the antique fair/ Ten22

em marçoem marçoem março
em marçoem marçoem março
em marçoem marçoem março
em marçoem marçoem março
em marçoem marçoem março
em marçoem marçoem março
em marçoem marçoem março

Finalmente descobrimos uma feira de antiguidades que acontece mensalmente bem perto de nós. É a antique fair de Sacramento, montada num espaço enorme bem debaixo da freeway onde mais de trezentos vendedores expõem suas relíquias. Levamos bem umas três horas para ver quase tudo. Fomos na do mês de março [quando tirei essas fotos] e já voltamos na de abril. Vende-se muito cacareco, mas também tem bastante coisa divertida e interessante. Eu sempre consigo achar umas coisinhas legais. No domingo em março saimos da feira verdes de fome, depois de horas de camelança, e acabamos indo almoçar num restaurante instalado num ponto bem turístico da cidade—Old Sacramento. Lembro do fuzuê em torno desse Ten22 quando lá era apenas um nightclub, num investimento feito por um dos jogadores do time de basquete da cidade. Hoje ele virou um restaurante da linha farm-to-fork, usando ingredientes locais e sazonais. Eu gostei do ambiente e da comida, que muito caprichada e super gostosa. Ou seria o apenas efeito do horário e da fome? Pisc! Não, estava muito bom mesmo!

[ r e s u m o ]

viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil
viagem pro Brasilviagem pro Brasil

Ficou tudo meio paradão por aqui, espero que ninguém tenha reparado, porque já estou empenhada limpando a poeira e as teias de aranha. Tivemos um pequeno hiato porque decidimos ir para o Brasil no ultimo minuto antes do Natal e poder passar os feriados com a família depois que meu pai adoeceu. Foi uma decisão correta, mas a viagem foi expressa, somente para cuidar de assuntos familiares. Aproveitei também para ver meu filho que já estava lá e passar uns dias com ele, antes dele embarcar para outra parte da sua aventura brasileira. Graças à disposição dessas meninas de dirigirem até Campinas para nos ver, tivemos um encontro ultra auspicioso com as queridas amigas Roberta e Maria Rê no dia seguinte da minha chegada. Depois disso só consegui ver membros da família. Tivemos um Natal tropical mega improvisado e atribulado, partimos no último dia do ano com tempo de chegar na Califórnia antes do inicio de 2014 e passar a virada dormindo. O ano começou diferente e apesar de eu estar ainda um pouco cansada, outro tanto emocionada, tenho certeza absoluta que este novo ano será muito bom. Estou positiva e antecipando muitas coisas bacanas que estarão vindo em nossa direção!

2013—thanks for the memories

thankfeast

ThanksgivingThanksgivingThanksgiving
ThanksgivingThanksgivingThanksgiving
ThanksgivingThanksgivingThanksgiving
ThanksgivingThanksgivingThanksgiving
ThanksgivingThanksgivingThanksgiving
ThanksgivingThanksgivingThanksgiving

Este foi o primeiro jantar de Thanksgiving completo que fiz sem substituir o peru por bacalhau e convidando amigos, não só improvisando algo para a minha micro família. É trabalhoso cozinhar um cardápio com tantos ítens, mas com a ajuda do meu atencioso marido que deu duas mãos nas preparações e na limpeza, correu tudo relativamente bem. Aproveitamos muito o dia na companhia do Gabriel e dos nossos amigos Leila, Peter e Christopher. E o jantar ficou muito bom. Fiz cranberry sauce, batata doce caramelizada, batata roxa cozida, farofa de milho, farro com cogumelos e espinafre, purê de batata, salada de folhas verdes com laranja e romã e o imprescindível peru, que foi marinado no vinha d'alho coberto com fatias de bacon e assado coberto por quase quatro horas. Para beber vinho petite sirah local e prosecco. De sobremesa, gelatina de cranberry e maple, cheesecake de abóbora e chocolate e torta de maçã feita pela Leila com as maçãs colhidas pelo Christopher. Estava tudo uma delícia. Many thanks e vamos repetir essa festa no próximo ano.

sete anos—um resumo

chucrutecomsalsicha1.jpg

juliachildwannabe_1.jpg

1 ano2 anos3 anos4 anos5 anos6 anos

sete anos—it's getting better!

It's getting better all the time!

the farm school

the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school
the farm schoolthe farm school

Teve notícia nos jornais, tevês e rádios, porque foi a primeira classe a se formar nesse curso de fazenda. Eu estava lá convidada por uma das formandas e voltei um pouco mudada. Chegamos atrasados e por causa do nosso almoço tardio e do calor intenso nem tivemos muita vontade de jantar com as galinhas antes da cerimônia. Foi um jantar todo preparado com produtos da horta que podíamos avistar das mesas e regado à vinhos locais. Nos concentramos nas águas aromatizadas, servidas em jarras de conserva. Foi só o que fiz—beber água, andar pra lá e pra cá e conversar com amigos. Quando todos foram embora e a luz do entardecer já estava naquele ponto de transformar uma simples paisagem num cenário mágico, eu e o Uriel fomos sozinhos fazer um passeio pelas hortas rodeadas por pomares de nozes. No centro da pequena fazenda os barulhinhos vindos de um galinheiro nos dizia que já era hora de dormir—pois elas são madrugadeiras em tudo. Essa escola fazenda na cidade vizinha de Winters é parte de um projeto maior e que tende a crescer ainda mais. Enquanto passeava pelas hortas eu fiquei absolutamente tomada pela beleza de tudo aquilo e pensando o quando eu adoraria trabalhar num lugar assim. Sei que trabalhar com a terra não é pra qualquer um e certamente não deve ser pra mim, mas essa visita me deixou repensando muita coisa. E repensar é sempre o primeiro passo.

at the county fair

at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair
at the county fairat the county fair

No ano passado fizemos nossa primeira visita à uma county fair. Neste ano resolvemos voltar. Como tínhamos um outro compromisso no mesmo dia, fomos bem cedo logo depois do almoço e a feira estava bem vazia. O buxixo acontece à noite, quando uma multidão baixa nos fairgrounds da cidade para se divertir nos rides e jogos, ver shows, beber cerveja e comer porcariada frita. Foi mais um final de semana tórrido com temperaturas chegando a quase 40ºC e por isso não foi muito fácil caminhar pela feira. Mas mesmo assim aproveitamos. Tomamos apenas um sorvete de massa, bebemos litros de água e olhamos todas as exposições. Eu não curto roda gigante e quetais, nem me entusiasmo com jogos de argola ou pescaria pra ganhar bonecos de pelúcia. Gosto de ver a competição de legumes e caminhar pela feira só olhando e fotografando. Se não estivesse tão quente teríamos até ficado um pouco mais.

um banquete na era Tudor

Na sequência do documentário sobre a história da cozinha com a Lucy Worsley, assisti a essa outra realização de um grupo de arqueologistas e historiadores ingleses, que decidiram recriar um banquete da era Tudor. Eles fazem tudo numa cozinha da época, com ingredientes similares e usando as mesmas técnicas—desde trazer a água do corregfo, até acender o fogo usando pedras, moer o açúcar, pescar, caçar, eteceterá. Cozinhar naquela época não era tarefa para os fracos. Na cozinha dos aristocratas abundava mão-de-obra, queimava-se muita madeira e algumas das mais simples tarefas poderiam levar muitos dias para serem concluídas. No final servia-se um banquete inigualável. Assista os quatro segmentos de 15 minutos cada para participar dessa excursão virtual pela cozinha laboriosa do século XV.


parte 1


parte 2


parte 3


parte 4

[muitas coisas novas]

camelia1S.jpg
camelia2S.jpg

Não faço nenhuma resolução ou plano de ano novo. Porque as palavras geralmente se espalham com o vento e o tempo, e acaba ficando apenas o dito pelo não dito. O meu ideal é ir fazendo o que for preciso ser feito. Com bom senso as chances de sucesso abundam. Se eu tivesse feito planos para o ano de 2011, tudo teria dado com os burros n'água, porque este foi um ano cheio de surpresas e mudanças. Nunca, nem em algum delirio alcoólico, pensei, cogitei, sonhei, imaginei que um dia estaria morando em Woodland—uma cidade que foi minha vizinha por quatorze anos, mas que eu nunca me interessei em conhecer. Todas as mudanças deste ano foram inusitadas e inesperadas. Me pegaram não só de surpresa, mas mudaram um bocado o meu cotidiano. Diminuí muito o ritmo deste blog, olhei pra muita coisa com outros olhos, adotei sem pudor as fotos toscas, aceitei minhas limitaçãoes—que não posso blogar todos os meus almoços e jantares, em casa ou em restaurantes. Gostei de ficar mais em casa, mudei meus caminhos da roça, respirei outros ares, expandi meus horizontes. E admito que até pensei, algumas vezes e bem seriamente, em encerrar minha carreira de blogueira de culinária. Porque temo um pouco a monotonia e a repetição. Mas por esse ano ter sido bem incomum, os assuntos acabaram por se distinguir. Tudo foi novidade pra mim durante os últimos seis meses, porque eu nunca tinha estado nessa cidade e vizinhança antes, e fui aos pouquinhos descobrindo as particularidades da minha nova casa. Me espantei alegremente com minha conta de eletricidade caindo em dois terços no verão, por causa das inúmeras árvores ancestrais que rodeiam a casa. Também descobri que tenho camélias no quintal. E que elas abrem nessa época do ano. Quando tudo fica com uma cara cinza, essas flores foram um colirio em tons de cor-de-rosa para os meus olhos. E no próximo ano, mesmo que nem tudo seja mais novidade, o que vier será com certeza especial. Pra mim, pra você e para todos, desejo um Feliz 2012 cheio de boas e bem-vindas surpresas!

O Natal em Columbia

ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia
ColumbiaColumbia

O vilarejo de Columbia fica num parque histórico estadual e faz parte da rota da corrida do ouro, no condado de Calaveras. Lá todo dezembro, celebra-se o natal dos mineiros. Chegamos um pouco tarde para o segundo dia do evento e perdemos algumas das atrações. Mas mesmo assim deu pra fazer muita coisa. As crianças adoraram a peneiragem para achar ouro e pedras [preço do ingresso variando conforme a ambição de riqueza do pequerrucho] e decoraram velas, que era um dos artesanatos mais populares em 1850. Também andamos de stagecoach, a famosa diligência do velho oeste que nos levou por estradinhas íngremes pelo meio da floresta, com direito a assalto com bandido vestido a caráter. Pra quem se inscreve com antecedência, tem a disputada confeção das candy canes—um dos doces mais tradicionais do Natal. Nós só pudemos olhar pelo vidro. As crianças ganharam moedas de chocolate do Father Christmas e nós bebemos café feito na fogueira, onde os mineiros também assavam castanhas e amendoim e contavam histórias para os passantes. E tinha o ferreiro, os bombeiros, as mercearias, os bares, a livraria, as maravilhosas lojas de doces, a estação da carruagem, o jornal, o hotel, o dentista, a loja chinesa, eteceteráeteceterá. Um lugar super gostoso pra se passar uma tarde, com ou sem crianças.

os ares do natal

perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal
perto do Natalperto do Natal

Parei tudo porque tinha que me preparar para a chegada da minha irmã. Parei tudo novamente porque ficamos no trancetê, fazendo coisas por aqui e por lá. Este ano resolvi que teria uma árvore de Natal de verdade, por causa dos meus sobrinhos. Então fomos numa fazenda de árvores em Placerville escolher a nossa. Foi legal ver como eles cortam e embalam uma arvorezona, que vem bem amarrada no teto do carro. Comprei até uns enfeites novos e as crianças fizeram a decoração. A árvore é gigantesca, tivemos até que cortar um pedaço extra, porque o pessoal da fazenda deixou muito grande. Precisava mesmo de muitos ornamentos. Ainda está faltando colocar as luzinhas, por isso não tirei uma foto legal. Também fomos numa celebração de Natal numa cidadezinha histórica do tempo da corrida do ouro californiana. Fotos virão a seguir. Jantamos numa pequena cidade na serra e na saída paramos numa vinícola que teve a idéia mais genial do mundo—eles disponibilizam sofás em volta de fire pits e aquecedores à gas, além de deixarem cestas com mantas macias e quentinhas por perto. Sentamos lá para beber vinho e comer sobremesa. No outro dia almoçamos no Chez Panisse, as crianças foram patinar no gelo no Embarcadero em San Francisco e depois fizemos um passeio básico no Ferry Building. É claro que estou cozinhando, mas como este não é um blog exclusivo de receitas, elas vão reaparecer somente quando eu regressar à minha rotina. Para quem passa por aqui, quero já ir desejando um Feliz Natal. Porque já estamos quase lá e antescedo do que em tempo algum.

it's halloween [again]!

halloween11_1.jpg
halloween11_2.jpg
halloween11_4.jpg
halloween11_5.jpg
halloween11_3.jpg

No ano passado eu estava no Brasil e perdi o que seria o meu último Halloween em Davis. Minha vizinhança lá não era muito populada por crianças, então fui diminuindo a cada ano a quantidade de doces que eu comprava, pra evitar sobras. Mas sempre tive trick-or-treaters batendo na minha porta e sempre achei essa festa super divertida, pela magnitude da coisa e pela tradição. Por isso estou na expectativa da noite de Halloween este ano em Woodland, que parece que será bem movimentada. Alguém me recomendou comprar muitos doces, porque a vizinhança é bem popular. Já percebi pela decoração das casas dos meus vizinhos que a coisa é realmente séria. Decorei a minha porta também, como sempre fazia em Davis, com a adição das algumas várias abóboras que imitei do que vi nas casas em Woodland. Será que tenho doces suficientes? Será que terei muitos trick-or-treaters? Logo saberei.

muito bem comemorado

tsurprise

Chegamos em casa vindos de Berkeley e quando abri a porta vi todos os meus amigos lá dentro gritando ((( SURPRISE!!!! ))). A casa estava toda decorada, a cozinha cheia com comida do meu restaurante favorito em Davis, bolos da melhor chocolatier de Sacramento, minha familia conectada em grupo pelo skype. Foi uma festa super bacana, magnificamente orquestrada pelo meu marido. Não desconfiei de absolutamente nada e tive a maior surpresa da minha vida. Foi a minha primeira festa surpresa e adorei a experiência. It was absolutely fabulous!

[pão]

breadbread
breadbread
breadbread
breadbread

A primeira coisa que vimos no evento dos 40 anos do restaurante Chez Panisse no museu da UC Berkeley foi a função do pão, liderada pelo icônico Steve Sullivan, o cara do Acme Bread. Eles tinham lá dois forninhos de barro e assavam o pão em latinhas e latonas. O Uriel foi fazer perguntas pro Steve sobre o forno e ouviu que ele mesmo construiu as estruturas arredondadas de barro, com muito cuidado e técnica especial, para não haver rachaduras e tais. Já tinha lido sobre a busca da Alice Water pelo forno perfeito para o restaurante. Tem que ser tudo feito da maneira certa.

Ouvimos umas histórias, enquanto os moços tiravam o pão quentinho do forno, que foram fatiados e servidos com mel. Uma delicia. Eu sou fanzoca absoluta da Acme Bakery que faz um pão simplesmente imbativel, iniciado com fermentação de uva. Já li toda a história do Steve e sua obstinação por fazer o pão perfeito e considero ele uma autêntica celebridade. Fiquei na frente dele ouvindo ele contar como preferiu trabalhar na cozinha naquele final de semana de celebrações e acabou pilotando o stand do pão no museu. Uma simpatia de padeiro!

»esses cliques bem simpaticos foram feitos com o meu iphone. o Steve Sullivan é o cara de camiseta cor de mostarda e cabelo grisalho e comprido.

Chez Panisse fez 40 anos

panisse40
panisse40panisse40
panisse40panisse40
panisse40panisse40
panisse40panisse40
panisse40panisse40

O restaurante Chez Panisse completou 40 anos no domingo, 28 de agosto e não faltaram celebrações, artigos em jornais, revistas e blogs, entrevistas com a sua ilustre proprietária, Alice Waters e todo tipo de reverência e homenagem. Aconteceram muitos jantares pela cidade de Berkeley durante o final de semana comemorativo e infelizmente todos custavam muitos dinheiros. Mas um dos eventos era público e era grátis. Minha amiga Maryanne gentilmente me avisou e reservamos nossos ingressos para participar da comemoração organizadas pelo OPEN education e o Edible Schoolyard program nos jardins do UC Berkeley Art Museum.

Esse evento foi um pouco diferente do que eu imaginava que iria ser. Mais desorganizado e com muito mais opções de ver, fazer e comer, ele foi mais ou menos uma amostra da filosofia que serve de sustento para o restaurante e os outros projetos da Alice Waters. Enquanto esperávamos uma leva de pão assados na latinha, sob o comando de Steve Sullivan [o padeiro do inicio da história do restaurante e hoje dono da famosa Acme Bakery] ouvimos uma história bacana de como uns hippies desapropriavam alimentos de estabelecimentos comerciais para alimentar os pobres e desabrigados da cidade no final da década de 60 e inicio de 70. O pão quentinho foi servido com mel de um apiário, que explicava todos os detalhes da criação de abelhas numa barraquinha ao lado. Outro stand tinha as cabras de onde saia o leite cru que virava um fudge bem branco e bem doce. Outra fazia um pesto com abobrinhas, e outra limonada com lavanda e mel, e ainda tinha águas frescas de melancia e morango, sanduiches de mortadela, tamales e milho assado, salsa de tomatillos com tortillas que você mesmo podia prensar, fatias de melancia vermelha e amarela, café e muita água para hidratar os visitantes, afinal estava um CALORÃO de 25ºC em Berkeley naquele lindo dia de verão.

A exposição foi bem divertida e organizada para que os visitantes pudessem ficar lá por muitas horas, ouvindo as histórias, experimentando as coisinhas de comer, aprendendo um pouco sobre horta, animais, ingredientes. E também aprendendo algo sobre idéias, persistência e dedicação. De como algo tão simples, como um restaurante que serve uma comida descomplicada usando ingredientes da melhor qualidade e incentivando a agricultura e comércio locais, pode prosperar, se estabilizar e frutificar.

»algumas fotos da edição vip da sexta-feira do evento nos jardins do museu publicadas na coluna do Todd Selby na revista do NYT.

»não tem mais jeito, até que levei minha câmera, mas ela nem saiu da bolsa. fotos de eventos agora só com iphone. sorry! *pisc!

The Yolo County Fair

Yolo County FairYolo County Fair
Yolo County FairYolo County Fair
Yolo County FairYolo County Fair
Yolo County FairYolo County Fair
Yolo County FairYolo County Fair
Yolo County FairYolo County Fair

Foi a minha primeira visita à uma fair americana e até que achei legal. Lá bebemos limonada com cereja e muita água porque a tarde estava quente. Eu comi um taco com salsa, depois um corn dog e devorei um float de root beer do tamanho do universo, com quatro bolas de sorvete de baunilha e uma garrafa do clássico refrigerante. O Uriel comeu um milho assado na palha e eu comprei um torrão imenso de toffee de caramelo com castanhas e coco, que não conseguimos comer nem um décimo. Fairs são ótimas para comer porcarias, doces e frituras. Nessa até que não tinha algumas barbaridades como os deep fried de twinkies, twix ou oreos. É bem perceptível que absolutamente todo mundo come os corn dogs, que são umas salsichas enfiadas num palito e depois empanadas com uma massa de milho e fritas. Um grupo de casais já pelos seus setenta anos sentado na mesa na nossa frente devorava corn dogs como se eles fossem a iguaria mais fina e sofisticada do mundo. A explicação é bem óbvia—corn dogs são lembranças de infância, de quando chegava o verão e eles iram com a família ou com os amigos na fair e se divertiam as pampas, enquando mordiscavam as portáveis e práticas salsichas fritas.

colhemos uns figos

capay organic farm
capay organic farm
capay organic farmcapay organic farm
capay organic farmcapay organic farm
capay organic farm
capay organic farmcapay organic farm

Estamos rodeados de fazendas e agora estou mais próxima de uma das maiores fazendas orgânicas da região—Capay Organic Farm. Já sabia que eles abrem para o público e escolas, que pode-se fazer tours e visitar. Desta vez eles abriram para a colheita, na parte onde ficam as figueiras para que o público pudesse colher as frutas. "Queremos que as pessoas conheçam e se acostumem com eles"—me disse uma das fazendeiras. Eu respondi que os figos já são meus velhos conhecidos e que eu espero o ano inteiro pela oportunidade de comer os figos californianos frescos. Acredito que a Califórnia seja o único estado do país que produz figos comercialmente. Quando chegamos, estacionamos ao lado das árvores de pistache, que estavam carregadíssimas. Mas eles ainda não estavam prontos para consumo. A colheita do pistache acontece somente pro final de setembro e começo de outubro, quando as casquinhas externas racham avisando que já é hora.

Ficamos pouco tempo na fazenda, porque não tínhamos almoçado e eu tinha nadado, estava bem faminta. E eles nao ofereciam nada, além de legumes e frutas numa feirinha e bebidas geladas. E estava calor, o Uriel esqueceu de levar chapéu e todas as sombras estavam ocupadas por famílias fazendo picnic enquando uma bandinha tocava um animado bluegrass. Fomos colher os figos, que estavam maduríssimos. Eles tinham muitas árvores do maravilhoso candy stripes figs, que infelizmente ainda não estavam no ponto. Saímos da Capay com as botas sujas de lama e paramos para um hamburguer tradicional com batatas fritas na cidade vizinha de Esparto e depois engatamos em toda velocidade em direção à cidade de Napa, onde passamos o resto da tarde.

BlogHer Food 10

E aqui estou eu novamente, com mais uma batelada de fotos, mas desta vez de qualidade super duvidosa—fotos de celular. O registro era o mais importante neste caso e foi isso que eu fiz. Nos e-mails da organização do evento BlogHer Food as instruções mandavam levar laptop, câmera, eteceterá, que eu até levei, mas sinceramente foi apenas uma carregação de peso inútil. Num acontecimento como este, a gente quer ficar alerta, prestando atenção em tudo, com as mãos razoavelmente livres. A câmera me pareceu um empecilho e portanto nem saiu da sacola, que acabou voltando rapidíssimo para o carro. Fotografei quando deu, usando o iPhone, como fizeram muitos outros participantes do evento.

Mobilidade era essencial. Eu queria ver tudo, provar tudo, participar de tudo. Só fui para o segundo dia do evento, que aconteceu no sábado 8 de outubro em San Francisco, portanto perdi muitos buxixos do primeiro dia, na sexta-feira. Mesmo assim valeu cada minuto. Uma conferência de food bloggers é basicamente imperdível. No ano passado dormi com a touca da procrastinação e entrei pelo cano. Os ingressos esgotam rapidamente, não pode ficar olhando pro horizonte, porque acaba-se comendo mosca. Neste ano fui mais esperta e garanti meu ingresso ainda em março. Valeu a pena a espera de tantos meses.

Blogher Food 10Blogher Food 10
Blogher Food 10Blogher Food 10
Blogher Food 10Blogher Food 10

Por ter escolhido manter meu blog apenas em português, me coloquei numa posição muito desvantajosa no mundo blogueiro. Apesar de viver aqui e escrever sobre a cultura e culinária daqui, realmente não consigo me enturmar completamente com os locais pelo simples fato de não escrever numa língua que todos entendem. E para o resto do mundo luso parlante, ofereço minhas receitas, textos, pensamentos e reflexões sem estar fisicamente presente e participante. Em resumo, sinto que estou entre dois mundos, num universo virtual paralelo sem pertencer completamente à lugar nenhum. Isso faz a minha interação parecer difícil em eventos, como este, pois vou chegar com o blog numa língua que ninguém entende, um blog que ninguém lê e com certeza nunca irão ler.

Mas a comunidade de food bloggers de língua inglesa é algo realmente especial. Ou são especiais as pessoas que foram pioneiras, se destacaram e hoje comandam a boiada, integrando as pessoas e dividindo conhecimento e experiência. Não conhecer quase ninguém numa conferência lotada de blogueiros vindos de todos os cantos dos EUA e ser recebida com um abraço entusiasmado pela minha amiga Elise Bauer é realmente confortante. E ela não só me recebeu, como me apresentou para o charmoso Michael Ruhlman, que coincidentemente tinha sentado ao meu lado na primeira palestra que assisti. Conheci outros blogueiros celebridades e proeminentes, outros nem tanto, alguns apenas iniciantes, outros amadores como eu, e percebi que uma grande parte deles está trabalhando duro em direção da profissionalização. É uma comunidade profundamente eclética e incrívelmente séria.

No buxixo entre palestras decidi criar coragem e me apresentar para o chef David Leite, de descendência portuguesa, que é o grande divulgador da cozinha lusitana aqui na América do Norte. Só vou dizer uma coisa—somos muito bem representados, que cara simpático, adorei muito conhecê-lo pessoalmente!

Blogher Food 10
Blogher Food 10Blogher Food 10
Blogher Food 10
Blogher Food 10Blogher Food 10
Blogher Food 10
Blogher Food 10Blogher Food 10
Blogher Food 10
Blogher Food 10
Blogher Food 10 Blogher Food 10

No meio do dia todos os congressistas se aboletaram em ônibus fretados pela organização e fomos levados ao Farmers Market do Ferry Building Market no antigo Porto de San Francisco. Para mim o passeio não me apresentou nenhuma novidade, mas pra muitos blogueiros vindos de outros estados foi um super treat. Esse mercado é o meu lugar favorito na cidade e dou uma passadinha por lá sempre que posso. O mais divertido pra mim foi estar dentro de um ônibus lotado de blogueiros e poder interagir com alguns deles.

Quanto as palestras, só consegui participar de duas: food styling com os talentosos Adam Pearson, Delores Custer e Tami Hardeman e uma palestra super emocionante com a fantástica fotógrafa Penny De Los Santos, com quem eu já tinha feito um workshop anteriormente. Não canso de ouvir a Penny falar da sua paixão, da visão orgânica que ela dá para suas fotos. Depois de conhecer o trabalho dela, tudo muda. Não tem como continuar pensando da maneira antiga.

Blogher Food 10 Blogher Food 10
Blogher Food 10
Blogher Food 10Blogher Food 10
Blogher Food 10

No fechamento do congresso, teve uma conversa muito legal com três blogueiros experientes, cada um com um estilo completamente diferente—Shauna James Ahern, a Gluten Free Girl, o chef Michael Ruhlman e a fofissima Molly Wizenberg do blog Orangette. Mesmo não estando tão enturmada por causa da barreira da lingua do meu blog, me senti super em casa nesse evento. Apesar de ser uma blogueira com muitos anos de experiência, continuo aprendendo todos os dias. As lições nem sempre são sobre como escrever, como fotografar, mas sim como se portar e se posicionar dentro dessa comunidade. Nunca serei uma blogueira profissional, porque não carrego essa ambição comigo. Mas tenho muito bem solidificado o meu próprio estilo, que combina minha personalidade, meus principios e minha maneira de ver o mundo. E assim me posiciono. Escrevendo em português, pra quem lê em português poder ler, sem sentir que pertenço, mas pertencendo muito mais do que eu mesma consigo admitir. No final da palestra a Shauna James Ahern citou uma frase da Virginia Woolf que pode ser o meu motto e o de muitos outros que escrevem em blogs—"we write to taste life twice, in the moment and in retrospect."

Hoes Down Fall Festival

hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festival
hoes down fall festivalhoes down fall festival
hoes down fall festival

Me diverti à beça no passeio que fizemos com nossos amigos da Unicamp na Full Belly Farm no dia do Hoes Down Harvest Festival, o festival do outono e da colheita. A Full Belly é uma fazenda orgânica localizada no Capay Valley e organiza essa festa, bastante famosa, há quase trinta anos. Além de poder conhecer a fazenda, ver o que eles produzem e como eles produzem, pode-se aprender muito com vários workshops e entender um pouco como funciona essa tal de agricultura sustentável. Mas a melhor parte dessa festa é mesmo a diversão—música, dança, comida e bebida. Nos vários palcos montados pela fazenda, tocava música ao vivo ininterruptamente e toda a comida servida era feita com ingredientes orgânicos. Desde o cachorro quente e os hamburgueres, feitos com carne grass-fed de animais criados de maneira humanitária, até os tomates e as salsinhas das saladas, vindos das fazendas da região. Tudo uma delícia, até a cerveja orgânica da cervejaria Thirsty Bear de San Francisco e os vinhos orgânicos de vinícolas locais.

Toda energia usada na festa era solar, o lixo era todo reciclado e o orgânico compostado, um mercado vendia frutas, legumes e verduras, tinha muita atividade para entreter a criançada, muita coisa legal pra ver e fazer. Nas fotos, um pouquinho de cada coisa: as crianças ajudando a moer a maçã para fazer apple cider, a apresentação dos alunos da escola Waldorf de Davis, o galpão cujo teto estava forrado de flores secas, os produtos feitos com a lavanda orgânica desta fazenda que visitamos na primavera, centenas de abóboras para quem quisesse fazer sua própria jack-o-lantern, artesanatos com flores, lã, panos e tintas para colocar as mãos na massa, e muita coisa boa para comer e beber, incluindo os mais deliciosos e mais criativos picolés do mundo vendidos pelas meninas do Fat Face de Davis.

O festival durou dois dias e teve música e dança até tardão da noite. Quem quisesse podia acampar na fazenda. Nós fomos somente no sábado e não ficamos até o final, porque já tínhamos outro compromisso. Foi a primeira vez que participei, mas com certeza não será a última. No próximo ano estarei lá novamente—nem dúvide, pois já marquei na agenda!

from the ground up

Whole Earth Festival 2010Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010
Whole Earth Festival 2010

Três dias de música, paz e amor. Não estou falando de Woodstock, mas do Whole Earth Festival, que acontece todo ano no campus da UC Davis desde 1969. É um festival hippie, celebrando a diversidade e a vida alternativa. Todo ano é a mesma coisa, mas eu vou com o mesmo entusiasmo e como as delicias vegetarianas que eles vendem, ouço música ou discursos políticos e ambientais nos diversos palcos instalados pelo campus, olho as barracas de artesanato e o povo colorido. É um dos festivais mais populares e frequentados da universidade. Detalhes interessantes: toda a eletricidade, até a do palco principal onde as bandas grandes se apresentam, é gerada por energia solar. O festival produz ZERO de lixo, com seu programa eficientíssimo de reciclagem. Eles usam uma técnica muito legal de utensílios rentáveis. Você paga um dólar extra pelo copo, garfo ou prato, e recebe o dinheiro de volta quando retorna. A segurança e organização do festival é feita por um grupo de voluntários denominado Karma Patrol. Todos são bem-vindos, hippies, geeks, caretas, etc. Todos se vestem como querem, e dançam como querem pelo gramado do Quad. Toda a comida vendida nas barraquinhas do festival é vegetariana, vegana ou étnica. No Whole Earth Festival você vai ver de tudo, coisas que normalmente não vê no campus da Universidade da Califórnia em Davis, que é um campus muito mais sisudo e careta do que o de Berkeley, por exemplo. Nestes três dias de festa, a cidade se enche de Kombis psicodélicas e pessoas com roupas e cabelos coloridos. Eu vou sempre, pois adoro essa festa. Neste ano comi comida raw e vegana, como no ano passado. Era um curry de legumes crus, o arroz era repolho bem triturado, a salada tinha um molho delicioso e os crackers estavam incríveis. O Uriel comeu um sanduba de berinjela grelhada, nada excepcional. Bebemos limonada de gengibre adoçada com néctar de agave e de sobremesa dividimos um crepe integral recheado com morangos frescos e decorado com açúcar e nutella.

»veja todas as fotos do WEF 2010 no Flickr.
»WEF 2009—sustainalovability.
»WEF 2008—mending our web.
»WEF 2007—the zero waste festival.

hair [musical & picnic]

Hair & picnic
Hair & picnic
Hair & picnicHair & picnic
Hair & picnic

Quando eu e a minha prima-amiga-irmã Heloisa assistimos ao filme Hair num cinema em Campinas no inicio da década de 80, ficamos boladas. Choramos muito no final quando o personagem herói Berger, é enviado por engano no lugar do panacão Bukowski para morrer no Vietnã e todos os amigos cantam juntos Let The Sun Shine. Na época ganhei uma gatinha, que batizei de Sheila, a ricaça que vira hiponga no final da história. Comprei a trilha sonora em bolacha de vinil. Hair foi um filme que me marcou, no auge da minha adolescência, hormônios borbulhantes, cheia de idealismos, alma hiponga despontando no horizonte.

Mas apesar de ter adorado o filme, nunca tinha tido a oportunidade de ver o musical, que deu origem a tudo. Trinta anos depois [...] Vejo o cartaz da produção de Hair no campus da universidade, feita pelo mesmo grupo que apresentou MacBeth em novembro passado. A peça seria encenada ao ar livre, numa área enorme de gramados e árvores no arboretum da UC Davis.

Choveu até dizer chega no domingo, que seria o último dia de apresentação de Hair e ficamos numa sinuca, não sabendo o que fazer. Eu queria muito ir e teria que ser naquele dia ou no more. O Gabriel mandou mensagens pro diretor do grupo, que é amigo dele e o cara confirmou: vai ter apresentação, com chuva ou sem chuva.

Preparei correndo os apetrechos—cadeira dobrável daquelas que se carrega convenientemente com uma alça no ombro, roupa quentinha, manta, guarda-chuva e uma cesta de picnic. Tenho um monte de cestas para esses eventos e garrafas térmicas, pratos, utensílios, toalhas macias pra estender no chão. Picnics são um dos meus eventos favoritos, embora não tenha feito um em algum tempo. Picnic noturno, numa área verde linda, vendo um musical como Hair, não tinha como me deixar mais entusiasmada. Preparei uma garrafa térmica gigante cheia com chá de gengibre e limão*, um queijo gruyere pra cortar, um pão, umas bolachas salgadas, um queijo de cabra temperado com ceboulettes, chocolate em barra, morangos frescos e um bolo ultra rápido de liquidificador.

Chegamos com o guarda-chuvão aberto, nos ajeitamos na seção para cadeiras da platéia e logo parou de chover. Fizemos nosso picnic e quando a peça começou já estávamos alimentados e confortavelmente aquecidos pelo delicioso chá. Não choveu mais pelo resto da noite.

A apresentação de Hair durou mais de duas horas, com um pequeno intervalo, quando todos correram para usar o banheiro. Eu adorei e curti cada minuto, cada música, lembrei das letras, cantei baixinho junto, dei risada e fiquei com lágrimas nos olhos durante muitos dos números e, como na primeira vez que vi o filme, chorei quando o rapaz morre no Vietnã. Quando a apresentação terminou, meus dentes batiam de tanto frio. Mesmo super agasalhados e bebendo chá, não é bolinho ficar sentado por mais de duas horas no relento numa noite fria de primavera californiana. Fomos pra casa descongelando com o aquecedor no carro e desde então estou com uma das músicas da peça dando loop na minha jukebox mental—manchester england england across the atlantic sea and i'm a genius genius i believe in god and i believe that god believes in claude that's me that's me!

*chá de limão e gengibre
Corte um limão em cubinhos e coloque num bule ou garrafa térmica. Rale um pedaço de gengibre—como eu compro gengibre orgânico, não descasco—e coloque junto com o limão. Jogue bastante água fervendo sobre os pedaços de limão e gengibre. Deixe descansar por uns 5 minutos. Sirva. Nós bebemos sem açúcar. Mas quem quiser, fique à vontade para adoçar.

»no final da peça encontramos com o Gabriel, que estava indo na festa de encerramento daquela curta temporada de Hair. e guess what? ele faturou a kombi cor de rosa decorada com flores que fez parte do cenário da peça. a kombi está na garagem dele e logo aparecerá em edição especial por aqui.

»não levei minha câmera, por causa da chuva e também porque sei que às vezes não se pode fotografar em espetáculos. tirei essas fotos com o celular e levei uma carcada logo depois que fiz a última foto. eu não sabia, mas os atores estavam tirando a roupa atrás da bandeira americana. perdi, por alguns segundos, de fazer uma foto mais explícita.

mulled red wine

macbeth_2S.jpgmacbeth_3S.jpg
macbeth_1S.jpg

Na primavera planejamos assistir à montagem de A Midsummer Night's Dream que o grupo de teatro da UC Davis estava apresentando ao ar livre, na área mais bonita do arboretum, num corredor de red woods. Nas minhas caminhadas ao entardecer, observei todo o processo dos ensaios do grupo, depois tive que fazer um pequeno desvio no meu caminho durante as apresentações, passando por trás dos camarins e ouvindo e vendo um pouquinho da ação. Por razão desconhecida ou ausente, só explicada pela nossa onipresente capacidade para procrastinação, acabamos não indo e perdendo de ver essa montagem da bucólica peça de Shakespeare.

No inicio do outono o mesmo grupo anunciou que montaria uma versão modernex de MacBeth e desta vez não iríamos dormir de touca, pois teríamos um motivo particular para estar na fileira do gargarejo na estréia. Na trama sangrenta, onde o enlouquecido casal, sir e lady MacBeth, se embola numa matança sem fim, na ambição de chegar ao poder no reino da Escócia, há muitas lutas. E essas lutas precisam ser coreografadas. Nunca tinha pensado nisso até o Gabriel nos dizer que ele iria fazer a coreografia das lutas de espada e adagas para a peça.

Fiquei muito curiosa com essa história do meu filho coreografar lutas e animada para ver os resultados. O único problema é que o grupo faz as montagens ao ar livre e as noites de outono são bem frias. Três horas de peça, sentados nas arquibancadas de cimento, expostos ao frio e vento, não iria ser bolinho. Prevenida, me preparei para uma caminhada pelas planicies alasquianas. Levei um acolchoado macio, almofadas, vesti meu casacão longo de fake fur super duper quentinho, levei luvas, manta de lã, touca, uma garrafona térmica com chá de laranja e outra menor cheia de vinho quente. O chá encalhou, mas o vinho foi bebido em goles largos e felizes durante o intervalo por mim e pela namorada do meu filho. A bebida forte e fumegante nos aqueceu e nos animou para a segunda parte da peça, que teve muito, mas muito sangue e até rolou uma cabeça.

Vi a receita para esse vinho quente na edição de novembro da revista Food & Wine e deixei marcada, pois concordei que era mesmo uma idéia fantástica para detonar restos de vinho das festas. Na minha casa sempre sobra vinho, porque só eu bebo. Fiz da primeira vez usando restos de Cabernet Sauvignon e refiz uma semana depois usando o Zinfandel. Adorei a possibilidade de poder preparar tudo com dias de antecedência e depois só requentar. Esses mulled wines, assim como as cidras, são bebidas muito comuns por aqui durante as festas de final de ano. Eu já comprei as especiarias prontas para fazer essas bebidas quentes, mas achei essa misturinha feita em casa, com pimenta e erva doce, altamente picante e deliciosamente auspiciosa!

mulled red wine with muscovado sugar
2 colheres de chá de pimenta do reino inteiras [black peppercorns]
1 colher de chá de sementes de erva doce [fennel seeds]
1 pau de canela de mais ou menos uns 7 cm
1 1/2 litro de vinho tipo Zinfandel ou Merlot
[*fiz com Cabernet Sauvignon e depois com Zinfandel]
3 folhas de louro
Raspas da casca de uma laranja
1 1/2 xícara de açúcar muscovado ou outro açúcar escuro

Num pilão junte as pimentas e as sementes de erva doce e moa levemente. Numa panela coloque o vinho e todos os outros ingredientes, menos o açúcar. Tampe e ferva em fogo baixo por 10 minutos. Remova do fogo e deixe descansar, tampado, por 30 minutos. Coe para remover todos os ingredientes aromáticos. Junte o açúcar e mexa até dissolver bem. Sirva morno ou reaqueça para servir quente, em taças ou canecas. Esse vinho pode ser feito com antecedência e guardado numa jarra na geladeira por até três dias, Reaqueça na hora de servir.

sustainalovability

whole-earth-festwhole-earth-fest
whole-earth-fest
whole-earth-festwhole-earth-fest
whole-earth-fest
whole-earth-fest
whole-earth-fest
whole-earth-festwhole-earth-fest
whole-earth-fest
whole-earth-festwhole-earth-fest
whole-earth-fest
whole-earth-festwhole-earth-fest
whole-earth-festwhole-earth-fest
whole-earth-fest

Já escrevi tanto sobre este festival que acontece todo mês de maio e coincide com o final de semana do dia das mães, que já esfolei o dedo cata-milho. Neste ano, o Whole Earth Festival completou 40 anos, firme e forte, cada vez mais dedicado às suas propostas originais. Essa festa imensa que dura três dias não acumula lixo nenhum, graças à implementação da reciclagem intensiva. Não há copos, pratos e talheres de plástico ou papel. Pagamos pelos utensílios, que são reutilizáveis e que quando devolvemos e ganhamos o dinheiro de volta. Ninguém aqui é bobo de desperdiçar grana, né? E toda a comida servida no festival é vegetariana, orgânica, local, natureba plus! Eu adoro comer os rangos e neste ano fui de comida vegan, que não é algo muito comum de se ver por aí. Comi um prato mediterrâneo, com dolmas—os rolinhos de folha de uva com molho de tahini, salada de folhas com um molho de nozes e um humus de coco delicioso acompanhado de torradinhas veganas. Pensar que nesse prato saborosissimo não foi usado nenhum ingrediente de origem animal, me inspira! E o Uriel foi de pita de berinjela, que também estava muito bom. Bebemos uma limonada de gengibre adoçada com agave nectar e depois matamos o caloire com picolés de kiwi colada!

Eu devo ter mesmo uma alma hiponga que fica feliz apenas em passear por esse festival, ver as barracas de artesanado, as barracas políticas, as de tratamentos alternativos, palestras esotéricas, de vida alternativa. Neste ano havia duas barracas ensinando a usar os fornos solares. Só não vi muitos protestos políticos, por uma boa razão. E tem muita gente dançando, improvisando música, shows de artistas mais profissionais, dança, batucada, até escola de samba [a UC Davis tem uma muito boa]. Toda a energia usada no festival vem dos painéis solares, que são instalados em vários pontos.

Para mais detalhes sobre essa festa, siga o link do meu post sobre o Whole Earth do ano passado ou ainda o de um ano anterior. E veja mais fotos de 2009 AQUI e outras fotos de 2008 AQUI.

tudo pronto pra mais um picnic!

picnic_salmon_1S.jpg
picnic_salmon_2S.jpg

No ano passado fui à apenas um [ou talvez dois] picnic, porque não tive muitos ânimos de arrumar rango e cesta e sair de casa depois do trabalho num dia de semana. Culpa da minha doencinha, que roubou toda a minha energia por quase um ano. Mas agora que estou recobrando meu pique, reanimei para fazer picnics!

Chegamos um pouco tarde ao parque, já eram 7pm, mas mesmo assim deu pra aproveitar bastante. O bom é ficar batendo papo na grama do parque no escuro, quando a banda e o farmers market já encerraram as atividades e a maioria das pessoas já se dispersou.

Fiz rapidinho um rango com fatias fininhas de salmão selvagem defumado, crackers de aveia, queijo de cabra temperado com ervinhas do quintal [chives, tomilho e orégano], pimenta branca e um fio de azeite. Bebemos vinho verde espanhol.

chá para o bebê

baby_shower_E_2S.jpgbaby_shower_E_4S.jpg
baby_shower_E_6S.jpg
baby_shower_E_12S.jpgbaby_shower_E_18S.jpg
baby_shower_E_19S.jpg
baby_shower_E_28S.jpg
baby_shower_E_41S.jpg

Eu não tive chá de bebê, pois esse tipo de festa não era comum quando eu estive grávida. Mas já fui à muitos aqui na América do Norte e também já organizei alguns. Esse foi para uma amiga querida que vai ter um menino em fevereiro. Aqui fazemos tudo muito simples, usando o esquema de potluck—cada um traz um prato, pois não temos ajudantes domésticas, precisamos facilitar. Então para esse chá eu comprei as bebidas, sodas naturais, guaraná, suco de goiaba, lambrusco branco e água, e dois bolos, e servi uma caponata que já tinha feito há um tempo com pãozinho francês fresco. As convidadas trouxeram muitas coisas diferentes, desde uma torta turca feita com semolina, até saladas, quiches, patês, pão de queijo, triângulos de espinafre e torta de abóbora. As convidadas formavam um grupo de quinze pessoas bem eclético e eu não conhecia quase ninguém, mas isso não empediu a enturmação. A futura mamãe estava linda, radiante e feliz. Foi uma das melhores festas que eu já organizei.

uma sopa para Barack

soup_for_obama_5S.jpg
soup_for_obama_6S.jpgsoup_for_obama_1S.jpg
soup_for_obama_4S.jpg

Fomos votar bem cedinho e depois eu fiquei em casa descansando, pois não estava me sentindo muito bem. Talvez tenha sido um vírus de gripe ou apenas o acúmulo de tensão que eu senti nas últimas semanas—pessimista que sou—pensando na possibilidade do Obama não vencer a eleição.

Fomos acompanhar os resultados na casa de uma amiga. A Alison preparou uma deliciosa sopa de cebola, receita da Julia Child e uma salada refrescante com farro e romã. Chegamos lá às 7 da noite e os convidados estavam todos muito felizes e otimistas com as projeções dos resultados. Tomamos a sopa, que ficou deliciosa e comentávamos cada mudança. O Allan coloria o mapa dos EUA conforme o noticiário ia dando as projeções. Às 8 horas, quando as urnas da Califórnia e dos outros estados do extremo oeste fecharam, um dos comentaristas da rede de televisão ABC simplesmente anunciou—o novo Presidente eleito, Barack Obama! Dali em diante foi uma enxurrada. Abrimos champagne, choramos, foi uma noite emocionante que não vou esquecer nunca. Essa vai ser a história que vou contar para meus netinhos e bisnetinhos—eu votei nele, eu vi ele ganhar de lavada, eu chorei de alegria e alívio naquela noite memorável e histórica!

Barack Obama me conquistou mesmo antes de eu não poder votar neste meu país adotado. Quando ele falou da América dele, eu me identifiquei, porque a América de Barack Obama é também a MINHA América. Ontem finalmente cruzamos a fronteira, demos um passo em direção à um futuro diferente e melhor. Saímos da escuridão. Daqui pra frente tudo será diferente.

Para fazer a sopa de cebola, a Alison usou um caldo de carne que eu preparei antecipadamente. Também usei uma receita da Julia Child.

Brown Stock
[adaptado do Mastering the Art of French Cooking, Julia Child et al, Volume I.]
Faz 4 litros
2 quilos de carne — a Julia recomenda usar ossos e pedaços de carne, então eu sei uma carne barata, chamada shank, com carne, gordura e osso com tutano
2 cenouras em cubos
2 cebolas em pedaço
2 talos de aipo em pedaço
1 nabo cortado em pedaços
1/4 colher de chá de tomilho seco
1 folha de louro
um ramo de salsinha
4 dentes de alho

Num refratário, asse a carne com a cebola, nabo e a cenoura num forno pré-aquecido em 450ºF/ 232ºC por 40 minutos, virando a carne e os legumes no meio tempo. Coloque a carne e os legumes numa panela grande, coloque todos os outros ingredientes e cubra com água. Adicione água no refratário e deixe dissolver, junte essa água com os sabores da carne na panela. Cozinhe em fogo baixo por pelo menos 5 horas. Vá adicionando mais água. Se formar espuma, vá retirando. Depois de frio, coe bem, guarde na geladeira e use para fazer sopa.

três

tres
trestres
trestres
trestres
tres
trestres

Em primeiro de novembro de 2005 às 11:22:40 da manhã nascia o Chucrute com Salsicha, com seu primeiríssimo post de inauguração. Com certeza eu tinha passado o dia anterior sentada por horas e horas e horas na cadeira do meu pequeno escritório montando o blog, ajeitando o layout, colocando tudo em ordem para iniciar a função de blogar sobre comida, que desde então nunca parou.

E hoje o Chucrute completa três anos de postagens diárias, com muitas fotos, muitas receitas e, principalmente, muitas histórias. Milhares de pessoas passam por aqui todos os dias e isso coloca um certo peso nos meus ombros, que eu tenho tentado carregar com o máximo de firmeza e elegância.

O Chucrute com Salsicha é um espaço muito especial para mim porque ele reflete um bocado de quem eu sou. Os assuntos aqui são sempre muito variados, os papos seguem as estações do ano e vão pipocando conforme as idéias e as oportunidades vão surgindo. Eu não tenho nenhum esquema planejado ou um sistema de organização para blogar. Não me empenho em pesquisas, não sigo modismos, nem endosso produtos ou pessoas que eu não conheço direito ou não confio. Não tenho pretensão de fama ou grana, só escrevo sobre o que eu gosto e sobre o que me interessa, por isso não promovo ou participo de eventos coletivos. Eu faço a minha pauta, de um jeitão idiossincrático que é só meu. Não me inspiro no estilo de blogar nem nas idéias de ninguém. O Chucrute sempre foi um espaço original e autêntico, influenciado apenas pelas minhas convicções, pela maneira com que eu encaro a vida, pelas minhas opções, aspirações e realizações.

Defendo com insistência quixotesca a propriedade das minhas fotos, pois elas são a expressão da minha visão do mundo—desde a amplitude das paisagens das vinícolas californianas até os micro detalhes de uma flor se abrindo ou de uma lagarta morando num pé de tomate. Sem essas imagens o Chucrute com Salsicha não estaria completo. E a minha escrita, com todas as costumazes mancadas ortográficas e a abundância de expressões peculiares, é parte da minha personalidade, uma extensão do meu papo firme na vida real. Eu gosto de escrever, de fotografar e de comentar qualquer tipo de assunto relativo à culinária—um pouco mais do que gosto de cozinhar e comer. Por isso não considero o Chucrute com Salsicha apenas um blog de receitas. Ele é sim um blog sobre comida, e também sobre bebidas, música, cinema, política, livros, amor, prazer, felicidade e vida!

in the dark

mini_boo_pumpkins_4S.jpg

O Halloween deste ano vai ser molhado e frio. Espero que isso não atrapalhe a diversão da criançada. Como sempre, eu corri pra fazer os meus parcos preparativos, que sempre executo de última hora. Neste ano vou distribuir treats de chocolate e comprei menos do que sempre compro, pois outro dia achei dentro de um gourd o resto das balas do Halloween do ano passado. Waste no more!

Na hora do almoço vou decorar a minha porta com os mesmos enfeites que uso, ano após ano. Já tenho algumas abóboras na varanda. É isso. Como na sexta-feira nós normalmente jantamos fora, provavelmente o Uriel terá que pegar comida em algum restaurante, pois eu vou estar ocupada abrindo e fechando a porta e não posso decepcionar as crianças da vizinhança.

Para quem quiser ler ou reler, aqui estão relatos sobre a experiência do Gabriel com o Halloween e as minhas divagações de sempre sobre essa comemoração. Happy Halloween, para quem é de Halloween!

DNNO

festa_vizinhos_1S.jpg

Este foi o terceiro ano do Davis Neighbors Night Out organizado pela prefeitura da cidade e neste ano a nossa vizinhanca participou. Não foi nada que não pudessemos ter feito sozinhos, como já fizemos em 2002 num churrasco comunitário. Mas com o apoio da cidade, que ofereceu descontos e brindes, enviou convites e fez a promocão, ficou realmente mais fácil. Este ano, com as comemorações dos 100 anos da cidade e do campus da Universidade da Califórnia, o objetivo era conseguir cem vizinhanças participando.

Nossa vila foi construída pela UC Davis em 1996 para abrigar professores da universidade. São trinta e duas casas agrupadas num circulo e uma linha reta que faz a fachada da vila. As casas no círculo são para os professors e têm uma casinha de hóspede no fundo, também chamada de graduate cottage, pois foram construídas para abrigar estudantes de pós-graduacão. Na linha reta ficam casas geminadas [town houses] onde moram funcionários da universidade. É uma comunidade bem estruturada e forma um grupo grande de vizinhos.

Eu conheco meus vizinhos do lado, da frente e umas amigas que vivem numa das casas geminadas e numa casa de hóspedes. Fora esses, não conheco mais ninguém. Como temos uma mailing list da vila, conheço alguns outros de nome, mas é só. Então participar dessa festa de vizinhos me animou, pelo menos para dar uma olhada na cara das pessoas que vivem do outro lado.

Como eu já tinha marcado um outro compromisso com umas amigas e o papo estava pra lá de bom, acabei chegando atrasada na festa dos vizinhos. Chegar atrasada aqui muitas vezes significa perder a parte principal da festa, E foi o que aconteceu com o casal atrasanildo da casa 273. Cheguei com a minha saladona quando a maioria já tinha comido. E não havia mais name tags para escrevermos nossos nomes. Além de que todo mundo já estava no papo animado em grupinhos e alguns já estavam quase indo embora. Mesmo assim nos enturmamos, eu conheci pelo menos uma pessoa super legal e o Uriel ficou de papo com um professor aposentado. Não prestei atencão na comida, mas vi de relance que tinha cachorro-quente feito com salsichas assadas numa churrasqueira e uma mesa de saladas, outra de doces, snacks espalhados por todo canto. Também havia vinho, cerveja, refrigerante e suco. Logo anoiteceu e ninguém mais conseguia ver a comida. Um cara chegou com lanternas. As criancas correram e brincaram muito e dançaram—porque também tinha um som na caixa tocando. Estava uma festa agradável, apesar que alguns vizinhos eu simplesmente não me importo de encontrar novamente, pois eles são uns chatos de longa data. Outros são muito legais. Pessoas diversas, como em toda comunidade.

mesa para um jantar

mesa_oc_04_7S.jpg
mesa_oc_04_2S.jpgmesa_oc_04_1S.jpg
mesa_oc_04_6S.jpg
mesa_oc_04_5S.jpg

As minhas arrumações de mesa refletem muito bem a minha libra influenciada por uma rigorosa vênus em virgem, que exige hamonia e beleza mas de-tes-ta emperequetação. Minhas mesas são sempre assim, simples. Raramente uso toalha, porque no caso dessa minha mesa de jantar de quase cem anos, eu gosto de mostrar a história de vida que ela tem impressa na madeira. Gosto de misturar estampas e cores e de guardanapos coloridos contrastando com a rigidez das cores sobrias. Nessa mesa eu usei uma mistura de pratos—uns vintage americanos estampadinhos de cor cinza claro e outros de design escandinavo cinza escuro. Os guardanapos deram o toque final de cores. Ficou uma mesa muito legal, onde sentaram-se cinco pessoas para comer pizza e beber vinho!

mais um

soprando_a_velinha.jpg
primeiro de outubro

the family get together

lunch_reidun_4S.jpg
lunch_reidun_6S.jpglunch_reidun_1S.jpg
lunch_reidun_5S.jpg
lunch_reidun_10S.jpglunch_reidun_2S.jpg
lunch_reidun_7S.jpglunch_reidun_9S.jpg
lunch_reidun_8S.jpg

Foi um almoço de família, organizado pela Reidun e Marianne—mãe e filha. Foi muito legal rever pessoas que não víamos há alguns anos. Estava tudo muito bem organizado e a comida, apesar de não ter nenhum prato super especial, estava bem saborosa. Fez um dia bem calorento no Marin county, o que pode ser considerado excepcional, pois aquela região, que se incluí na Bay Area, é sempre muito mais fresca que o Central Valley onde fica Davis. Passamos a tarde toda no convercê e eu fotografei algumas coisas nos intervalos. Não me concentrei na comida, pois não tinha nada diferente do frango assado, salmão, salada de batata, salada verde. Gosto mesmo é da maneira como a Reidun recebe. Eram trinta convidados e ela usou pratos de cerâmica, talheres de metal e copos de vidro. Nada de descartáveis. Adoro os utensílios viking que ela tem, além das maravilhosas peças de antiguidades e das cerâmicas escandinavas, que são as mais lindas que eu já vi.

prove aqui o novo sabor

sample_copia.jpg

Não sei como é no resto do mundo, mas aqui os distribuídores de amostra de comida e bebida estão por todos os cantos. Acho que deve fazer parte da cultura essa satisfação de poder provar, sem precisar pagar, antes de decidir se vai ou não comprar. E eu acho isso ótimo, muito justo, nada mais prático, afinal não tem nada pior do que se decepcionar com aquele produto pelo qual você pagou uma baba. Mas eu nunca me senti à vontade com esse hábito. Vou ao Farmers Market e tem amostra de tudo, das frutas, dos pães, dos queijos, do azeite. E alguns até oferecem seus produtos de uma maneira um pouco agressiva, como na barraca de bolanis onde os moçoilos bonitos e simpáticos do Afeganistão usam aquelas manjadas técnicas machistas para conquistar as clientes do sexo feminino. E em qualquer supermercado estão lá as senhorazinhas sorridentes, e até as não muito sorridentes, te oferecendo pedaços de linguica frita, bolachinhas com patê, quiches e tortas, cremes, queijos, sorvetes, sucos, leites, refrigerantes, gororobas variadas, numa lista interminável de produtos novos ou já conhecidos, tentando te convencer a comprar, ali mesmo ou num futuro bem próximo.

Eu vejo a aglomeração de pessoas e carrinhos e passo reto, às vezes dou até uma desviada. Obrigada, não quero. Não consegui ainda adquirir esse hábito de pegar pedacinhos disso ou daquilo em publico e comer equilibrando o copinho e o garfinho ao mesmo tempo que empurro o carrinho de compras. Não gosto de comer assim, andando, beliscando, comida oferecida com o único propósito de te convencer a comprar o produto.

Alguns eventos servem comida e bebida de graça. Eu curto beber uma taça de vinho ou mesmo provar algo comestível, desde que não tenha que enfrentar uma muvuca, me acotovelar pra pegar um pedaço de queijo, driblar a malta para agarrar uma lasca de pão e depois passar o resto do tempo preocupada se não fiquei uma semente de gergelim no meio dos dentes, ou com aquela sensação de dedos engordurados sem opção de poder lavá-los.

Além dos entusiasmadinhos e famintos de sempre, quem realmente curte esses eventos distribuidores de comida são as crianças. No Copia, a voluntária dando amostras de um sorvete sabor morango fazia um sucesso incrível com a gurizada. Sem nem um segundo sequer de descanso, ela só conseguia suspirar, respirar fundo e continuar firme. No copinho ou na casquinha? Na casquinha, of course!

Wine tasting no Copia

copia_winetasting_1s.jpg
copia_winetasting_2s.jpg
copia_winetasting_3s.jpg

No COPIA—The American Center for Wine, Food and the Arts, fiz um wine tasting bem diferente, usando um cartão e um monte de máquinas. Tive que testar essa inovação. Você compra a quantia que quiser, mínimo de dez dólares, depois passeia pelas diversas máquinas, cada uma contendo três tipos de vinho. Os tastings custam de um a cinco dólares, dependendo da qualidade do vinho. Eu testei três Cabernet Sauvignon da Califórnia e um Pinot Noir da Nova Zelândia. Bem legal!

só falamos de comida

sac_bloggers-08_9.jpg
sac_bloggers-08_1.jpgsac_bloggers-08_4.jpg
sac_bloggers-08_2.jpg
sac_bloggers-08_3d.jpgsac_bloggers-08_5.jpg
sac_bloggers-08_7.jpgsac_bloggers-08_6b.jpg
sac_bloggers-08_11.jpgsac_bloggers-08_13.jpg
sac_bloggers-08_14.jpgsac_bloggers-08_12.jpg
sac_bloggers-08_10.jpg

Dois anos depois daquele primeiro potluck dos food blogs de Sacramento organizado pelo querido Garrett, quando nos encontramos pela primeira vez, tivemos outro evento similar. Nesses dois anos, fizemos muita coisa bacana juntos, como a aula de egg whites em Berkeley, jantar no hidden kitchen, visitas à vinícolas orgânicas e uma experiência com chocolate tasting. Eu adoro fazer parte desse grupo de pessoas tão diferentes, com uma paixão em comum.

Desta vez o potluck foi organizado conjuntamente pela Elise e Garrett. Num domingo com um clima perfeito, nem quente nem frio, muitos blogueiros de Sacramento e região baixaram na casa da Elise para um almoço com bastante bate-papo. Cheguei lá com um panelão de bacalhoada e reencontrei conhecidos e amigos e conheci pessoas novas. Quando eu cheguei, os blogueiros já estavam fazendo o que todo blogueiro de culinária faz, fotografando as comidas. Eu fui correndo fazer o mesmo, afinal, não podia perder a oportunidade de registrar o evento. Mesmo assim não fotografei tudo, pois começamos a comer e alguns convivas chegaram mais tarde e naquela altura eu já tinha esquecido da câmera e me concentrado só na comilança.

Não vou poder listar todos que estavam lá, porque eu não consegui conversar com alguns. Mas adorei conhecer a Debby e sua filha Megan, que fazem o blog Everything on a Waffle. Elas trouxeram as batatinhas recheadas, uns palitos de chocolate ajeitados lindamente em latinhas e a Megan, que só tem doze anos, preparou uma sobremesa de cereja deliciosa! Também gostei de conhecer o Nick, que bloga daqui de Davis e escreve sobre peanut butter no Peanut Butter Boy. Ele trouxe uns bolinhos de carne que foram servidos com um molhinho de peanut butter, of course! Também adorei rever o Hank e conhecer a sua companheira Holly. Eles trouxeram três tipos de patos selvagens, umas linguiças de porco selvagem e carne defumada de antílope, tudo caçado por eles e preparado na churrasqueira pelo Hank. Eu só provei a linguiça, pois acho essas carnes um pouco fortes pro meu gosto. Mas quem comeu o pato e o antílope só elogiou. A Elise serviu uma strawberry rhubarb terrine que me fez pirar na batatinha. Acho que devorei uns cinco pratos, sem brincadeira! O Garrett arrasou Paris em chamas com o seu chipotle flourless chocolate cake. A Andrea trouxe uns aspargos com prosciutto que também fizeram sucesso. Adorei rever os amigos, conhecer gente nova e passar a tarde num convercê divertido. O quintal da Elise, deixa eu contar, é enorme e praticamente um pomar. Fizemos uma tour pelas árvores—maças, limão, laranjas, mexirica, grapefruit, kiwi, romã, figo, ameixas, amora, nozes, damasco, pêssego, nectarina— é uma coisa impressionante, tudo muito bem cuidado.

Todo mundo perguntou sobre o meu prato e eu expliquei detalhes e tals. Usei bacalhau canadense, mas as batatas e as cebolas eram orgânicas, os ovos da Felizberta, azeitonas gregas maravilhosas e foi tudo regado com muito azeite português. Uma das meninas do Sac Foodies deu uma garfada na bacalhoada e exclamou—essa era a comida que minha avó fazia! A avó dela é uma portuguesa da Ilha de Madeira emigrada na Califórnia. Estávamos em casa.

Whole Earth Festival

WEF_08_2.jpg
WEF_08_16.jpgWEF_08_31a.jpg
WEF_08_28.jpg
WEF_08_29.jpgWEF_08_20.jpg
WEF_08_18.jpgWEF_08_1.jpg
WEF_08_17.jpg
WEF_08_22.jpgWEF_08_26.jpg
WEF_08_11.jpg
WEF_08_9.jpgWEF_08_27.jpg
WEF_08_32.jpgWEF_08_8.jpg
WEF_08_23.jpg

O Whole Earth Festival é uma festança hiponga que acontece todo ano no campus da UC Davis durante o final de semana do dia das mães. E eu estou sempre lá porque acho tudo muito divertido. E já escrevi muito sobre esse evento, que considero um dos mais bacanas no calendário acadêmico. É uma festa imensa com quase ZERO de lixo. No ano passado, 97% de todo o lixo produzido pelo festival foi reciclado. Tudo funciona com energia solar. Para a comida há o eficientíssimo esquema de cobrar $1 por cada prato ou copo e $0.50 por cada talher, que quando é devolvido recebe o dinheiro de volta. Ninguém quer perder dinheiro, então praticamente não se produz lixo e todo restante de material orgânico vai pro composto da universidade. Toda a comida é vegetariana, há muita música ao vivo, todo tipo de manifestação política, religiosa e filosófica e aquele comérciozinho básico que não pode faltar, apesar do clima odara da festa. Em outros anos escrevi textos mais inspirados e simpáticos AQUIAQUI & AQUI. Outras fotinhos AQUI. Neste ano fui bem cedo e comi samosas com chutney, bebi limonada e eu e o Uriel dividimos um prato de stir fry de legumes e tofu com arroz integral, mais um knish, que é um bolo de batata, espinafre, cebola, alho e especiarias embrulado numa folha de massa finíssima e grelhado.

mais azeite da UC Davis

ucd_oliveoil_4s.jpg
ucd_oliveoil_1s.jpgucd_oliveoil_2s.jpg
ucd_oliveoil_5s.jpgucd_oliveoil_6s.jpg
ucd_oliveoil_7s.jpgucd_oliveoil_8s.jpg
ucd_oliveoil_9s.jpg
ucd_oliveoil_12s.jpg
ucd_oliveoil_10s.jpgucd_oliveoil_11s.jpg
ucd_oliveoil_14s.jpgucd_oliveoil_16s.jpg
ucd_oliveoil_15s.jpgucd_oliveoil_17s.jpg

No ano passado eu dormi de touca e perdi a primeira festa de lançamento do azeite da UC Davis. Meus amigos foram e me contaram. E eu então contei aqui que as oliveiras estão por toda parte, na cidade e no campus da Universidade da Califórnia em Davis. As árvores se enfileiram por ruas e campos. Na avenida paralela à minha rua há uma grupo delas, lindas, pomposas e ancestrais. Fiquei muito feliz quando a universidade tomou a iniciativa de colher as azeitonas das oliveiras do campus e transformá-las em azeite. No ano passado comprei meus vidros do néctar e este ano marquei no calendário o dia da festa do lançamento do azeite da UC Davis e marquei presença, na companhia da minha amiga Charlene. Chegamos um pouco tarde e ficamos tentando botar o papo em dia, então perdemos alguns dos inúmeros rangos que estavam sendo oferecidos. Compramos tokens para provar quatro tipos de vinhos, de algumas vinícolas e distribuidores locais, que estavam expondo seus produtos. Aqui na Califórnia, festa sem vinho não é festa! Provamos o azeite deste ano, que achamos um pouco apimentado demais para o nosso gosto. Outros produtores de azeite locais estavam expondo seus produtos e concluímos que a variedade das azeitonas aqui tem mesmo um toque ligeiramente amargo. Rodamos pela festa, comemos algumas coisinhas, bebemos dois tipos de vinho branco e dois tinto. O vinho que nós mais gostamos foi o Sauvignon Blanc Chasing Venus da wine company Crew. Um vinho neozelandês leve e delicado, com sabor e aroma bem intenso de grapefruit.

The Big Tomato

tomatoe_tomato_event_2s.jpg
tomatoe_tomato_event_8s.jpg
tomatoe_tomato_event_3s.jpgtomatoe_tomato_event_5s.jpg
tomatoe_tomato_event_ 21s.jpgtomatoe_tomato_event_ 13s.jpg
tomatoe_tomato_event_ 10s.jpgtomatoe_tomato_event_ 15s.jpg
tomatoe_tomato_event_ 12s.jpg
tomatoe_tomato_event_ 16s.jpgtomatoe_tomato_event_ 17s.jpg
tomatoe_tomato_event_ 20s.jpgtomatoe_tomato_event_ 19s.jpg

A Ashley tinha me dado um toque, que haveria um evento do tomate aqui em Davis, mas ela não sabia onde, era pra eu ficar de olho. Eu fiquei interessada, mas esqueci de ficar de olho, pois fui carregada na avalanche dos zilhões de acontecimentos da semana e nem lembrei de pensar no tomate.

Mas como se diz por aí, se Maomé não vai até a montanha… O evento do tomate simplesmente apareceu na minha frente, enquanto eu fazia a minha caminhada semanal do sábado pela manhã no Farmers Market. O tal evento do tomate estava bem ali, no meio do gramado do parque. E parecia animado, lotado de gente. Fui lá checar.

O evento, batizado de Big Tomato, foi uma iniciativa do Yolo County Agricultural para promover uma conexão entre a população e a produção número um do nosso condado de Yolo, o tomate. A UC Davis desenvolveu pôsteres com informação sobre a cultura do tomate, e havia distribuição de livretos de receitas e mudinhas de plantas de tomate—eu peguei uma, que vai ficar num vaso, dentro de casa, até meio de abril, quando já vai estar quente o suficiente para plantá-lo na horta. Mas o que estava fazendo sucesso com o público eram os inúmeros restaurantes, entre os melhores da região, oferecendo amostras de comidas preparadas com o ingrediente astro. Eu não provei nenhuma, porque não curto muito essa coisa de pegar amostra de comida em lugares públicos, mas a paella de inverno do Tuco’s, um dos meus restaurantes favoritos aqui em Davis, estava muito bonita e chamativa. Encontrei alguns conhecidos lá, entre eles uma escocesa com quem trabalhei na International House e ela estava animadíssima, provando todas as coisas deliciosas e lambendo os beiços.

um encontro com Michael Pollan II

pollan_conversation_3s.jpg
pollan_conversation_1s.jpgpollan_conversation_2s.jpg
pollan_conversation_4s.jpg
pollan_conversation_6s.jpgpollan_conversation_10s.jpg
pollan_conversation_8s.jpg
pollan_conversation_9s.jpgpollan_conversation_12s.jpg
pollan_conversation_14s.jpg

um encontro com Michael Pollan I

Michael Pollan está em casa em Berkeley. Antes do inicio do evento, enquanto as pessoas se acomodavam nas cadeiras do auditório lotado do Wheeler Hall, no centro do campus da Universidade da Califórnia, ele conversava com alunos, colegas e fãs. Descontraído e simpático, Pollan subiu ao palco sem delongas e fricotes de celebridade, para ser entrevistado por Cynthia Gorney, sua colega no Graduate School of Journalism.

A professora Gorney começou a entrevista contando que jantou com Pollan no Café Rouge em Berkeley e que podia afirmar que ele é um sujeito normal, que come com garfo, faca, usa guardanapo e se vira muito bem com copos de vinho. Na sequência Gorney perguntou o que toda a platéia gostaria de saber—Michael, o que você comeu no jantar? Ele descreveu um menu bem simples, preparado na cozinha da sua casa em Berkeley: macarrão integral com atum em lata, azeitonas e limão. Claro que o atum é o de melhor qualidade, cuja pesca não põe os golfinhos em risco e tudo o mais era orgânico e local.

Pollan fez um apanhado geral do seu novo livro In Defense of Food: An Eater's Manifesto, comentando também o best-seller O Dilema do Onívoro. Foi uma conversa agradável, divertida e instrutiva, entre Pollan, Gorney e o público, que participou com perguntas por escrito. Polan falou sobre muitas coisas, muitos tópicos importantes, recebeu aplausos com alguns dos seus comentários e o tempo todo se via muitas cabeças, inclusive a minha e a da minha amiga Eliana, se movimentando em concordância à tudo o que ele falava.

Pollan conta que muita gente chega até ele confessando que não está conseguindo avançar na leitura do O Dilema do Onívoro por puro temor do que virá pela frente. Os leitores assustados dizem que têm medo de chegar ao final do livro não conseguindo comer mais absolutamente nada. Mas Pollan afirma que quando o público sabe de onde vem a sua comida, ele consegue tomar decisões mais acertadas sobre a sua dieta. Segundo Pollan a indústria dos alimentos necessita de um sistema com transparência máxima. Se as paredes dos matatouros fossem de vidro e qualquer pessoa pudesse observar como os animais são abatidos nesses lugares, muita coisa iria mudar e essa seria a melhor maneira de fazer uma limpeza geral em todos os níveis do esquema industrial de processar alimentos.

Para Pollan, está tudo errado com a maneira como nós nos alimentamos. No In Defense of Food, Pollan detona sem pena as milhares de pesquisas nutricionais que, como num samba do crioulo doido, ditam modas, impõem diretrizes, mudam dietas e crucificam ou endeusam certos alimentos, fazendo de todos nós escravos da comida, que acaba sendo consumida por causas dos seus beneficios nutricionais e não por motivos mais singelos, como sabor e prazer. Para Pollan, o resultado dessa confusão toda é que a indústria dos alimentos está produzindo pacientes para a indústria de saúde [ou de doenças, se você preferir].

A solucão para essa enrascada onde nos enfiamos, transformando o ato de comer numa atividade puramente mecânica e carregada de pressa, estresse e culpa, é simplesmente voltarmos a fazer como fazíamos antes, e isto quer dizer apenas voltar a cozinhar com ingredientes de verdade, não produtos processados. Pollan recomenda se que gaste mais dinheiro e mais tempo comprando e preparando nosso alimento. O custo da comida barata é mais gasto com a saúde, ele afirma. Gasta-se um pouco mais com produtos de melhor qualidade, compra-se e come-se menos, porque ninguém precisa comer carne todos os dias, beber litros e litros de leite e se entupir de toneladas de comida em todas as refeições.

Para quem argumenta que vivemos numa sociedade corrida, que todos trabalham, que ninguém pode perder horas do dia labutando na cozinha, Pollan responde: você arruma tempo para fazer as coisas que valoriza. Há tempo de sobra para assistir tevê, jogar golfe ou navegar na internet, por que não há tempo suficiente para se preparar uma refeição simples e honesta, com ingredientes frescos e saudáveis?

Pollan recomenda que se invista numa cesta orgânica [as CSA que ele diz adorar!], comprar local nos Farmers Markets e fazer sua própria horta. Ele também diz que se der saudades de porcarias a regra é: pode-se comer toda a junk food que se quiser, desde que se faça a sua própria. Se você tiver que fazer batata-frita em casa, quantas vezes por ano vai comer essa delícia? Muitos aplausos!

Pollan é um homem alto, com os pés mais gigantescos que eu já vi na minha vida e com um sorriso espontâneo e largo. Me pareceu mais velho pessoalmente do que eu havia imaginado. Mas a simpatia é visível e contagiante. Logo depois da palestra ele foi para o hall de entrada do teatro autografar livros. Ouviu, conversou e interagiu com cada um dos seus fãs. Eu esqueci de levar meus livros, mas minha amiga Eliana levou o dela e ganhou um autógrafo sugestivo—eat good! Nós comentamos que ele não parece ter sido contagiado com a celebridade que alcançou. E com certeza não será, porque apesar dele estar desempenhando esse importante papel de guia, ele dá a impressão de estar caminhando ao nosso lado e não na nossa frente e isso é funciona como um incentivo fora do comum.

Alguns mandamentos de Michael Pollan
.Não coma nada que a sua avó não consiga reconhecer como comida.
.Evite comidas que contenham ingredientes que você não consiga pronunciar.
.Evite comer qualquer coisa que não apodreça.*
.Evite produtos que prometem benefícios para a sua saúde.
.Compre produtos nas áreas periféricas do supermercado—os perecíveis.
.Melhor ainda, não compre em supermercados, mas sim nos Farmers Markets, ou assine uma CSA.

*Pollan carrega pra cima e pra baixo há anos, um pacotinho com dois bolinhos industrializados, para provar que os trequinhos continuam perfeitos, fofinhos e sem nenhum bolor ou descoloração, mesmo com o passar dos anos——e-ca!

o pudim & o Oscar

pudim_pao_versao11_s.jpg

Eu assisto à cerimônia do Oscar há muitos anos. Lembro de estar deitada num sofá antigão que tinha na primeira casa que meus pais moraram em Campinas e assistindo ao Oscar, sozinha no escuro. Lembro dos prêmios que Um Estranho no Ninho recebeu. E do Keith Carradine cantando I'm Easy sozinho com um violão no palco. A música concorria por Nashville e ganhou o Oscar de melhor canção do ano. Eu era uma adolescente tímida e magricela e o Oscar era uma coisa super especial pra mim. Era gostoso aquele ritual de ficar acordada até de madrugada. Achava super estranho eu estar de pijama às 11:30pm e os artistas estarem entrando na festa sob a luz do sol. Na minha infantilidade eu imaginava que eles ficavam um tempão pra entrar e outro tempão esperando lá dentro. Agora que estou no mesmo fuso horário da festa, ela começa às 5:30pm pra mim.

Hoje o que eu mais curto durante o Oscar é ficar batendo papo pelo computador com o Moa. Eu aqui empacotada bebendo chá, ele lá de shorts, suando e devorando um pote de sorvete de açaí. Eu aqui pensando no jantar, ele lá pensando na cama, porque no Rio de Janeiro já é madrugada. Nos fofocamos sobre tudo, fazemos comentários durante os discursos chatos e nas propagandas, damos risadas reais e virtuais, nos emocionamos, concordamos e discordamos, torcemos pelos nossos favoritos, tudo ao mesmo tempo, ao vivo na tevê e no nosso chat particular.

Eu não faço comida especial pra noite do Oscar. Meu dia acaba cedo, pois eu sento pra ver o red carpet e só saio da frente da tevê quand o host da festa diz boa noite. Quanto muito rola um snack improvisado. Na maratona deste domingo eu sobrevivi com uma porção do pudim de pão da infância da Judith Jones, que refiz, desta vez usando cerejas secas no lugar das passas douradas. Também bebi chá de genbibre com limão e lá pelas 8pm o Uriel me trouxe uma banana. Eu não quero saber de comer durante o Oscar. Só quero prestar atenção nas roupetas, nas piadas, nos comentários, nas caras e bocas, criticar e elogiar, dar risada e chorar, e teclar com o Moa. Comer é uma atividade que nunca fez parte do show pra mim e que sempre ficou pra depois.

no caldeirão da bruxa

caldeiraodabruxaa.jpg

Para retribuir a deliciosa macarronada que ele fez para nós, eu prometi fazer uma feijoada. Demorou um pouco, porque ele viajou, outros amigos viajaram, mas finalmente arranjamos a data. Feijoada é um prato que todo mundo curte e é relativamente fácil de fazer. Só precisa ter um pouco de organização e amigos gentis que se ofereçam pra ajudar com os detalhes e cortar e picar. A preparação é que consome tempo. Coloquei o feijão de molho dois dias antes. Coloco de molho na panela de ferro grossa, onde ele vai cozinhar. No dia seguinte cozinho. Depois tempero com um refogado de alho, que eu fritei junto com bacon. Eu usei um bacon bem magro, que quase não soltou óleo. Depois juntei o feijão cozido, sal, pimenta, folhas de louro e as carnes cortadinhas—carne seca, paio, lingüiça calabresa, umas mini salsichas defumadas e ham hocks. Dai cozinha, cozinha, cozinha, cozinha, até o caldo ficar bem grosso. Os acompanhamentos foram arroz branco [basmati], farofa de farinha de mandioca [frita com cebola, manteiga e banana], couve [collard greens] refogada no azeite e alho, um molhinho vinagrete e fatias de laranja. Caipirinha, cerveja e vinho pra acompanhar. Em pleno inverno, a feijoada é uma comida extremamente reconfortante.

mesa_feijoada3.jpg
mesa_feijoada.jpgmesa_feijoada2.jpg

The Hidden Kitchen

hiddenkitchen2.jpghiddenkitchen3.jpg
hiddenkitchen4.jpghiddenkitchen5.jpg
hiddenkitchen6.jpghiddenkitchen7.jpg

A Elise organizou a nossa visita ao The Hidden Kitchen comandados pelo casal Dennis e Mary Kercher. Eu estava muito entusiasmada para participar desse evento, que agrupou doze foodies, entre food bloggers, criticos e profissionais da gastronomia. Eu disse doze, mas minha irritante modéstia insiste em baixar esse número para onze. Não consigo ainda me considerar uma foodie e quando estou com o grupo de Sacramento, que queira ou não eu faço parte pois moro aqui e mantenho um blog, sempre fico me sentindo a prima estrangeira que chegou ontem do Cafundoquistão.

Me esforcei à beça pra chegar no horário marcado e não confirmar aquele boato absurdo e falso divulgado à torto e à direito por bocas de matildes de que brasileiro chega sempre atrasado. Estacionei meu carro na frente da charmosa casa num bairro tradicional de Sacramento, daqueles com casinhas de filmes antigos e ruas e quintais completamente tomados por árvores ancestrais. Fui recepcionada alegremente pelo casal que cozinha e recebe os amigos para um jantar caprichado. Conheci a cozinha toda equipada do Dennis e da Mary, a simpática cachorrinha Baci e recebi uma taça com um refrescante espumante rosado. Nós ficamos no pateo da casa, com um jardim lindo ao fundo e todo decorado com velas. Conversamos muito durante o jantar. É muito difícil o papo ficar chato num um grupo de doze pessoas com o mesmo interesse. Nem preciso dizer que o tema de todas as conversar da noite foi apenas um: COMIDA.

O Dennis e a Mary serviam os pratos e explicavam os detalhes. Estava tudo muito gostoso e a atmosfera estava divina. Nós levamos o vinho, que foi dividido entre todos. O vinho que abriu o jantar foi o português tinto que eu levei e que todos gostaram. Eu bebi muito moderadamente, pois sabia que teria que dirigir de volta para Davis. Mesmo assim não deixei de beber um vinho de uma vinícola biodinâmica, que estava extremamente saboroso. Durante o jantar a Elise jogava na mesa perguntas como qual a sua lembrança mais antiga de comida ou qual a iguaria mais estranha que você adora comer, mas tem vergonha de confessar. Eu, que detesto esses tipos de joguinhos grupais e tenho horror de falar para uma aglomeração de mais de três pessoas, fico um pouco tensa. Prefiro a relaxada conversa tête-à-tête com os convivas sentados ao meu lado ou na minha frente, mas mesmo essa parte não muito divertida do jantar pra mim acabou sendo interessante, pois cada um falou da sua experiência e eu falei da minha também.

Eu gostei de quase tudo que foi servido. Até o atum semi-cru, que eu temia, estava bem gostoso, pois a porção estava micro. Só não consegui comer o ratatouille, porque ele tinha um molho e uma textura que me deu um engasgo e foi servido bem na hora que todos falavam das coisas horrorendas que não conseguem comer. Eu ouvia as declarações mais bizarras e pensava em mais coisas bizarras ao mesmo tempo que visualizava o carneiro ensanguentado nos pratos de absolutamente todos os convivas—menos no meu, pois eu implorei por bem passado. Com tudo isso rolando, o ratatouille simplesmente me deu um bleargh, mas foi a única coisa.

*seared ahi sliders with sweet potato frites and mango ketchup
os canapés de ahi tuna estavam muito gostosos, porque vieram numa porção pequena. a batata-doce estava deliciosa, nem precisou do ketchup de manga.

*gorgonzola grape galette with watercress & arugula
a salada de rúcula e agrião foi temperada com meyer lemon da árvore do jardim. estava perfeita! e da maravilhosa galette não sobrou uma farofa.

*gnocchi verdi with garden fresh pesto genovese
o gnocchi foi feito com espinafre e ricotta, sem batata. estava levíssimo. comentei com a crítica de gastronomia que esse prato deu de mil no muito semelhante que eu comi num dos restaurantes italianos mais famosos e caros daqui da região e que foi uma decepção, pesado e oleoso. o do Dennis estava perfeito, com o pesto clássico feito com manjericão da horta dele.

*rosemary rack of lamb, ratatouille ala grille, corn cakes
carneiro é aquela coisa: ou você gosta, ou você não gosta. eu acho uma carne difícil, que nem sempre fica boa, eu acho muito forte e pesada. mas gostei dessa preparada pelo Dennis com alho, alecrim, confit de limão e grelhada na churrasqueira. os bolinhos de milho estavam uma delicia e o Dennis confessou que usou um pouco de gordura de pato na massa. veio acompanhado de um dos mais delicados tapenades que eu já provei.

*grappa brown sugar panna cotta with grape gelée
muito difícil uma panna cotta ficar ruim. essa, não quebrou a regra. a geléia de fruta que acompanhou o creme me lembrou alguma coisa da minha infância.

No final fomos servidos de café e licores feitos em casa—limão, morango e café. Eu já tinha provado o de limão na casa da Elise e escolhi o de morango. A essa altura eu já estava horrivelmente exausta, não só pelo dia atrapalhadíssimo que eu tive, que se iniciou cedíssimo e que teve despedidas de amigos no aeroporto, mas também pela comilança toda. Cheguei em casa tarde da noite e ainda trouxe comigo apple butter feita pela Elise e mais favas de baunilhas que o Garrett colocou furtivamente na minha bolsa. Foi uma noite memorável, com um grupo muito bacana e uma comida excepcional.

pasta? sim, pasta!

Morar numa cidade universitária me traz grandes vantagens, como poder conhecer muita gente legal de vários cantos do mundo que vêm aqui para estudar ou trabalhar. Mas por outro lado tem a desvantagem que é ter que, de vez em quando, superar a melancolia que acompanha as despedidas. Chegou a hora de dizer good bye para uma amiga muito querida, que vai fazer muita falta no meu círculo de relacionamentos. Como todos os nossos rituais de despedida incluem comida, quis fazer um almoço para ela. Eu já tinha combinado com um amigo italiano que adora cozinhar, que iríamos fazer uma macarronada. Eu estava muito curiosa para observar as técnicas dele no preparo da massa e do molho. Colocamos os nossos planos em prática.

Usamos ovos fresquíssimos, farinha de trigo orgânica, semolina e toneladas de tomates orgânicos maduríssimos. Cozinhei os tomates um dia antes e passei pela peneira para obter alguns litros de purê. No dia seguinte começamos a função cedo. Eu e a Charlene trabalhamos duro como assistentes dedicadas do comandante da cozinha, o chef Luigi. Fizemos macarrão e três tipos de molho para dezoito comensais. Aprendi muita coisa legal com esse romano, que é do nosso time de apreciadores da comida simples, feita com capricho e com ingredientes da melhor qualidade. Ele fez o macarrão bem grosso. Passou a massa umas dez vezes pela expressura um, e depois cortou em tiras de fettucini. Nunca tinha comido o macarrão grosso assim e achei muito bom. Os molhos foram feitos de uma maneira incrívelmente simples. Eu perguntava pra ele—vai pôr isso? vai pôr aquilo? E a resposta era sempre—não, o molho de tomate italiano é muito simples. Perguntei sobre o majericão e fui aconselhada a adicionar no final do cozimento do molho, mas aconteceu que na correria das arrumações de mesa e detalhes finais das preparações, o manjericão não entrou na dança. E pra falar a verdade, nem fez falta.

Ficamos conversando em volta da mesa até as seis da tarde. Só não ficamos mais tempo porque era domingo e a segunda-feira nos aguardava impaciente e exacerbada. Foi um almoço delicioso, tanto pela comida e bebida, quanto pela companhia. Uma despedida à altura da nossa convidada especial, a amiga que vai deixar saudade.

pasta_luigi4.jpgpasta_luigi5.jpg
pasta_luigi7.jpgpasta_luigi9.jpg

** fotos extras AQUI

Molho ao Sugo
Refogar duas cenouras cortadas em cubos e uma cebola picadinha num pouquinho de óleo vegetal. Pode pôr um pingo de azeite. Uma coisa que eu sempre soube sobre cebola e alho é que quando se usa a cebola, não se usa o alho e vice-versa. O Luigi só reafirmou esse ponto. Quando a cenoura estiver molinha, vai acrescentando o purê de tomate, que eu fiz fresco, usando quilos de tomates. Mas o Luigi deu a dica de misturar metade de purê de tomates frescos com metade de tomates em lata. Refogar essa mistura até o molho reduzir em 1/3 e ficar bem grosso. Acrescentar um pouco de sal grosso. Pode pôr manjericão no final, mas nós esquecemos de colocar e ninguém reparou. No final, eu acrescentei um tomate grande inteiro, picado. Segundo o Luigi, a casca do tomate dá um sabor especial ao molho. Esse molho é daqueles que não pode ser desperdiçado e exige fartura de pedaços de pão, para limpar os pratos e as panelas.

Molho de Tomate com Aliche
Nessa versão do molho de tomate, faz tudo igual ao molho ao sugo e acrescenta-se filés de aliche/achovas durante o cozimento. Como eu não tinha mais nenhuma latinha de aliche, usei uma pasta de aliche que eu às vezes uso para pôr em molho de saladas. Esse molho foi o meu favorito!

Molho de Manteiga com Sálvia
Esse molho é ridiculamente fácil. Derreta a melhor manteiga que você puder comprar numa frigideira e coloque folhas de sálvia fresca. Deixe pegar o gosto. Desligue o fogo rápido, pra manteiga não queimar. Ela deve ficar clara. Não precisa sal, pimenta, nada.

Crawdad Festival

crawdad25.jpgcrawdad24.jpg
crawdad20.jpgcrawdad19.jpg
crawdad16.jpgcrawdad11.jpg
crawdad15.jpgcrawdad14.jpg
crawdad4.jpgcrawdad5.jpg

Fazia muitos anos que nós não íamos à um desses festivais muito comuns por aqui—do morango, do alho, da alcachofra, do jazz, da corrida do ouro, eteceterá. Motivados pelo post da Ann do Sacatomato, resolvemos nos aventurar no festival do Crawdad, um tipo de lagostin de rio, numa minúscula cidade chamada Isleton. Desorganizados e desprevenidos, fomos sem pensar em nada. Fiquei animada com a possíbilidade de ouvir música cajun a zydeco, que eu realmente gosto.

Chegamos na pequena cidade ribeirinha e já percebemos que não somos os únicos seres desorganizados do mundo, certamente há gente pior. A festança estava armada, mas a infra-estrutura deixou deveras a desejar. Primeiro foi um parto estacionar—achar onde se podia pagar pra estacionar, já que não havia a menor sinalização além dos ameaçadores no parking - tow away zone. Entramos na festa e nos misturamos a um mundaréu de gente. Embora não estivesse terrivelmente quente, não havia uma parca sombra e tivemos que comprar chapéus, pois o sol rachava inclemente as nossas cacholas. Fila pra tudo, nenhum lugar pra sentar e comer decentemente a comida de festival, que era aquela abundância de coisas pesadas e oleosas. Não quisemos arriscar comer os crawdads, porque teríamos que abrir com as mãos e chupar a carnita dos bichos ali em pé no meio da multidão. Lembrei de um filme chamado No Mercy onde a Kim Basinger e o Richard Gere fogem para um pântano em New Orleans e comem os lagostins, a única comida que puderam arrumar no esconderijo à beira do rio. Bom, se você viu o filme, sabe porque uma pessoa minimamente civilizada não pode comer um balde dessas mini-lagostas sentada no chão de uma rua entulhada de gente. Escolhemos comer um peixe frito [catfish] com batata, que estava lotada de alho. O horrore dos horrores!

A festa estava boa para quem estava lá para encher a cara e dançar. E gente enchendo a cara era o que não faltava. Muitos bikers e rock 'n' rollers, muitas famílias barulhentas, muita gente esbaforida, mal educada e estranha. Pra nós valeu ter ouvido um pouco da música da Louisiana, mas a hora de ir embora chegou rápido, e fomos!

Duas palavras sumarizam o tal festival: muvuca e farofa.
Uma única conclusão final: maior furada!

* todas as fotos do colorido evento AQUI. A volta para casa, no relato impagagável de como o casal barata-tonta foi parar em Nowhereland guiados pelo GPS do carro, AQUI.

uncanny

uncanny1.jpguncanny2.jpg
uncanny3.jpguncanny4.jpg
uncanny5.jpguncanny6.jpg
uncanny7.jpguncanny8.jpg
uncanny9.jpguncanny10.jpg
uncanny16.jpg<uncanny15.jpg
uncanny13.jpguncanny17.jpg
uncanny11.jpguncanny12.jpg

Imaginem o primeiro Burning Man. Ou um micro-burning man. Poderia ser o evento Uncanny, organizado por estudantes do colégio de Design e Technoculture da UC Davis. Numa fazenda e vinícola orgânica próxima de Davis, o evento incluiu um pouco de tudo—performances de arte, dança, música, instalações esdrúxulas, comida orgânica, e atraiu um público bem eclético. Eu fui com os meus amigos Heloisa e Michael e prestigiamos o show de outros amigos, David e Scarlet, que tocaram e cantaram bacanérricamente. Ficamos até às nove da noite, quando o pessoal realmente começou a chegar em peso. Enquanto nós saíamos, muitos carros e pessoas em bicicletas chegavam. A entrada era uma doação e o bilhete era uma casca de noz amarrada num barbante. Felizmente eu fui de botas, porque o lugar—no meio de uma clareira, era um poeirão só!

the zero-waste festival

recyclehere.jpg

Kombis coloridas, ônibus psicodélicos, centenas de cabeleiras rastafaris e camisetas tie dye do Grateful Dead vão invadir a cidade neste final de semana para o Whole Earth Festival, que acontece no campus da UC Davis. Todo ano quando chega a maio, o dia das mães e consequentemente o festival, eu me lembro de uma bofete que falou do alto da sua empáfia que não ia, nem levava a família nessa festa porque ela era cheia de gente que fumava ma-co-nhaa! Ha Ha Ha! Minha Santa Perequeta, nos salve desses boçais! Apesar de não ser uma, eu tenho uma alma hiponga e curto esse festival, que começou em 1969, cresceu e desenvolveu com muitas propostas bacanas. Uma delas é o zero-waste. Uma festa com milhares de pessoas que produz pouquissimo lixo é possível e foi comprovado. Tudo é reciclável e reciclado. Para as barracas de comida—que são cem por cento vegetarianas, não há quase lixo, pois os comensais "alugam" os pratos, copos e talheres, e recebem o dinheiro de volta no retorno. Tudo é lavado e esterilizado numa lavadora industrial. Além da comida veggie simplesmente deliciosa, o festival tem mil outras coisas bacanas—música ao vivo, palestras, filmes, dança, workshops esotéricos, artesanato bonito. Movida a energia solar, a festa demanda uma penca de voluntários, que trabalham os três dias e recebem o charmoso título de Karma Patrol. Eu vou estar lá, provávelmente dançando no show principal de sexta à noite e encaroçando alegremente na tarde de sábado. Eu adoro essa festa e vou todo ano, desejando sempre que a alegria contagiante inunde as almas dos caretas!

all about egg whites

Foi tudo ótimo! Dirigir até Berkeley papeando com Elise e Garrett, conhecer a Shuna, e aprender coisas incríveis sobre ovos, que vou com certeza aplicar no meu dia-a-dia. Passamos uma tarde agradável no restaurante Poulet, ouvindo a pastry chef falar com tanto conhecimento, e fazendo na nossa frente algumas sobremesas simplesmente dos céus. Shuna Lydon é uma mulher pequena e magrinha, mas cheia de firmeza e personalidade. Perto dela me senti uma ervilha, tal a grandeza do seu talento e sabedoria. Eu absorvia tudo o que ela falava como se fosse uma esponja. Rimos e conversamos muito, no final quando saímos da cozinha e sentamos nas mesinhas do restaurante para saborear as delícias inenarráveis feitas pela chef durante a aula, conversamos muito sobre comida e principalmente sobre blogs.

shuna1.JPGshuna3.JPGshuna9.JPG
shuna11.JPGshuna13.JPGshuna20.JPG

Tem um aspecto muito interessante na a minha participação no grupo de food bloggers americano. Eu não escrevo em inglês por razões que desfio sempre que encontro com alguém pela primeira vez: eu não tenho tempo pra escrever uma versão do blog em inglês; e acho que escrever em inglês vai me transformar em simplesmente mais um blog, pois acho muito difícil traduzir com exatidão a minha personalidade na escrita do português, vou perder um pouco do meu estilo, vou ficar pasteurizada, porque definitivamente meu chucrute não é sauerkraut! Mas o mais incrível disso tudo é que quando eu digo isso, os food bloggers que escrevem em inglês concordam comigo e apoiam essa minha decisão, o que não os impede de me considerar parte do grupo e de me incluir nos encontros e eventos. Me sinto super a vontade com eles, mesmo sabendo que a maioria nem consegue me ler. Pra mim isso é no mínimo, o máximo!

* menu da aula: floating islands e pavlovas leves como plumas servidas com um bolo finíssimo de baunilha, chantily sem açúcar e molho de framboesas orgânicas. a chef também fez um marshmallow maravilhoso, que derretia na boca e tinha o perfume e o sabor adocicado do néctar de agave, que ela usou no lugar do corn syrup. divino! fiquei sem palavras...

** mais fotos AQUI.

Pizza Party

pizzabeto1.JPGpizzabeto2.JPG
pizzabeto3.JPGpizzabeto4.JPG

Participamos de uma pizza party na casa do meu cunhado Beto, irmão do Uriel. O Gabriel fez a massa da pizza e trabalhou a noite inteira como pizzaiolo. Foram feitas umas doze pizzas e todas ficaram ótimas. Teve até uma pizza sobremesa de banana, mas essa eu não comi - tudo tem limites! O Gabriel seguiu a receita da massa já definida no esquema organizacional da pizza do Beto. Minha cunhada fez o molho da maneira mais simples e surpreendentemente gostosa. Claro que o segredo de tudo é o forno à lenha. Já estamos bolando um jeito de fazer um forno semelhante lá em Davis!

Massa da pizza
6 colheres de sopa de óleo
1 tablete [15gr] de fermento biológico Fleischman
2 colheres de sopa de sal - acho que pode usar menos, achei a massa um pouco salgada
1 colher de sopa de açúcar
2 copos de requeijão de água

Misturar a água com o fermento, acrescentar o óleo, sal, açucar e ir colocando farinha até dar o ponto. Sovar bem, deixar descansar e abrir a massa em discos. Essa receita dá para mais ou menos 6 discos de pizza.

Molho da pizza
Bater no liquidificador tomates sem sementes, folhas de manjericão, alho, cebola, sal e azeite. Usar. Fiquei chocada com essa receita de molho. Primeiro porque vai cebola e não vai orégano. Segundo porque não cozinha. Mas fica ótimo, eu aprovei!

the best cupcake, and a wonderful party!

garrettsearlgreycupcake.JPG
A receita do delicioso Earl Grey & Murcott Cupcakes do Garret.

Nem preciso dizer que fiquei desde ontem em função do potluck dos food bloggers de Sacramento organizado pelo Garrett. Corri para o supermercado atrás do bacalhau. Só achei uma caixinha de meio quilo, o que agora eu acho que até teria dado para todo mundo ter um taste da receita de Bacalhoada a Gomes de Sá. Mas a exagerilda não ficou convencida que daria e comprou então uma tonelada de salmão selvagem, e decidiu preparar a tal Moqueca da Paula que sempre agrada gringos e troianos. Comprado o salmão, nem preciso dizer que sonhei com panelas e que acordei cedo e passei a manhã voando com a capa da wonder woman, fazendo mil coisas como uma enlouquecida. Fui até ao Farmers Market no último minuto, porque na minha opinião de excessivilda acho que nunca tenho ingredientes suficientes, fico sempre encucada que não vai dar para todos, essas coisas de gente obcecada. Fiz um panelão de moqueca e outro de arroz, ainda levei limões, vinho e um liquidificador pro Garrett, pois ele disse que não tinha um. Uns minutos antes de sair de casa me deu um pequeno pânico, pois na verdade eu não conhecia ninguém, só o Garrett e o Brendon, mas também só conhecia de ler os blogs. Daí fico com aquela paura nerviosa de não conseguir me enturmar, de só falar besteira, de ficar purfa dos assuntos, das pessoas não irem com a minha cara, de me sentir um peixão fora d'água, de tropeçar bem na entrada e derrubar o panelão de moqueca no carpete, ou de salgar muito, ou de esquecer de por sal, ou de ninguém comer minha comida, ou de alguém achar um cabelão boiando no molho, ou da moqueca dar caganeira nos convivas, tudo isso, ou nada, deu pra dar uma abalada geral e até passar pela cabeça - por um segundo - de me fingir de morta e não ir. Mas fui, porque disse que iria e porque queria muito conhecer o Garrett, que eu acho um cara super legal e divertido.

Cheguei lá carregando os panelões, tentando não suar, nem descabelar, e fui tão bem recebida, conversei com quase todo mundo, falei pelos cotovelos, fiz mil perguntas, falei altão na frente de todo mundo - coisa raríssima de alguém me ver fazer calmamente, sem quase desmaiar de nervoso - falei do Chucrute com Salsicha, dei os ingredientes da moqueca, que todo mundo comeu e gostou. Eu também comi muito, e bebi um tantinho além do que devia, fui fotografada rindo com todos os meus dentões à mostra - forçada pela Elise, que é uma simpatia, muito diferente da figura séria que eu achava que ela era. Mike Dunne, o crítico de vinhos do jornal de Sacramento também estava no nosso potluck, e eu adorei a esposa dele com quem conversei muito, e a salada de agrião com pêra que eles levaram, que apesar deles avisarem que tinha alho, eu comi. Ouvi algumas histórias legais, como a da Madeline que escreve sobre a Rachel Ray, da Jennifer e seu Sacotomato e da fethiye e seu Yogurt Land. Acho que eu não peguei o nome de todo mundo, minhas fotos ficaram uma droga porque eu bebi e a bateria acabou antes da comilança começar - isso sempre acontece comigo! Acho que vamos ter um encontro desses duas vezes por ano, no outono e na primavera. Eu adorei participar desse, mesmo sendo o único blog numa lingua estrangeira, que quase ninguém lê, embora alguns desejem ler. Eu me desculpei e expliquei que sou lazy, sou teimosa, e só consigo chucrutar em português, I just can't help it!

um concurso de chili

Ontem tivemos duas festas para ir. Uma foi um Chili Cookoff with Bluegrass, na casa de um professor da UC Davis. Ele é o guitarrista da banda de bluegrass que tocou durante a festa. Mas o evento - além do encontro de amigos - era um concurso de chili. Os contestantes teriam que levar uma receita especial que seria provada e votada, a mais criativa, a mais saborosa, a mais apimentada! Haveriam prêmios. Nós ficamos para ouvir o bluegrass, que eu adoro. Provei dois dos chilis também. Eu não sou muito fanzoca dessa comida, mas conversei com o autor de uma das receitas e achei que ele foi muito inovador usando limão e laranja nos temperos. Perguntei se a receita era dele, e ele respondeu - que nada, eu sou um tipo de cozinheiro do Joy [of Cooking]. Ele usou uma receita básica do livro Joy of Cooking, e acrescentou o toque pessoal. Era um chili vegetariano. Hoje fui correndo procurar a receita!

chickentractor.JPG

A banda Chicken Tractor tocou no evento do chili. Essa foto é de uma outra festa, pois ontem eu não levei a minha câmera. Eles ainda têm um baixista e um bandolinista.

A receita básica de Chili con Carne do Joy of Cooking:

Derreta 2 ou 3 colheres de sopa de gordura de bacon ou manteiga. Acrescente 1/2 xícara de cebola picada e/ ou 1/2 dente de alho picado. Refogue. Adicione 1 quilo de carne moiída [vaca ou carneiro]. Refogue até a carne ficar cozida. Adicione 1 1/2 xícara de tomates em lata, 4 xícaras de feijão cozido - Kidney é o mais comum, mas qualquer feijão funciona - no cookoff de ontem, uma das receitas levava feijão branco, 3/4 colher de chá de sal, 1/2 folha de louro, 1 colher de chá de açücar, 1/4 xícara de vinho tinto sêco, 2 colheres de chá ou de sopa - conforme a resistência e o gosto - de pimenta em pó - chili powder - aqui também o céu é o limite, pois o chili powder pode [e deve] ser substituído por pimenta fresca, as jalapeños, por exemplo. Cubra e cozinhe por no mínimo uma hora. Quando mais cozinhar, mais grosso e saboroso o chili vai ficar. Pode preparar um dia antes. Servir com tortilas ou pão de milho, sour cream, queijo amarelo ralado, azeitonas pretas picadas, coentro, cebola picada.

Muitos contestantes trouxeram o seu chili na panela elétrica - slow cooker. Alguns tinham carne, outros eram vegetarianos - que que fez muito o meu gosto! O chili do rapaz que usou essa receita básica do Joy of Cooking não tinha carne e ele temperou com o suco e as raspas de uma laranja e um limão. Usou as jalapeño peppers. Ficou bem picante, mas com um sabor de cítricos acentuado que eu gostei muito!

salada com Dianne Reeves

saladaonoparque.jpg

Fiz uma saladona para levar no show da Dianne Reeves no Quad da UC Davis. Esse faz parte dos concertos de verão na universidade, onde além de ouvir música ao vivo, os atendentes podem picnicar. Hoje o show está imperdível, pois essa cantora de jazz é o fino da bossa. Já trabalhei num show dela no teatro da universidade, onde eu sou voluntária, e posso afirmar que ela é classuda! Quem viu o filme do George Clooney - Good Night, and Good Luck, viu e ouviu a Dianne. Ela é a que canta em várias cenas do filme.

Eu adoro montar saladas, porque dá pra usar a criatividade bem a vontade e as chances de errar são mínimas. Claro que tem que ter um pouquinho de bom senso e misturar somente ingredientes que vão combinar entre si e não ficar tentado a ir jogando na saladeira tudo o que tiver na geladeira.

Pra essa salada eu usei:

Uma lata de grão de bico
Um pimentão vermelho
Meia abobrinha amarela
Um punhado de tomates cereja
Uma cenoura pequena cortada em pedacinhos
Uma maçã em cubinhos
Um punhado de azeitonas kalamata
Um punhado de basilicão
Um pedaço de queijo Blue [queria mesmo era usar o Feta, mas como só tinha o Blue, foi o Blue mesmo!]

Temperei com o suco de um limão amarelo [e raspei a casca e joguei no tempero], uma colher de sopa de vinagre balsâmico branco, bastante azeite de oliva, sal grosso e uma pitadinha de pimenta do reino.




[VOLTAR]