domingo!

olha o caqui docinho!

persimon_new.jpg

A novidade no Farmers Market deste sábado foi o caqui. Eles aparecem nessa época do ano e são destaque em muitas receitas de outono. Eu ainda tenho um pouco de preconceito com relação à ele, que nunca fez parte da minha lista de frutas favoritas. Mas tenho com comprometimento de me esforçar.

as mudanças que chegam em outubro

A primeira coisa realmente notável é a escuridão pela manhã. Até o final do mês a escuridão da noite vai chegar mais cedo também. Isso significa que minhas horas de luz natural para fotografias vão ficar bem limitadas. Minhas adaptações para conseguir fazer fotos incluem malabarismos ligeiros, usando uns minutos antes de sair para trabalhar ou a hora do almoço. A segunda mudança mais notável é a dos ingredientes. Como eu sigo as estações, agora começam a sumir os tomates, pepinos, pimentões e milhos e surgem as abóboras e as folhas verdes, que vão reinar por um longo período. No trabalho eu volto a beber meus chás—branco, verde ou de ervas. As aulas recomeçam e o campus se enche de estudantes, abundância de bicicletas, perigo eminente de acidente! As blusas de manga comprida tomam a frente nas gaveta, reaparecem os adoráveis cachecóis que eu uso o tempo inteiro, aposento as sandálias, visto meias. Para substituir os fresquinhos chinelos de dedo, desenterro meu velho tamanco birkenstock que uso para ficar em casa, fecho as janelas do quarto, desligo os ventiladores de teto, os gatos começam a dormir em lugares mais quentinhos, as saladas saem do centro da roda e as sopas tomam o lugar de destaque. Sinto vontade de comer uma comida mais quente e substanciosa, mais raizes, mais feijões, mais molhos. Paramos de usar a mesa do quintal para almoços e jantares, os pés de tomate morrem, abandono vergonhosamente a horta, o limoeiro do quintal fica carregado e aparecem os limões meyer na árvore de ninguém. Evito nadar em dias sem sol, acabam os picnics das quartas-feiras no Farmers Market, me preparo para dias de chuva. Outubro é o meu mês favorito, por muitas razões, a melhor delas a grande mudança.

a rainha romã

rainharoma1.jpg

Quando as romãs começam a aparecer no mercado e na cesta é uma alegria imensa para mim. Não sei explicar porque eu gosto tanto dessa fruta, que é uma daquelas difícil de comer. Eu tenho o costume de abrí-las, guardar as sementes num tupperware e ir usando, geralmente para salpicar nas saladas salgadas ou na de frutas. Gosto do xarope de romã, que transforma qualquer molho de salada num evento especial e do suco, que está na moda por aqui. Nós compramos o puríssimo, que é o mais saudável, super ácido e bebemos em doses pequenas. A fazenda de pistachos, onde o Uriel testa a máquina dele todo final de verão, também produz romãs. Algumas são para exportação—o Japão recebe a maioria. Elas são as romãs mais perfeitas que eu já vi, gigantes e preciosas. Ele me trouxe uma outro dia. Essa fofurete vestindo coroa e tudo veio na cesta orgânica desta semana.

salada primeiros ares de outono

salada_abobora_outono.jpg

Ela chegou na cesta da primeira semana de outono e virou salada, primeiro cortada em cubos, temperada com azeite, sal, pimenta e ervas provençais e depois assada em forno alto. A abóbora virou uma bonita salada com cores outonais depois que foi mistutada à duas pequenas abobrinhas redondas picadas em cubinhos, algumas vagens verdes cozidas no vapor e cortadas em pedacinhos pequenos, queijo feta esmigalhado e bastante ciboulete picada. O tempero foi bem simples, sal marinho, azeite espanhol e vinagre de laranja.

mini indian corn

mini-indiancorn.jpg

Quando esses adoráveis mini-sabugos de milho coloridos aparecem nos mercados, é sinal que a minha estação favorita chegou. Verão, inverno e primavera—move over! Não tem nenhuma época que ganhe em beleza do outono.

até o próximo ano

nectarinesgone.jpg

Colhi três bacias dessas cheias de nectarinas. Agora a árvore está pelada e vai precisar ser podada. As frutas foram distribuidas e as que sobraram virarão doce, sorvete, torta. Teremos mais no ano que vem.

Bem-vindos à Tomatolândia!

haulingtomatoes.jpg

Até o final do verão, a qualquer hora do dia ou da noite, quem pegar a state route one thirteen—a estrada que liga Davis à Woodland, vai poder ver os caminhões com carreta dupla transportando toneladas de tomates. É um vai e vem típico do verão na região do estado que mais produz tomates no país. Até setembro os acostamentos vão estar avermelhados com os tomates que escaparão das carretas e se espatifarão pela estrada. O cheiro doce dos tomate maduros vai estar infestando o ar. A colheita corre solta, as processadoras de tomate à todo vapor, muitos estudantes aproveitam para ganhar uma grana extra dirigindo os caminhões ou trabalhando nas enlatadoras.

No final da década de 90 o Uriel tinha um projeto com tomates e testava sua maquininha durante a colheita na fazenda do maior produtor de tomate dos EUA. O dono da fazenda, que meu marido chamava apenas de Tony, é responsável por suprir a demanda de catchup do país—imaginem a enormidade disso: catchup pra molhar a batatinha de trezentos milhões de americanos. Numa linda noite de verão em plena colheita dos tomates, quando muitas vezes os pesquisadores passavam a noite no campo junto com os colhedores, eu acabei numa situação bizarrissima. Fui caminhar e não levei a chave. Quando voltei o Uriel tinha regressado apressadamente para o campo de tomates e me deixou trancada pra fora de casa. Foi aí que eu descobri a verdadeira extensão da fazenda do tal Tony. Dois amigos se aventuraram pela noite na tentativa de encontrar o meu marido, para eu poder entrar em casa, e voltaram horas depois de mãos vazias. A fazenda do Tony não tinha UM campo de tomates, mas VÁRIOS, espalhados pela região. Achar o Uriel iria ser como achar uma agulha num palheiro. Naquela época nós achávamos desnecessário ter um aparelho de telefone celular. Eram outros tempos, outra mentalidade, outro século.

Eu costumava propagandear em tom jocoso que vivia na tomatolândia, porque passava o verão atolada nas frutinhas vermelhas. Todo ano elas apareciam insistentemente em quantidades absurdas na minha cozinha. Hoje isso não acontece mais, já que os atuais projetos do Uriel se concentram nos pistachos e nas azeitonas. Mas continuo vivendo no centro da região tomateira e não posso deixar de aproveitar a variedade imensa desses frutos, que chegam à nossa mesa todo verão numa profusão de cores e sabores. Agosto é o mês mais pululante para os tomates no Farmers Market. E quando vou à Woodland passo por caminhões e mais caminhões lotados de tomates. O cheiro dos tomates, as cores dos tomates, os sabores dos tomates, as infinitas receitas com tomates, tomates, tomates, tomates, tomates!!!

O sabor de cada um

finaldorango.jpg

A inconveniência dos dias quentes é a grande desculpa para que eu jogue as panelas e frigideiras para os ares, ignore minhas 687906543 mil fontes de receitas e me acomode no conforto da simplicidade e da improvisação. Essa é uma excelente oportunidade de saborear os alimentos na sua maior intensidade. Imaginem uma refeicão onde cada prato contém apenas um ingrediente, maximizado e concentrado, onde nada mais que uns frugais temperinhos influem no resultado final. Pra mim isso é a essência do verão.

Dois peitos de franguete orgânico temperados com suco e raspas de um limão verde, pimenta vermelha em pó, sal grosso e uma dose de tequila, e assados na churrasqueira. Duas abobrinhas amarelas, cortadas ao meio, retirada as sementes, temperadas com sal, pimenta do reino e azeite, a assadas na churrasqueira. Salpicadas com ciboulettes picadinhas antes de servir. Uma salada de folhas verdes e ervas, temperada com sal, pimenta do reino, azeite e suco de limão. Milhos amarelos e tenros cozidos na água e sal. Uma baguete de pão francês fresquinho com manteiga caseira. Sobremesa: melão em fatias, framboesas e red currants frescas.

Comemos como se estívessemos diante de um banquete pantagruélico. Foi uma orgia de sabores puros e simples, que pudemos degustar sem interferências ou intrusões. Cada sabor, único. Nenhum alimento foi dominado, nenhum se subjulgou. Foi uma refeição equilibrada, sem distinções ou privilégios, onde cada sabor se sobressaiu por suas próprias qualidades. Tudo isso é uma ótima desculpa pra não cozinhar, não é? Ôoo, se é!

Vivendo sobre as ondas

asummersky.jpg

Tenho essa impressão fatalista com relação à certos feriados, por exemplo, eu tinha certeza absoluta que sempre iria chover no dia de finados e normalmente sempre chovia. Tá certo que essas "fatalidades" têm uma ligação bem forte com as estações do ano, que costumavam ser invariáveis. Tenho, de qualquer maneira, essas idéias pré-estabelecidas sobre a atmosfera de um feriado. Não tenho mais experiência de dia de finados, felizmente! Mas agora agreguei minhas premonições aos feriados que vivencio aqui na América do Norte. E pra mim não existe fourth of july que não seja tórrido. Todos os quatro de julho que vivenciei, desde que cheguei em Davis há dez anos, foram tórridos. Em alguns deles eu escapei para a praia, onde invariávelmente, verão, outono, inverno ou primavera, faz sempre frio. Já saímos de Davis aos quarenta graus, e tive que vestir um suéter e um casaco chegando na praia. Essas idas à praia são de fato um refresco.

Aquele tal Lulu que disse que iria levar a vida sobre as ondas, certamente nunca cogitou mudar-se para o Central Valley do norte da Califórnia, que é a região onde estou, bem no limite do fresquinho da Bay Area. Aqui, as únicas ondas que pegamos são as de calor, e estamos surfando sobre uma neste exato momento.

Como não fugimos nem pra praia, nem pro lago, resolvemos enfrentar o quatro de julho enfurnados em casa. Nunquinha que eu vou fazer picnic de feriadão em parque sob um solão de 40ºC! Imaginei a cidade em massa acampada no parque onde acontecem os fogos no final do dia. Eu fui à esse evento uma vez e bastou. A base desse feriado é o picnic. E quando anoitece tem aquela queima de fogos, que dependendo da cidade pode ser uma experiência estimulante ou broxante. Aqui em Davis acho que atingimos um meio termo. Mas com bafão, ficar no parque a tarde toda? Nem pensar!

Fui nadar pela manhã, depois demos um pulo ao supermercado onde adquirimos um filézão de salmão selvagem, frutas frescas e ingredientes para uma bela salada, além de pão e bebidas. Não usei o fogão. O Uriel fez o peixe na churrasqueira e almoçamos bem tarde. Eu bebi vinho verde acompanhando o salmão que foi temperado somente com sal marinho e pimenta do reino e assado no papel alumínio sobre uma caminha de batata, para não grudar.

Passamos o resto da tarde esticados no sofá, lendo e cochilando na companhia dos gatos. Fizemos um lanche às oito da noite e subi às nove para abrir as janelas da casa. Ainda estava um pouco abafado. Às nove e meia começaram os fogos no parque e os cachorros do meu vizinho latiram sem parar por mais de meia hora, enquanto eu tentava ouvir os diálogos de Rope, do Hitchcock na tevê.

Hoje, cinco de julho, temperatura de 41ºC, seco como um árido deserto. Mas como sempre, estamos preparados com todas as técnicas e gears, surfando normalmente a nossa onda.

F   O   R   N   O  : parece que essa ondaça de calor engolfou não só o norte da Califórnia, mas todo o oeste norte-americano. muita calma neste momento! permaneçam indoors, não se abanem nem se afobem e bebam muita água!

37ºC

O verão me provoca muitos sentimentos contraditórios, pois apesar de eu adorar certas coisas que acontecem nessa época do ano, eu de-te-sss-to-o outras. Eu gosto das manhãs frescas, da luz, da abundância de frutas, legumes e verduras, de poder colher nectarinas e pêssegos nas árvores do meu quintal, e tomates na horta, de achar figos no Farmers Market, almoçar e jantar na mesa do quintal, de poder nadar sem ficar parecendo um ET arroxeado, de usar sandálias, fazer picnics e tais. Mas abomino os dias tórridos. Os dias em que não se consegue sair na rua, em que a respiração fica difícil, a água da piscina fica quente e xoxa, as casas ficam fechadas, as pessoas se enclausuram nos ambientes com temperatura controlada. E desses dias, que chegam em ondas de dois, três, quatro, não há escapatória. Hoje e amanhã já teremos um aperitivo. Entre meio de julho e meio de agosto vamos estar implorando por dias como hoje. Sim, piora, e muito. Felizmente o verão é curto e os dias agradáveis deixam boas lembranças.

Quando começa a onda de dias quentes e extremamente secos, temos que fazer alguns rearranjos na nossa rotina. Eu fecho todas as janelas e cortinas antes de sair de casa pela manhã e só reabro quando a brisa da noite chegando começar a soprar. As casas têm um bom isolamento térmico e o segredo é não deixar o calor entrar, nem prodizir calor dentro delas. Eu já desliguei a geladeira extra da garagem, lavo e seco roupa à noite e paro de usar o forno. Na cozinha é onde mais se produz calor. Assar muffins num dia baforento, nem pensar! Meus jantares são reestruturados e reorganizados de uma maneira que se faça menos cozinhamentos possíveis. Os menus giram em torno de saladas e coisas feitas na churrasqueira. Nos dias realmente quentes—e temos alguns de lascar, nem a chama do fogão pode ser acesa. Meu jantar brejeiro de ontem foi todo feito na churrasqueira: uma carnita, pimentões vermelhos e beterrabas assadas. Acompanhou uma salada de alface bem fresca.

but the world goes 'round

Histórias do cotidiano de uma pessoa comum têm que ser repetitivas. Não tem como escapar do ciclo - como as estações, os aniversários, as comemorações oficiais, os xis marcados nos calendários, as festas, as marés ou as fases da lua. Tudo vem e vai, vem e vai, vem e vai. É uma boa explicação e até uma reflexão para entender porque estou sempre escrevendo sobre os mesmos assuntos ou mostrando fotos tão parecidas.

Todo ano eu faço aniversário e publico os números dramáticos em letras garrafais, depois esfria, as folhas das árvores ficam amarelas, vermelhas, douradas e caem, acendemos a lareira, o gato quase queima os bigodes, assamos um peru que dividimos com a família no dia de agradecer, fazemos compras, ficamos com dor no lombo varrendo folhas, começa a chover, eu me acovardo da piscina, tiro fotos dos enfeites de Natal, publico um cartão e desejo tudo de bom para todos, fico aliviada quando o ano se inicia, como nove sementes de romã, reclamo que não pára de chover, reciclo, recrio, me animo com a chegada da primavera, encho o saco da humanidade com as minhas fotos de flores e, principalmente, rosas. O jasmim abre, capino a horta, planto tomates, as pestes chegam devagarzinho. O Gabe faz anos, faço o meu próprio breakfast no dia das mães, reclamo que esta ficando muito quente, nado diáriamente, não tiro as havaianas legítimas dos pés, arranco mais mato, detono as pestes e colho tomates, o Ursão viaja, viaja, viaja e eu reclamo mais um pouco, as aulas e o ano recomeçam na UC Davis, eu aguardo ansiosamente uma brisa de outono, faço compras, combino uma social com os amigos, asso um bolo, vou dançar o Blues, penso no meu aniversário que já está chegando, jesus como este ano voou!

Por isso, estou parando um pouco de me incomodar com a repetição dos meus assuntos, pois a vida é terrivelmente repetitiva e não é assim que é bom?

tempo de jasmim

jasmim2.JPG
jasmim4.JPG

Agora é a vez do jasmim. Meu quintal e meu jardim rescendem a flores! Não só pelo jasmim, mas pelas centenas de rosas, e pelas flores do limoeiro, que têm atraido um bocado de abelhas. Fica tudo lindo, se você olhar do lado de dentro da casa, através do vidro da porta. Além do incômodo das abelhas, o jasmim exala um cheiro que vai enjoando—eu pelo menos fico nauseada, e as rosas ficam cheias de pulgões, que eu combato com jatos de água quando tenho tempo. O jasmim tem vida curta, logo vai secar, cair, fazer aquela sujeirada ecológica e bye bye. As roseiras vão continuar produzindo rosas por muitos meses, com menos intensidade e menos pulgões, mas elas duram até novembro. Eu vou tirando proveito dessa beleza, fotografando e enchendo os vasinhos.

*as fotos são da porta dos fundos da minha casa de hóspedes, emoldurada pelo pé de jasmim mais bonito.

Outono ou inverno?

Muita gente diz brincando que Davis tem duas estações—verão e inverno. A primavera até que é longuinha, mas o outono, não sei, passa voando. Um dia estamos com uma jaqueta leve, um xale ou uma echarpe esvoaçante e de repente - pumba - já estamos embrulhados em mil camadas, casacos, luvas, cachecol, touca. Hoje vesti uma touca de lã voltando do almoço, pois estava duro de bicicletar no chuvisco gelado. O cara que cantou que iria pra Califórnia viver a vida sobre as ondas certamente rumou para o sul e não aqui para o norte, onde não dá pra pegar praia nem no verão e o inverno é chuvoso e cheio de nevoeiros. Mas temos San Francisco, Napa Valley e Lake Tahoe pra compensar!

Todo ano eu demoro mesmo é pra acostumar com a noite chegando às 4:30 da tarde, como hoje. Vou buscar a minha cesta orgânica à noite! É demais. Parece que já é muito tarde e dá um desânimo ter que lavar aquele monte de verduras—porque com o frio chegam as folhas verdes—swiss chard, espinafre, alface lisa e crespa, rúcula, red russian kale, bok choy, acelga, repolhos, collards, chicória. E aí é um tal de lava, lava, lava, lava, lava, lava....

O menu sazonal

Muita gente deve achar um tédio comer apenas os produtos de temporada. Eu não acho. Muito pelo contrário, pois descobri que comendo verduras, legumes e frutas da temporada você ganha em sabor. Não tem como comparar uma fruta ou um legume colhido naquela manhã, ou naquela semana, ali numa fazenda na sua região, trazida madurinha e fresquinha pra feira, sem precisar percorrer zilhometros de trem, avião, caminhão, tudo sob refrigeração. Um tomate de época—delicioso! Um tomate fora de época, colhido verde num outro lugar do mundo e refrigerado para aguentar o longo caminho até as gôndolas do supermercado—gosto de nada!

Sabemos que as fruitas frescas são uma tradição do nosso Natal brasileiro e que nessa época sempre achamos cerejas vindas do Chile para completar o nosso lindo arranjo natalino. Eu demorei pra me acostumar a um Natal sem pêssegos, abacaxis, nectarinas, cerejas, mangas—o que mais? Meu primeiro Natal no Canadá foi traumatico. Mas acostuma-se, adapta-se, tudo tem seu lado bom. No primeiro Natal do meu irmão aqui nos EUA, fomos a Los Angeles para festejar com ele e sua família. No arranjo da mesa da ceia havia uma linda bandeja com frutas—uma delas, cerejas. Estamos na Califórnia, alright, mas isso ñao quer dizer que vamos encontrar cerejas fresquinhas year-round. No verão as cerejas são abundantes, carnudas, suculentas, dulcíssimas! No inverno, elas vem também lá do Chile, como as das mesas brasileiras, só que aqui elas chegam com gosto de NADA, além de custarem uma fortuna. As cerejas do Natal na casa do meu irmão foram uma decepção....

Fiz a mesma burrice quando uma vez fui atacada por um sentimento de nostalgia e comprei damascos, vindos de sei lá onde, em pleno inverno. Nossa senhora, não tinha nem comparação com o sabor dos nossos damascos californianos, as frutinhas douradas que iluminam o nosso verão!

Então hoje me abstenho de consumir produtos fora de estação—fico com o que vem na minha cesta orgânica—que é totalmente sazonal, e o que vejo pelo Farmers Market. Eu aproveito a frescura e o sabor dos alimentos e ainda contribuo para uma agricultura local sustentável, apoiando e consumindo dos produtores da minha região. Portanto, se quer meu conselho, não invente moda e não insista em querer fazer aquela receita de torta de tomate nesta época do ano, pois agora a Inês já é morta!. Tomates bons, só no próximo verão!

Aproveitando dois produtos de outono - butternut squash e sweet potato [abóbora e batata-doce], fiz uma sopa improvisada que ficou surpreendentemente deliciosa.

Sopa cremosa de abóbora e batata-doce
Cortei meia abóbora em cubinhos. Usei três batatas-doces pequenas, que já estava cozidas, mas podem ser usadas cruas também, cortadas em cubinhos. Refoguei no azeite meia cebola picadinha e um dente de alho. Acrescentei a abóbora e a batata. Refoguei mais uns minutos. Joguei um litro de caldo de galinha e uma xícara de vinho branco. Sal e pimenta moída a gosto. Deixei cozinhar por uma meia hora. Triturei tudo com o processador manual - pode ser no liquidificador também. Acrescentei meia xícara de crème fraîche—pode substituir por creme de leite—bati bem com o batedor manual. Desliguei o fogo e antes de servir acrescentei bastante salsinha fresca picada e láminas de amêndoas torradas.




[VOLTAR]