legumes assados & cevada
com molho de misô e limão

legumes assados

Aportei nessa receita bem no dia em que chegou um ramo de couve de bruxelas na cesta orgânica. Resolvi fazer porque queria gastar as couvezinhas e porque gostei da ideia do molho de misô, mas nem no meu delírio mais otimista eu imaginaria a delicia que essa receita se tornaria. Tenho certeza que ela inspira muitas variações de legumes, além da couve de bruxelas, couve-flor e batata doce. Muitas ideias com um só molhinho. Como eu não tinha o misô branco comum, usei um orgânico feito de cevada. E acrescentei uma xícara de cevada cozida, que deixou o prato bem substancioso.

250gr de couves de Bruxelas cortadas ao meio
1 batata doce de tamanho médio, descascada e cortada em cubos
1 couve-flor cortada em floretes
1 colher de sopa de azeite
1/4 colher de chá de sal
2 colheres de sopa de suco de limão tahiti
1 e 1/2 colheres de chá de pasta de misô
2 colheres de óleo de nozes
Pimenta do reino moída na hora a gosto

Preaqueça o forno a 400°F/ 205ºC. Colocar os legumes em assadeiras separadas. Temperar com azeite e sal e leve ao forno, primeiro as batatas e a couve-flor e asse por 25 minutos. Coloque a couve de bruxelas um pouco depois e asse por 15 minutos. De uma mexida nos legumes para assar uniformemente.

Enquanto isso misture o suco de limão e a pasta de misô em uma tigela pequena até ficar um creme bem homogêneo. Lentamente vá adicionando o óleo de nozes e mexendo constantemente até o molho ficar completamente emulsificado.

Coloque os legumes assados em uma travessa grande, despeje o molho e misture bem. Tempere com pimenta do reino. Sirva quente ou em temperatura ambiente .

»no verão experimente esta receita com legumes grelhados—abobrinha, berinjela, em vez de assado. »para transformar esta receita em um prato mais substancioso, acrescente grãos cozidos como quinoa, arroz integral ou cevada, como eu fiz.

salada de grão de bico
[com cenoura & salsão]

salada-cenoura-grao.jpg

A receita número 32 na lista do Mark Bittman é super simples e leva um ingrediente pouco usado cru em saladas, o salsão. Aliás, são dois ingredientes, pois o coco fresco também não é tão assíduo em pratos salgados nas nossas cozinhas ocidentais. Pode-se usar o grão de bico de lata pra facilitar. Daí é só misturar o grão de bico, a cenoura ralada, o salsão fatiado bem fino, coco em tiras tostado na frigideira, temperar com curry em pó [eu usei o thai curry, que era o que tinha], sal, azeite extra-virgem , suco de limão tahiti e salpicar com folhas frescas de coentro. Muito delícia!

salada de aspargos & canjica
com molho de buttermilk

aspargos-canjica.jpg

Me interessei imediatamente por essa salada por causa da mistura diferente de ingredientes. O aspargo está onipresente neste momento. Tenho recebido um maço semanalmente na cesta orgânica, além do maço extra que acabo sempre comprando na no mercadinho da road 16. A canjica aqui se acha cozida e enlatada nos mercadinhos internacionais ou na seção de produtos mexicanos que tem em qualquer supermercado. Ela normalmente vem numa salmora, porque os mexicanos a usam para fazer sopas e ensopados. Achei que a adicão da canjica deixou essa salada bem diferente.

para o molho:
Um dente de alho
1 colher de chá de sal marinho
1 xícara de buttermilk
1/4 xícara de vinagre de vinho branco de boa qualidade
1/4 xícara de azeite extra virgem

para a salada:
1 maço de aspargos, aparados e cortados em pedaços
1 xicara de canjica cozida
1 punhado de coentro fresco picado [*usei endro/ dill]

Para fazer o molho misture o alho e sal em um pilão e amasse até formar uma pasta. Coloque essa pasta em uma tigela em seguida adicione o buttermilk e o vinagre. Misture então gradualmente o azeite. Deixe descansar enquanto você faz a salada.

Cozinhe os aspargos no vapor ou mergulhe todos por alguns minutos em água salgada fervendo. Não deixe cozinhar muito para que não fiquem muit moles. Escoe e reserve. Numa saladeira misture os aspargos, a canjica e o coentro [*usei o endro/dill] e tempere com o molho de buttermilk. Sirva em seguida.

hummus—a receita básica

hummus-ottolenghi.jpg

Eu faço hummus desde sei lá quando e sempre tive o costume de encher ele de azeite, porque sempre achei que esse era o jeito certo de fazer essa receita. E as receitas de hummus normalmente pedem azeite na lista de ingredientes. Então foi uma grande surpresa ler essa versão básica no livro Jerusalem do Ottolenghi e Tamimi, onde o ingrediente final é água gelada e não azeite. A consistência desse hummus é sedosa e o azeite você acrescenta depois por cima, na hora de servir, junto com ervinhas, sementinhas, ou cubinhos de carneiro refogado. Vou colocar a receita como está no livro, mas eu não fiz a parte de refogar os grãos com bicarbonato de sódio, apenas deixei de molho e cozinhei em bastante água, numa panela de barro, como eu sempre faço. Se alguém fizer esse procedimento, me conta o que achou de diferente.

1 e 1/4 xícaras de grão de bico secos
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
6 e 1/2 xícaras de água
1 xícara mais 2 colheres de sopa de pasta de tahine
4 colheres de sopa de suco de limão
4 dentes de alho amassados
6 e 1/2 colheres de sopa de água gelada frio
sal a gosto

Colocar o grão de bico em uma tigela grande, cubrir com água fria pelo menos duas vezes o seu volume e deixar de molho durante a noite.

No dia seguinte escorra o grão de bico. Coloque uma panela média em fogo alto e adicione o grão de bico escorrido e bicarbonato de sódio. Cozinhe por cerca de três minutos mexendo sempre. Adicione a água e deixe ferver. Cozinhe removendo a espuma que vai formar na superfície. Deixe cozinhando por 20 a 40 minutos. Quando os grãos estiverem macios, quebrando-se facilmente quando pressionado entre o polegar e o dedo, desligue o fogo

Escorra o grão de bico, que cozido deverá medir cerca de 3 e 2/3 xícaras. Coloque os grãos em um processador de alimentos e processe até obter uma pasta. Com a máquina funcionando, adicione a pasta de tahine, o suco de limão, o alho e 1 e 1/2 colheres de chá de sal. Lentamente vá acrescentando a água gelada e deixe processar por cerca de cinco minutos, até obter uma pasta bem leve e cremosa.

Transfira os hummus para uma tigela, cubra a superfície com filme plástico e deixe descansar por pelo menos 30 minutos. Se não usar de imediato, leve à geladeira e remova pelo menos 30 minutos antes de servir.

farro cremoso
com cogumelo & espinafre

farro-espinafre.jpgfarro-espinafre2.jpg

Esse foi um dos pratos que servi no jantar do Thanksgiving no final de novembro e não publiquei a receita porque viajei logo em seguida pro Brasil e não tive tempo de pensar em nada. Mas ficou tão gostoso que achei que ela precisava ser colocada aqui. A foto que tirei naquele dia na bancada de uma cozinha caótica, um segundo antes do prato ser levado à mesa, ficou uma porcaria, fora de foco e horrorilda. Então fiquei com a ideia de refazer a receita me apoquentando insistentemente por meses, na esperança de ter a oportunidade de fazer uma foto um pouco melhor. Nesta reprise usei somente os cogumelos crimini—os baby portabella. A foto nem saiu grandíssima coisa, mas ficou muito melhor do que a outra.

3 colheres de sopa de azeite
1 cebola picada
1 xícara de grãos de farro
1/4 xícara de vinho branco seco
3 xícaras de caldo de galinha
sal grosso
350 gr de uma mistura de cogumelos frescos
[*usei shitake, crimini, enoki]
Pimenta vermelha em flocos
1 maço de espinafre orgânico
1/4 xícara de queijo parmesão ralado

Numa panela média aqueça 1 colher de sopa de azeite em fogo médio. Adicione a cebola e cozinhe mexendo sempre até elas ficarem macias, cerca de 5 minutos. Adicione o farro mexendo até ele ficar tostado, por 1 minuto. Adicione o vinho e deixe reduzir pela metade. Adicione o caldo, deixe ferver e abaixe o fogo. Cozinhe mexendo ocasionalmente até os grãos ficarem macios e cremoso, de 35 a 40 minutos. Tempere com sal e mantenha tampado.

Enquanto isso aqueça o forno a 450ºF/ 232ºC. Tempere os cogumelos com as 2 colheres restantes de azeite, o sal e a pimenta-vermelha em flocos. Espalhe numa assadeira e leve o forno mexendo de vez até eles ficarem levemente dourados, por uns 20 minutos.

Mantenha o farro quente em fogo médio e adicione o espinafre, mexendo até as folhas murcharem completamente, cerca de 1 minuto. Acrescentar os cogumelos assados e o queijo parmesão. Sirva imediatamente.

farro-espinafre2.jpgfarro-espinafre2.jpg

pasta com grão de bico
[e azeite de alecrim]

pasta-graobico.jpg

E edição de fevereiro da revista Bon Appetit trouxe uma matéria com receitas tão bacanas de pasta, que me fez marcar quase todas. A primeira que escolhi fazer foi essa. Recomendo comer uma pratada dessa pasta fumegante usando uma colher!

1 cebola média picada
1 cenoura média, descascada e cortada em pedaços pequenos
1 talo de aipo cortado em pedaços
4 dentes de alho inteiros
2 dentes de alho picados
1/2 xícara de folhas de salsinha
1/4 colher de chá de pimenta vermelha em flocos
1/2 xícara de azeite
Sal kosher a gosto
2 colheres de sopa de extrato de tomate [*usei uma lata de tomate assado]
2 latas de grão de bico [ou 425 gr de grão de bico cozido]
400 gr de macarrãozinho ditalini
1 colher de sopa de alecrim fresco

No processador de alimentos pulse a cebola, o aipo, a cenoura, os alho inteiros, a salsa e a pimenta até ficar bem picadinho; transfira para uma tigela pequena e reserve.

Aqueça 1/4 da xícara do azeite em uma panela grande em fogo médio, adicionar a mistura de legumes reservado, temperar com sal e cozinhar, mexendo sempre até ficar dourado por uns 8-10 minutos. Numa tigela misture o extrato de tomate com 1 xícara de água [*eu usei apenas uma lata de tomate assado que já contém liquido]. Junte o tomate à mistura de refogado e cozinhe raspando bem os lados com uma espátula. Deixe ferver, reduza o fogo e deixe cozinhar até que o líquido tenha quase evaporado, por uns 5-8 minutos.

Adicione o grão de bico e 2 xícaras de água na panela e cozinhe por 15 minutos para que os sabores penetrem. Transfira 1 xícara de grão de bico da mistura para o processador de alimentos e bata até formar um purê. Misture esse purê de grão de bico de volta ao molho na panela.

Enquanto isso cozinhe o macarrão em uma panela grande de água fervente com bastante sal sal, mexendo ocasionalmente, até ficar al dente. Escorra a massa, reservando um pouco do líquido de cozimento.

Coloque a massa cozida no molho e se precisar acrescente um pouco sa água do cozimento da massa. Aumente o fogo para médio e continue mexendo até que tudo esteja bem encorporado.

Numa panela pequena aqueça a 1/4 de xícara restante de azeite em fogo médio-baixo, adicione o alho picado e o alecrim e deixe cozinhar por cerca de 1 minuto. Para servir, coloque a massa nos pratos e regue com uma colher do azeite de alecrim.

sopa de lentilha & abóbora
[com molho de nozes]

lentilha-nozes_1S.jpg

Encontrei a receita dessa sopa no jornalzinho mensal do meu Co-op e achei muito interessante a parte do molhinho de nozes. Acrescentei uns cubos de abóbora na sopa e usei sour cream no creme. Achamos super gostoso misturar o creme frio e com as nozes crocante na sopa quente.

2 xícaras de lentilhas
2 colheres de sopa de manteiga [ou azeite]
1 cebola picadinha
1 folha de louro
1 xícara de abóbora crua cortada em cubinhos
6 xícaras de caldo de legumes ou água
Sal marinho e pimenta do reino moída na hora a gosto
2 dentes de alho grandes [*omiti]
2/3 xícara de nozes levemente tostadas
1/2 xícara de creme fraiche ou creme de leite fresco [*usei o sour cream]
2 colheres de sopa de salsinha picada

Escorra e lave as lentilhas e deixe de molho em água por meia hora. Escorra. Derreta a manteiga em uma panela grande em fogo baixo. Adicione a cebola e a folha de louro. Refogue em fogo médio-alto até a cebola ficar translúcida, por uns 5 minutos. Junte os cubinhos de abóbora e refogue por mais uns minutos. Adicionar as lentilhas escorridas, o caldo ou água e uma colher de chá de sal. Deixar ferver, reduzir o fogo e cozinhar tampado até que as lentilhas estejam macias bem , aproximadamente 30 minutos. Tempere com sal e pimenta do reino moísa a gosto.

No mini-processador moer o alho com uma pitada de sal. Adicione as nozes e pulse algumas vezes. Adicione aos poucos o creme de leite até forma uma pasta. Junte a salsinha picada e misture. Na hora de servir coloque a sopa no prato e uma colher do creme de nozes por cima. Sirva imediatamente.

sopa de agrião
[com cenoura & grão-de-bico]

sopa-agriao_2S.jpg

Desculpem o meu disco quebrado, mas esta é mais uma receita saida do livro Jerusalem dos chefs Ottolenghi e Tamimi. O que mais me chamou a atenção nessa sopa foi a cor verde intensa. E a combinação incomum de ingredientes—agrião, cenoura, grão de bico, água de rosas e a mistura de temperos típica do norte da Africa chamada de Ras el Hanout.

Pedi para o meu filho comprar uma caixinha desse tempero, porque eu não tinha mais e recomendei que ele fosse ao mercadinho internacional de propriedade de uns indianos que fica na 8th street em Davis. Lá o moço que o atendeu disse que ele não vendia e nem tinha como explicar aquilo, mas Ras el hanout não era UMA especiaria e sim uma mistura feita pelo próprio vendedor, algo assim como um pacotinho com tudo de melhor que ele tinha ali na lojinha. Para uma pessoa leiga como eu, que nunca colocou os pés no oriente nem na Africa, só o documentário Jerusalem on a Plate do Ottolenghi me deu condições de entender perfeitamente como isso funciona. Aqui compramos dessas caixinhas da marca Spicely, que meu filho acabou achando no Co-op. Esse Ras el Hanout continha pimenta do reino, cardamomo, macis, pimenta caiena, gengibre, erva-doce, nos moscada, pimenta-da-jamaica, carnela, cravo, curcuma, lavanda e botão de rosa seco. Se você não achar para comprar pronta, use esses ingredientes e faça a sua própria mistura.

Essa sopa ficou deveras interessante. Quando o Uriel provou a primeira colherada disse—parece comida indiana. A água de rosas não fica dominante, mas se você acha que esse ingrediente é algo muito perfumoso para fazer parte de uma sopa salgada, simplesmente omita.

250 gr de cenoura descascadas e cortadas em cubinhos
3 colheres de sopa de azeite de oliva
3/4 colheres de sopa de Ras El Hanout
1/2 colher de chá de canela em pó
Sal a gosto
250 gr grão de bico cozido
1 cebola média cortada em fatias finas
15 gr de gengibre fresco picado
600 ml de caldo de legumes
300 gr de agrião
2 colheres de chá de açúcar
1 colher de chá de água de rosas
Iogurte grego para servir

Aqueça o forno a 400ºF/ 200ºC. Misture a cenoura com uma colher de sopa de azeite, o Ras el Hanout, canela e um pouco de sal e coloque numa assadeira forrada com papel vegetal ou alumínio. Coloque no forno e asse por 15 minutos, em seguida adicione metade do grão de bico, misture bem e deixe assar e por mais 10 minutos, até que a cenoura esteja macia, mas com um pouco de crocância.

Enquanto isso, em uma panela grande em fogo médio, refogue a cebola e o gengibre no azeite restante por cerca de 10 minutos, até ficar macia e dourada. Adicione o grão de bico restante, o caldo de legumes, o agrião, o açúcar eo sal, mexa e deixe ferver. Cozinhe por um minuto ou dois, até que as folhas do agrião murchem. Em seguida bata tudo [com muito cuidado!] em um processador de alimentos ou no liquidificador até ficar um creme homogêneo. Acrescente a água de rosas e mais sal se achar necessário.

Na hora de servir divida a sopa em cumbucas ou pratos fundos e coloque por cima um pouco da mistura de cenoura grão de bico. Decore com um pouquinho de iogurte grego, se quiser.

sopa-sopa1.jpgsopa-sopa1.jpg

quirera de milho
com costelinha de porco

quireradaane.jpg

Quando recebi aquela caixa cheia de pinhões enviada como presente por essa moça linda ganhei também barras de chocolate orgânico brasileiro da AMMA, mini-arroz do vale do Paraíba comercializado pelo Alex Atala e um pacote de quirera ou canjiquinha. Essa era ainda a única coisa que faltava para eu experimentar. E como nunca tinha preparado quirera na vida, ganhei também a receita enviada pela Ane. Fiz seguindo à risca. A minha quirera ficou mais seca. A Ane disse que a dela fica mais molhada. Neste caso é só colocar mais água na última fase. Preparei esse prato para um almoço de domingo e convidei meu filho e a namorada. Um vinho barbera do Shenandoah valley acompanhou essa comida robusta, que ficou incrivelmente deliciosa. A foto foi instagramada cinco segundos antes de sentarmos à mesa para a comilança. Segue a receita como foi enviada pela Ane.

Deixo 1,5 kg de costelinha de porco marinando com 1 cebola picada, 10 dentes de alho, suco de 2 ou 3 limões e 3 folhas de louro, por três horas [*eu deixei durante a noite, na geladeira].

Depois desse tempo, escorro as costelinhas da marinada (e reservo a marinada), salgo e douro em azeite. Deixo bem douradas. Pode fazer essa parte no forno baixo também, elas ficam mais macias.

Numa panela (pode ser na mesma), refogo a cebola e o alho da marinada e um pimentão vermelho assado (eu gosto do pimentão assim, tostado na chama para tirar a pele) bem picado e mais ou menos 80 gr de bacon picado.

Volto as costelinhas para a panela e quando elas estiverem aquecidas adiciono uma dose de cachaça. Deixo evaporar o álcool e adiciono a marinada. Pingo água e cozinho até que a carne esteja bem macia.

Adiciono então 500g de quirera lavada e deixada de molho em água por pelo menos 30 minutos [*eu deixei durante a noite]. Cozinho a quirera por 30 minutos, até que fique al dente. Corrijo o sal se precisar e acrescento salsa e cebolinha [*eu coloquei coentro fresco].

Gosto de servir esse prato com couve (rasgada ou cortada fininha e refogada só uns segundos no azeite e alho) e pingar limão. Fica gostoso também colocar linguiça junto com a costelinha ou fazer só com a linguiça.

berinjela com chermoula
tabule e iorgute grego

berinjela-tabule_4S.jpg

Quando a minha amiga Valentina me enviou o link para o documentário Jerusalem on a Plate do chef Yotam Ottolenghi dizendo que eu iria gostar, eu imaginei que com certeza iria, mas não podia imaginar o quanto. Fiquei absolutamente emocionada. Nunca tinha pensado muito sobre Israel e a mistura de culturas que se entrelaçam no cotidiano daquele país. Nunca parei pra pensar quanta influência, de tantas e tantas cozinhas aquele pais reúne. Fiquei encantada e feliz em descobrir que as receitas dessa viagem do Ottolenghi já foram compiladas num livro. Reservei o meu exemplar de Jerusalem que será lançado aqui nos EUA somente no meio de outubro. Mas pra aplacar a minha ansiedade de ver e fazer as receitas, o jornal The Guardian publicou algumas delas e essa berinjela foi a primeira que eu fiz. O tabule realmente não é novidade, mas o molhinho chermoula foi e é ele que faz toda a diferença nesse delicioso prato. Usei essas lindas e fotogênicas berinjelas listradas que eu tinha comprado naquele mesmo dia no Farmers Market de Woodland

2 dentes de alho amassados
2 colheres de chá de cominho em pó
2 colheres de chá de coentro em pó
1 colher de chá de pimenta vermelha em flocos
1 colher de chá de páprica doce
2 colheres de sopa da casca de um limão em conserva
140ml de azeite de oliva
Sal a gosto
2 berinjelas médias
150g de trigo para kibe [bulgar]
50g de passas pequenas [currants/sultanas]
10g coentro fresco picado
10g hortelã fresco picado
50g de azeitonas verdes picadas
30g de lascas de amêndoas torradas
3 talos de cebolinha picados
1e 1/2 colher de sopa de suco de limão
120g de iogurte grego

Pré-aqueça o forno em 400ºF/ 200ºC. Faça a chermoula colocando numa vasilha o alho, cominho, coentro, pimenta, paprica e limão em conserva, sal e 2/3 do azeite de oliva. Misture bem e reserve.

Corte as berinjelas em fatias bem grossas e faça cortes com a faca em diaginal e depois cruzando, tomando cuidado para pão perfurar até o outro lado. Coloque as fatias sobre uma assadeira forrada com papel alumínio e com uma colher coloque a chermoula por cima de cada fatia. Leve ao forno e asse até as berinjelas ficarem macxias, por uns 40 minutos.

Enquanto isso coloque o trigo de molho em água fervendo e deixe amaciar bem. Coloque as passas de molho em água morna. Escorra o trigo e as passas e misture os dois numa vasilha. Junte o restante do azeite, as ervas picadas, azeitonas, amêndoas, o suco de limão e sal a gosto. Misture bem e reserve.

Na hora de servir, coloque o tabule sobre as berinjelas assadas, coloque iogurte grego por cima, polvilhe com coentro e amêndoas torradas se quiser, tempere com mais azeite de oliva e sirva.

berinjela-tabule_3S.jpg

sopa fria de pepino & quinoa

sopa-pepino-quinoa_2S.jpg

Naqueles dias absurdamente quentes usar fogão é algo proíbido. Essa receita da Deborah Madison é uma sopa fria substanciosa e pode ser preparada com bastante antecedência. Fica refrescante e nutritiva, justamente o que o corpo precisa depois de um dia de bafão exaustivo.

para a sopa:
2 pepinos grandes descascados e picados
3 xícaras de iogurte integral natural
Bastante ervas frescas—usei manjericão, hortelã e orégano
3 colheres de sopa de azeite
Sal a gosto
Raspas da casca e suco de 1 limão

para a quinoa:
1 xícara de quinoa lavada
2 xícaras de água
1 pitada de sal

No liquidificador bata o pepino com o iogurte e as ervas até formar um purê bem liso. Junte o azeite, suco e raspas de limão e tempere com sal a gosto. Coloque num jarra e leve à geladeira. Pode ficar de um dia para o outro.

Coloque a quinoa com água e sal numa panela. Leve ao fogo e deixe ferver. Abaixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar até evaporar toda a água. Tempere com azeite e raspas da casca de um limão. Reserve.

Na hora de servir divida a sopa em pratos e coloque uma porção de quinoa no centro de cada um. Se quiser decore com um fio de azeite.

farofa de pinhão

farofadepinhao_1.jpg

Uma das lembranças da minha infância é estar sentada na frente de um fogão a lenha na casa de uma das empregadas que trabalhavam na minha casa, abrindo e comendo pinhão assado. Eu adorava quando elas me levavam pra dormir na casa delas. Uma vez perdi um almoço num restaurante com o resto da minha família [e chorei até desidratar] porque tinha ido pousar na casa de uma delas e só voltei no domingo à tarde. Elas moravam em casas simples, geralmente feitas de madeira, num cenário bem comum da cidade onde nasci ainda no estado de São Paulo mas fazendo fronteira com o Paraná.

Posso dizer que fazia muitos anos que eu não comia um pinhão. Matei minhas lombrigas graças à imensa gentileza de uma moça que vai ter o meu afeto para todo o sempre. Ela me enviou uma caixa com uma quantidade imensa deles e mais outras várias coisinhas. Cozinhei todos ao mesmo tempo num panelão gigante de ferro com bastante água. Não tenho panela de pressão, então os pinhões ficara no fogo por umas três horas. Depois fui mantendo a panela quente e abrindo um por um ainda quentes. Como também ganhei uma utilíssima engenhoca para facilitar o descascamento, o trabalho foi tranquilo. Completei em menos de duas horas, enquanto assistia um filme no laptop da cozinha. Essa proeza rendeu um saco enorme de pinhões cozidos e descascados, que dividi em três partes, duas delas eu congelei e a outra usei para fazer essa farofa.

Não inventei muita moda, porque nem tive muito tempo de me aprofundar em pensamentos e ideias. Queria mesmo era fazer algo bem pinhãozudo, com pedaços grandes pra poder morder e sentir bem o gosto e a textura. Usei 2 xícaras de pinhão cozinho e grosseiramente picado, meia cebola picadinha, 4 colheres de sopa de manteiga, 1 xícara de farinha de mandioca crua, sal e pimenta do reino moída na hora a gosto e bastante folha de salsinha fresca picada. Numa panela derreta a manteiga em fogo médio. adicione a cebola picada e refogue até amaciar. Junte o pinhão e refogue mais um pouco. Tempere com sal e pimenta, junte a farinha de mandioca e misture bem, vai cozinhando até formar a farofa e a farinha ficar mais tostada. Desligue o fogo, junte a salsinha e sirva.

quinoa com aspargos
[& manteiga de tabasco]

aspargos-quinoa_1.jpg

Eu adoro as receitas da Heidi Swanson, que são pra mim a epítome do natureba-chique. Ela faz uma mistura inusitada de ingredientes integrais e naturais e o resultado é sempre impressionante. Essa receita de quinoa com aspargos foi a nossa alegria no jantar que fazemos juntos no meio da semana e ainda rendeu uma marmitinha para cada um no dia seguinte. Achei a manteiga com tabasco simplesmente genial.

8 colheres de sopa de manteiga sem sal em temperatura ambiente
2 colheres de chá de mostarda Dijon
25 gotas de pimenta Tabasco [ou mais, que quiser mais forte]
2 colheres de chá de suco de limão
1/4 colher de chá de sal marinho
1/2 quilo de aspargos frescos cortados em pedaços
4 xícaras de quinoa cozida em água e sal [*2 xícaras de quinoa bem lavada, 3 xícaras de água e 1 pitada de sal. deixar ferver, abaixar o fogo, tampar e cozinhar até a água secar completamente]
1/3 xícara de pinoles tostados [*usei nozes]

No processador ou com o mixer de mão bata a manteiga até ela ficar bem clara e aerada. Junte a mostarda, o tabasco, o suco de limão e o sal e continue batendo. Se quiser uma manteiga mais apimentada acrescente mais tabasco. Reserve. Cozinhe os aspargos já cortados no vapor ou jogue em água fervendo por uns minutos. Não deixe cozinhar muito, eles devem ficar al dente. Reserve.

Numa vasilha coloque a quinoa já cozida, acrescente 3 colheres de sopa da manteiga de tabasco. Pode colocar mais se quiser. Junte os aspargos cozidos, os pinoles ou nozes, misture bem e sirva com o restante da manteiga separado para quem quiser colopcar mais. Serve de 4 a 6 porções.

bolinho de quinoa

bolinho-quinoa_1S.jpg

Fazer esses bolinhos foi a melhor solução que encontrei para gastar umas sobras e transformar o que ninguém mais queria comer em algo atraente e apetitoso. Usei duas xícaras de quinoa negra já cozida e misturada com folhas verdes [chard] refogadas no azeite, mais uma batata doce cortada em rodelas e assadas. Coloquei tudo no processador de alimentos, juntei um punhado de salsinha, um talo de salsão, uma colher de sopa de mostarda Dijon e sal e azeite a gosto. Pulsei até formar uma massa. Coloquei a massa numa vasilha e fui juntando panko aos pouquinhos enquanto amassava com as mãos até dar o ponto de fazer os bolinhos. Enrolei em bolinhas que achatei com a palma da mão, coloquei numa assadeira forrada com papel alumínio e levei ao forno pré-aquecido em 400ºF/ 205ºC. Assei até que os bolinhos ficaram levemente dourados.

salada waldorf com trigo

salada-waldorf-trigo_1S.jpg
Fiz essa receita duas vezes pra poder gastar um estoque de trigo em grão. Não gosto de ficar guardando ingredientes por muito tempo na despensa. Gosto de ir usando, gastando e repondo. Acho que é mais seguro e saudavel, mesmo com grãos secos. Essa é uma ideia da revista Gourmet de outubro de 1995 que adapta a famosa salada Waldorf numa versão mais nutritiva [e hiponga—hahaha!]. Ficou super deliciosa e bem robusta. É praticamente uma refeição.

4 xícaras de água
3/4 colher de chá de sal
1 xícara de trigo em grão [wheat berries—whole-grain wheat]
2 colheres de sopa de nozes tostadas e picadas [ou esmigalhadas]
1 maçã gala
1 maçã granny smith
1 talo de salsão em fatias
2/3 xícara de folhas de hortelã fresco
1/2 xícara de cerejas azedas secas [dried sour cherries]
Ciboulettes picadas
3 colheres de sopa de vinagre de arroz [seasoned rice vinegar]
3 colheres de sopa de suco de laranja
3/4 colher de chá de raspas da casca da laranja
Folhas de alface para servir [*opcional]

Numa panela coloque a água e o sal para ferver e então coloque o trigo em grão. Abaixe o fogo, cubra a panela e cozinhe até a água secar completamente e os grãos ficarem bem macios. Remova do fogo e deixe esfriar. Corte as maçãs em cubinhos e coloque numa vasilha grande. Junte o trigo em grão cozido e em temperatura ambiente. Junte os outros ingredientes, menos a alface. Tempere com sal e pimenta do reino moída na hora. Misture bem e sirva sobre folhas de alface se quiser. Eu quis.

salada de lentilha
[com camarão]

lentilha-francesa1S.jpg

As lentilhas são a única tradição de ano novo que ainda sigo. O restante das superstições e rituais já viraram coisa do passado. Não acredito que essas coisas vão fazer grande diferença no meu ano, então salvou-se apenas o detalhe da comida. No dia 30 de dezembro fomos almoçar num bistrozinho francês em Sacramento e eu pedi uma entrada com lentilhas e camarões. Gostamos tanto do que comemos, que eu decidi tentar replicar a receita em casa. Fiz, ficou bem parecido e foi o nosso prato com lentilhas do ano novo. Usei camarões um pouco menores do que o servido no restaurante, porque comprei o selvagem pescado na Flórida. E usei a lentilha verde de Puy, que continua bem firme depois de cozida e é ótima em pratos assim, servida como salada.

Numa panela, coloque 1 xícara de lentilhas e cubra com água. Cozinhe até as lentilhas ficarem macias. Escorra a água. Reserve. Numa outra panela refogue rapidamente um punhado de camarões em um pingo de azeite, tempere com sal e pimenta do reino moída na hora. Reserve. Bata 1 xícara de creme fraiche com um punhado de ciboulette picadinha, temperado com sal, pimenta do reino moída na hora e um fio de azeite. Reserve. Misture umas 2 colheres de sopa de mostarda dijon com um pouco de suco de limão, um fio de azeite e sal. Bata bem para emulsificar e reserve. Monte a salada, colocando as lentilhas cozidas numa travessa, regue com o molho de mostarda. Coloque os camarões sobre as lentilhas e o creme fraiche no centro. Sirva a seguir acompanhado de pão fresco ou torradas.

grão de bico com espinafre

garbanzo-spinash_2S.jpg

Nem tentem imaginar o tamanho do maço de espinafre que chegou na última segunda-feira com a cesta orgânica. Lavei folhinha por folhinha [e muitas folhonas também], guardei tudo num saco na gaveta da geladeira e nem pensei mais. Com o tempo esfriando, esfriando, esfriando, descartei por um momento a possibilidade das folhas virarem salada. Eu como salada o ano todo, com qualquer clima—frio ou quente. Mas desta vez eu não quis saber de servir as folhas cruas. Queria usar a espinafrada para fazer um prato bem quente. Só dei uma passada de olhos na aplicação para iPhone do How to Cook Everything do Mark Bittman. Nem li muitos detalhes, porque já sabia mais ou menos o que eu queria e o que iria fazer. Já tinha grão de bico cozido na geladeira, que eu faço sempre em maior quantidade pra poder ter sobras. Parte dele tinha virado duas salada diferentes. E o que restou eu coloquei nessa receita, que não tem nada de super especial, mas que ficou muito gostosa. Do Bittman eu roubei a idéia de fazer uma farofinha com farinha de pão e queijo parmesão, que completou muito bem o prato com um charme e um sabor extra.

1 mação de espinafre [bem lavado e escorrido]
1 1/2 xícara de grão de bico cozido
1/2 cebola [*usei roxa]
Sal a gosto
1 pitada de pimenta vermelha em pó
1 pitada de canela em pó
1 pitada de cravo em pó
1 pitada de cominho em pó
1 pitada de paprica ou pimenton de la vera
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado na hora
2 colheres de sopa de farinha de pão [*faço em casa com bolacha integral]

Numa panela coloque um pouco de azeite e refogue a cebola até ela ficar macia. Junte o grão de bico e refogue por uns minutos. Adicione o sal, pimenta, canela, cravo, cominho e paprica e continue refogando, até o grão de bico ficar bem dourado. Junte as folhas de espinafre e refogue mexendo com uma colher de pau até as folhas murcharem bem. Desligue o fogo e sirva salpicado com uma farofa feita com a farinha de pão e o queijo parmesão misturados.

quinoa negra com legumes verdes

quinoa-verdes_1S.jpg

Para um ranguinho corrido no meio da semana, uma mistura de ingredientes bem auspiciosa. Quinoa negra com legumes verdes. Uma refeição nutritiva e saborosa, que fiz usando a quinoa negra [orgânica e fair trade da Bolivia] misturada com uma cornucópia de legumes verdes—kohlrabi, aspargos, alho-poró, alho verde, favas verdes e ervilhas tortas— tudo orgânico, da minha cesta.

Lave bem em água corrente 1 xícara de quinoa e deixe escorrer bem. Numa panela coloque a quinoa e 1 1/2 xícara de água, um fio de óleo vegetal e uma pitada de sal. Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe até a água ser absorvida e a quinoa ficar cozida.

Numa outra panela, coloque um pouco de azeite e refogue o alho-poró e o alho verde picadinhos por uns minutos. Junte os outros legumes picados, deixe refogar até tudo ficar cozido. Tempere com sal, uma pitada de pimenta cayenne se quiser. Junte a quinoa, misture bem e sirva.

salada de grãos com aspargos

graos-aspargos_1S.jpg

Essa foi a salada-prato principal do almoço do domingo de páscoa. Saiu de um dos blogs que eu mais gosto, o The Kitchn. Usei spelt, couscous israeli e uns aspargos roxos, que depois de cozidos ficaram verde. Junto com as alcachofras com molho aioli e as ervilhas frescas salteadas na manteiga, essa salada formou um menu bem primaveril. Tirei a foto no dia seguinte, porque na hora da fome ninguém nem lembrou de pegar câmera. E com isso ficou provado que ela resiste muito bem à dias de geladeira, não só no sabor, mas também na aparência.

meyer lemon grain salad with asparagus, almonds and goat cheese
serve 6 porções
1 xícara de spelt, farro outro grão integral da sua preferência e disponibilidade
3 xícaras de água
Cozinhe os grãos na água, em fogo baixo, até a água absorver e os grãos ficarem macios. Reserve.

1 xícara de couscous israeli ou outro tipo de massa bem pequena
1 3/4 xícara de água
Cozinhe o couscous na água fervendo até al dente. Escorra e reserve.

500 gr de aspargos frescos
azeite para refogar
1 xícaras de amêndoas em fatias tostadas
100 gr de queijo de cabra esfarelado
2 limões meyer [ou o siciliano, ou o cravo] casca ralada e suco espremido
1/4 xícara de azeite
1 colher de sopa de óleo de nozes
Sal marinho e pimenta a gosto

Lave os aspargos e remova a parte dura das extremidades. Corte em pedaços grandes. Numa frigideira grande aqueça um pouco de azeite e refogue os aspargos por uns 5 minutos, até eles ficarem cozidos porém crocantes.

Numa saladeira junte os grãos cozidos, o couscous ou micro-pasta, junte os aspargos, as amêndoas, as raspas da casca dos limões e o queijo de cabra esfarelado. Misture o suco do limão com o azeite e o óleo de nozes. Tempere com sal e pimenta e misture o molho aos outros ingredientes. Deixe descansar por uma meia hora e sirva.

farro com frango & porcini

farro-frango-cog_1S.jpg

Adorei essa receita que saiu na revista Olive por causa do cogumelo e do grão. Ela é feita originalmente com o spelt [espelta], mas eu fiz com o farro pearlized [farro perlato], se bem que acho que dá pra fazer com qualquer grão, como a cevada ou o trigo, desde que ele seja pre-cozido. Também dá pra usar o peito do frango ao invés das sobrecoxas. Fica ao gosto do freguês. A qualidade do cogumelo faz toda a diferença nesse prato. Quando coloquei o porcini seco de molho na água fervendo, um aroma delicioso se espalhou pela minha cozinha. E é o cogumelo o responsável pelo sabor intenso desse cozido. Mas a melhor parte é que esse rango fino da bossa fica pronto em pouco mais de meia hora!

serve duas porções
2 sobrecoxas de frango [sem osso e sem pele] cortadas em fatias
1 cebola cortada pela metade e em fatias
1 dente de alho picadinho
15 gr de cogumelo porcini seco reidratado num pouco de água fervendo
100 gr de farro [ou spelt, ou cevada, ou trigo]
350 ml caldo de frango [*usei de cogumelos]
Um macinho de salsinha picadinha
Azeite
Sal a gosto

Numa panela frite o frango no azeite até ficar dourado, junte a cebola e o alho e cozinhe por uns minutos. Junte o cogumelo porcini, a água da imersão, o farro e o caldo. Cozinhe em fogo baixo por 25 minutos ou até o farro ficar molinho, mas não se desmanchando. Salgue a gosto. Misture a salsinha picada e sirva.

um prato de lentilhas
[com cebola caramelizada]

lentilha-cebola_1S.jpg

Tenho andado sem inspiração, admito. Me propus fazer um menu da semana no domingo, para não ficar zanzando feito barata tonta pela cozinha nos dias em que tenho que preparar o jantar. Não sei se essa idéia irá pra frente, mas não custa tentar. Numa dessas noites sem inspiração, preparei um prato de lentilha bem simples, que não era sopa, nem salada. Um rango quente, pra comer com garfo ou colher. Usei uma idéia da Anna Thomas que gostei, de temperar os pratos com cebolas caramelizadas. Como tinha um alho-poró na geladeira, usei ele também. Então simplesmente cozinhei um alho-poró e uma cebola grande cortados bem fininho no azeite e em fogo baixo, até eles ficarem bem dourados. Enquanto isso cozinhei uma xícara de lentilha comum em bastante caldo de legumes até os grãos ficarem macios e o liquido quase todo absorvido. Depois foi só juntar o refogado de cebola e alho-poró, temperar com sal marinho e pimenta do reino e servir. Embora não seja uma receita inovadora ou brilhante, ficou muito reconfortante.

farro com shitake

farro-shitake1S.jpg

Comprei um pacotinho de farro importado da Itália. Aqui temos o spelt, mas o farro eu nunca vi. Tem que ser o italiano mesmo. As instruções no pacote mandava deixar os grãos de molho durante a noite. Eu segui a risca e acabei com um farro super molinho, quase comestível. Cozinhei com sal e uma folha de louro por apenas alguns minutos, pois fiquei com medo que eles se desmanchassem. Coei, deixei esfriar. Refoguei os shitakes frescos rapidamente no azeite com uma pitada de sal. Juntei os cogumelos refogados ao farro cozido, acrescentei bastante ciboulettes picadas e servi. Ficou um rango bem interessante, rústico porém sofisticado.

salada de lentilha & iogurte

salada-lent-iog_1S.jpg
salada-lent-iog_2S.jpg

Tem dias em que eu simplesmente encasqueto que quero comer algo feito com um certo ingrediente. Neste dia foi a lentilha. Gosto imensamente dessa lentilha pretinha chamada beluga que é excelente para fazer salada. Ainda estava matutando sobre os procedimentos, quando vi uma receita de salada impressa no próprio pacote das lentilhas. Perfeito! Achei bem legal a mistura dos ingredientes, principalmente o iogurte. A salada fica com uma aparência estranha, mas o sabor é sensacional. E as sobras resistem bem por uns dias na geladeira.

1 xícara de lentilha beluga cozida na água ou caldo
1/2 xícara de iogurte integral
Suco de 1/2 limão
Raspas da casca de um limão
Cebolinha picada [* usei ciboulette]
1 maça pequena cortada em cubinhos
3/4 xícara de passas brancas [*usei as currants]
3/4 xícara de nozes tostadas [*usei amêndoas]
1 colher de chá de curry em pó

Misture todos os ingredientes e sirva. Eu coloquei ainda uma pitadinha de pimenta cayenne, mas você não precisa. Se não achar a lentilha beluga, use a Puy verde ou a comum, mas não deixe cozinhar muito, para não amolecer demais.

trigo com cogumelos

trigo_cogumelo_1S.jpgQuem disse que eu consigo passar pela banca dos cogumelos no Farmers Market sem comprar um pacotinho? Desta vez ataquei de shiitake e chanterelle. Na hora que compro não sei de nada. Depois penso o que fazer com eles. Cogumelos frescos são deliciosos! E com esses eu quis preparar um prato bem substancioso e decidi misturá-los com algum tipo de grão. Uma olhada geral na despensa revelou um restinho de trigo em grão [wheat berries] que mediu exatamente 1 xícara. Cozinhei essa xícara de trigo com 3 xícaras de água e uma pitada de sal em fogo baixo, até a água secar e o trigo ficar molinho. Numa frigideira refoguei cebola picadinha na manteiga e acrescentei os dois tipos de cogumelos, refoguei por uns minutos e salguei. Depois foi só misturar o trigo cozido com os cogumelos refogados, juntar bastante ciboulette picadinha e pronto. Eu servi morno, quase frio.

salada cítrica de quinoa

saladaquinoalimao_1S.jpg

Receita do chef Jeremy Fox, o comandante do elegante restaurante Ubuntu no Napa e que achei publicada na edição de abril da revista Food & Wine. É muito simples de fazer, mas requer uma preparação extra, cozinhando a quinoa com antecedência [para poder ser servida fria] e mergulhando os legumes em água gelada. Olhando, parece uma saladinha sem muito atrativos, mas a quinoa vermelha, com o seu aroma de nozes, mistura-se perfeitamente com os sabores cítricos e a crocância dos legumes gelados. Experimente!

1 xícara de quinoa, de preferência a vermelha, lavada e escorrida
2 1/2 xícaras de água
Misture a quinoa e a água numa panela e deixe ferver em fogo alto. Abaixe o fogo, tampe a panela e cozinhe a quinoa até ela secar, uns 20 minutos. Deixe esfriar.

Use os legumes da sua preferência., A receita pede três tipos de rabanetes [o comum, o watermelon e o espanhol], cenouras e bulbo de erva-doce. Eu usei somente os rabanetes comuns e as cenouras. Corte os legumes em fatias finíssimas, usando o mandoline se quiser. Coloque as fatias imersas em água gelada e deixe descansando na geladeira por mais ou menos uma hora. As fatias ficarão bem crocantes.

Na hora de servir, tempere a quinoa com raspas da casca e o suco de limão, adicione azeite, sal e pimenta do reino moída a gosto. Escorra as fatias dos legumes e sirva por cima da quinoa.

croquetes de lentilha

Essa receita foi uma daquelas cujo resultado estético ficou muito aquém das suas outras qualidades. Os croquetes ficaram muito saborosos, mas com uma cara de comida de halloween. Fazer o que? Comemos mesmo assim, não sobrou nenhum, mas na hora de colocar uma foto aqui, fiquei naquele eterno e descabelante dilema. bolinholentilha3S.jpgEssa receita é blogavel ou não? O sabor ganhou nota dez, já a foto acabou publicada, mas não sem ouvir muitos protestos do meu grilo falante.

1 xícara de lentilha escolhida e lavada
2 xícaras de farinha de pão
1 ovo
2 colheres de sopa de azeite de oliva
2 xícaras de cebola em rodelas finas ou picadinha
Sal, pimenta e temperinhos a gosto—eu usei estragão fresco

Cozinhe a lentilha com água até ela ficar molinha. Eu usei a lentilha verde puy, que fica inteira, não desmancha. Separadamente, refogue a cebola no azeite com a panela tampada, mexendo de vez em quando, por uns 20 minutos, até a cebola ficar caramelizada. Quando a lentilha estiver cozida, coe bem para remover qualquer liquido e coloque no processador. Moa na textura que quiser. Eu não deixei moer muito, só dei umas pulsadas. Misture a lentilha moída com a cebola caramelizada e metade da farinha de pão. Adicione sal e pimenta do reino moída a gosto, as ervinhas da sua preferência e misture o ovo. Faça bolinhos lomgos ou achatados e passe pelo restante da farinha de pão que deve estar num prato. A partir daqui você pode seguir dois caminhos: fritar ou assar os bolinhos. Se escolher fritar, vai pelo caminho mais delicioso. Mas se escolher assar, como eu fiz, vai também comer bolinhos gostosos. Eu assei, em forno 375ºF/ 190C, até os bolinhos ficarem dourados, virando no meio tempo. Apesar da aparência estranha, adoramos a textura e o sabor desses croquetes. Se eu tivesse tido a coragem de fritar, talvez eles tivessem ficado melhor ainda, porque todo mundo sabe que tudo que é frito é muito mais gostoso!

[outra] salada de lentilha

salada-lentilhaverde_2S.jpg

Fiz essa receita num dia em que cheguei em casa decidida que queria comer uma salada de lentilhas. Não tinha nenhuma idéia do que misturar nela, fui pensando conforme fui fazendo. Usei a lentilha francesa verde, a puy lentil, que cozinha rapidíssimo e fica inteira, não desmancha, portanto ótima para fazer salada. A lentilha levou mais tempo esfriando do que cozinhando [uns 15 minutos]. Depois de fria, temperei com suco de limão, óleo de avelã e flor de sal. Misturei às lentilhas um punhado de tomates secos, outro punhado de azeitonas pretas, mais um tanto de folhinhas frescas de manjerona e esfarelei duas rodelas de queijo de cabra por cima. Ficou exatamente a salada que eu queria comer naquele dia!

couscous de frango & curry

couscous_frango_2S.jpg

Receita perfeita para aquele dia em que você quer fazer um jantar bacana em tempo recorde e tem a sorte de ter uns quatro filézinhos do frango feliz disponíveis na icebox. Tempere os filés como quiser, ou com sal grosso e suco de limão e corte em micro-cubinhos. Numa panela, coloque azeite e refogue os pedacinhos de frango, até eles ficarem dourados. Enquanto isso meça 2 xícaras de couscous. Coloque 2 xícaras de caldo de legumes, mais 2 xícaras de água numa panela. Jogue lá também um punhado de ervilhas congeladas e coloque no fogo para ferver. Nesse ponto o frango já deve estar dourado, desligue o fogo, acrescente uma colher de chá de curry, um punhado de pistachos torrados e descascados, outro punhado de gengibre cristalizado cortado em micro-pedacinhos, as xícaras de couscous e mexa bem para incorporar. Salgue a gosto. Quando o caldo com as ervilhas estiver borbulhante, jogue no refogado de frango com o couscous. Mexa rapidamente, tampe e deixe descansar por uns 10 minutos. Remexa com um garfo para deixar o couscous soltinho. Sirva quente, morno ou frio. Essa receita serve muito bem quatro pessoas. Ou duas, com muitas sobras para o dia seguinte.

salada de lentilha verde com cenoura e batata-doce

pic-nic_may_1.jpg
lentilhas_picnic_9.jpg
lentilhas_picnic_1.jpg
lentilhas_picnic_5.jpg

Recomeçamos nossos picnics das quartas-feiras no Farmers Market. Até o final do verão teremos o parque disponível, com música ao vivo e toda a animação que essa atividade traz. Eu adoro fazer picnics. Tenho uma variedade de equipamento, com cestas bacanas, toalhas e mil e um utensílios. Gosto de planejar e por em prática um mini-menu, que geralmente envolve uma salada, um pão, vinho e água. Para esse picnic inaugural, levei uma salada de lentilha verde de Puy com cenoura e batata-doce—yam, a batata-doce cor de laranja. Cozinhei a lentilha no dia anterior, escorri e reservei. Uma hora antes do picnic cozinhei as cenouras e as batata-doces cortadas em cubinhos no vapor. Deixei esfriar e misturei à lentilha. Temperei com orégano fresco picado, que está abundante na minha horta, vinagre de figo, que trouxe de Portugal, flor de sal com oréganos, que ganhei da Carlota, e bastante, bastante azeite extra-virgem. Levei um vinho branco da Rosenblum que não gostei muito. É o primeiro vinho dessa vinícola que me desagrada. Mas isso não interferiu na minha animação, nem na do pessoal, que comeu, bebeu e conversou muito. Ficamos na grama do parque até às 9 da noite e voltamos para casa no escuro.

quinoa vermelha com aspargos

quinoa_aspargos_s.jpg

Eu no olho esquerdo, ele no direito. Os dois caolhos. Eu e o Roux. Fomos atrás de informação, pois achamos que eu e o gato estavamos pegando e passando coisas um para o outro, mas lemos que conjutivite felina não passa para humano, nem vice-versa. Parece que em gatos essa é uma doença que vem e vai, dependendo muitas vezes de algum estresse pelo qual o animal passou. Coincidentemente estamos os dois com a mesma coisa—piscando, com o olho colado, vermelho, ardendo, inchado. Eu estou pingando colirio e estou tendo que usar óculos para enxergar letras e tais [pardon my typos]. Por isso não dá pra seguir receita nem inventar muita moda, porque exergando direito já sou um desastre, meio cegueta sou uma bandeira vermelha flamulante.

Fiz uma quantidade de quinoa ideal para duas pessoas. Numa panela coloquei:
1/2 xícara de quinoa vermelha já lavada
1 1/4 xícara de caldo de legumes
Um fio de azeite
Uma pitada de sal grosso
Seis aspargos magrelos cortados em pedacinhos

Fogo alto, quando ferver, fogo baixo, tampar e deixar secar. Pode fazer com antecedência e requentar levemente ou servir frio.

pop-color

pipo-ca-ca.jpg

Esse milho faz uma pipoca deliciosa e incrívelmente crocante. Milho comum amarelo e o milho indígena vermelho. Veio como treat na cesta orgânica da semana.

lombo de porco com quinoa vermelha

lomboporco_quinoavermelha.jpg

Essa mistura de grão e carne ficou bem reconfortante. Fiz uma marinada pro lombo batendo no liquidificador bastante cebolinha verde, alho, sal e vinho branco. Deixei na geladeira de um dia pro outro. Fritei o lombo dos dois lados numa panela de ferro com um pouco de óleo e depois coloquei a panela tampada no forno médio. Assei por uns 40 minutos. Tirei do forno, deixei descansar por uns 20 minutos e cortei. Pra fazer a quinoa vermelha eu simplesmente refoguei um punhado de cebolinha verde picadinha [tenho um surplus delas] em uma colher de sopa de manteiga, crescentei a quinoa já lavada, refoguei um minuto—pra 1 xícara de quinoa vão 2 xícaras de água. Sal a gosto. Deixei ferver, abaixei o fogo e deixei cozinhar em fogo baixo com a panela semi-tampada até secar toda a água. Eu AMO essa quinoa!

sopa de lentilhas com pancetta

sopa_lentilha_pancetta.jpg

Cozinhe a lentilha com bastante água até que elas fiquem bem molinhas. Desta vez eu usei lentilhas espanholas Pardina. Numa panela separada frite a pancetta cortada em micro-cubinhos até elas ficaram tostadinhas. No meio tempo acrescente um dentão de alho picadinho. Jogue a pancetta frita com o alho na lentilha cozida, acresente sal a gosto e deixe cozinhar mais uns minutos. Antes de servir jogue um punhado de salsinha fresca picadinha.

abóbora recheada com quinoa [e pecan]

pecanquinoasquash.jpg

A receita original do Epicurean era pecan and wild rice-stuffed squash, mas eu não tinha arroz selvagem, então resolvi usar a quinoa vermelha. E usei a butternut squash, que era o tipo de abóbora que eu tinha. Porque eu faço muitas coisas ao mesmo tempo, sempre acabo fazendo omissões na receita e desta vez esqueci de colocar a noz pecan, o que me fez lamentar muito depois, porque eu acredito que elas dariam um toque de classe extra à essa receita extraordinária. Mas mesmo sem as pecans, ficou ótimo! Enquanto eu comia, senti uma nostalgia das lojas de produtos naturais, daquelas que tinham lanchonete, como era a Mãe Terra, em São Paulo.

1 butternut squash cortada ao meio
1/2 xícara de arroz selvagem, quinoa ou buckwheat
* usei a quinoa vermelha inca
1 1/2 xícara de água
3 colheres de sopa de sálvia fresca
1/2 xícara de salsinha fresca
1 colher de sopa de azeite
2 talos de salsão picadinho
1/2 cebola [1 xícara] picada
1 colher de chá de manjerona seca *omiti por avoamento
1 tcolher de chá de pimenta do reino moída na hora * omiti por avoamento
1 pitada de nos moscada ralada na hora *omiti por avoamento
1 colher de chá de sal
3/4 xícara de pecan * omiti por avoamento

Pré-aqueça o forno a 400°F/205ºC. Forre uma forma com papel alumínio e coloque as duas metades da abóbora em cima. Asse por 20 ou 30 minutos, até a polpa ficar bem mole.

Enquanto isso faça a quinoa, misturando com água e levando ao fogo alto. Quando ferver abaixe o fogo e tampe a panela. Deixe cozinhar até secar toda a água.

Separadamente, refogue o salsão, a sálvia picada e a cebola no azeite. Acrescente a salsinha picada e os outros temperos que eu esqueci de pôr. Refogue bem e remova do fogo. Acrescente a quinoa, misture bem. Remova a abóbora do forno, com uma colher remova um pouco da polpa cozida, coloque numa vasilha. Amasse bem com um garfo e misture ao refogado com a quinoa. Moa as pecans num processador e junte à mistura de quinoa e abóbora [* não esqueça, como essa cabeçona que vos escreve]. Recheie as metades da abóbora e ponha novamente no forno, asse por uns 20 minutos ou menos.

salada de trigo bulgur
[com queijo feta e pinoles]

bulgursalad.jpg

bulgur salad with feta and pine nuts
da revista Everyday Food de agosto, 2007

1/2 xícara de bulgur [trigo de quibe]
sal grosso e pimenta do reino
2 colheres de sopa de pine nuts [pinoles] tostados
4 colheres de chá de suco de limão
2 colheres de chá de azeite
1/2 xícara de feta cheese esmigalhado
1/4 cebola roxa picadinha
1/2 xícara de salsinha picada
1 pepino pequeno descascado e picado
Folhas de alface - não usei.

Deixe o bulgur de molho em 1 xícara de água fervendo com uma pitada de sal por meia hora. Coe pra retirar toda água. Faça um molho com o suco do limão, azeite, sal e pimenta. Acrescente o bulgur, o pepino, cebola e salsinha. Misture bem. Adicione o queijo feta e os pinoles. Misture bem e sirva sobre as alfaces, se quiser.

Crispy Chickpea Pita

crispychickpeas.JPG

Mais grão-de-bico! Não resisti à essa receita que vi no website da Real Simple e resolvi gastar um estoque de latas do grão orgânico que comprei outro dia no Co-op. Faz um tipo de salada, mas o interessante dela é que o grão-de-bico é tostado antes no azeite.

Aqueça 2 colheres de sopa de azeite numa panela ou frigideira e adicione o grão-de-bico - usei duas latas. Vá mexendo sempre, até os grãos ficarem bem tostados. Retire do fogo. Coloque numa tigela, acrescente suco de limão, sal, pimenta e misture bem.

Numa outra tigela misture uns 2 tomates cortados em cubinhos, tempere com sal, pimenta e bastante salsinha picada. Eu misturei o grão-de-bico nessa salada de tomate. Sirva em cima do pão árabe - pita bread - levemente tostado na frigideira de ferro, ou no forno, com hummus e iogurte grego. Pode adicionar umas gotas de Tabasco na salada, mas eu infelizmente esqueci de fazer isso.

Hummus. Como eu não tinha pronto, fiz rapidinho no liquidificador: grão-de-bico, suco de limão, sal, flocos de pimenta vermelha, uns dentes de alho assado e bastante azeite, até dar ponto. Normalmente eu coloco um pouquinho de Tahini no meu hummus, mas nesse dia também esqueci de adicionar esse ingrediente.

Salada de lentilha, couscous e hortelã

O forte da revista Country Living não são as receitas, mas na edição nova de março veio uma receita que me interessou, numa matéria sobre um "get together outdoors". Era uma salada de lentilha verde com couscous de Israel [bem diferente do couscous marroquino] e hortelã. Com a lentilha eu já tinha feito uma sopa e queria fazer uma salada. E tinha um bocado de israeli couscous na despensa - ele é uma bolota bem redonda, maior e mais duro que o couscous marroquino que é mais comum. O couscous de Israel tem que cozinhar, não basta usar a água quente. Ele tem a textura semelhante á um macarrãozinho em forma de bola - então se não houver o israeli couscous, um macarrão pode substuir. E a lentilha francesa verde pode ser substituída por qualquer lentilha. Essa salada fica "pedaçuda", "bolotuda" e é perfeita para ser levada em containers fechados, para qualquer evento outdoors ——ai, que saudades de um bom picnic!!

saladalentilha4.JPG

Lentil and Couscous Salad with Mint
6 colheres de sopa de vinagre de maçã
4 colheres de sopa de mostarda Dijon
1/4 xícara de azeite de oliva
3/4 colher de chá de sal
1/4 colher de chá de pimenta do reino moída
Bata bem esses ingredientes com o batedor de arame.

1 1/3 de lentilha francesa verde cozida, escorrida e fria
1 xícara de couscous de Israel cozido, escorrido e frio
3/3 xícara de hortelã picado
4 scallions [a cebolinha verde grossa], só a parte branca, picadinha
3 tomates picadinhos
Misture todos os ingredientes e incorpore o molho. Misture bem e sirva.

sopa de lentilha com limão

frenchgreenlentils.JPG
[»lentilhas da região de Auvergne, na França chamadas de green lentils of puy ou poor man's caviar]

Não lembro onde encontrei essa receita. Com certeza fazendo uma busca pela internet. Achei bem simples, como toda sopa de lentilha, mas gostei mesmo da adição do limão, que dá um toque e sabor especial à essas lentilhas ultra-saborosas.

Lave uma xícara de lentilhas verdes. Numa panela coloque 1 colher de sopa de azeite de oliva. Refogue as lentilhas no azeite, acrescente meia cebola picadinha e um dente de alho. Continue refogando. Jogue duas cenouras pequenas cortadas em rodelas. Refogue mais um pouco, acrescente 3 xícaras de caldo de legumes, 1 folha de louro, 1 colher de chá de cominho, 2 colheres de chá de páprica hungara. Cozinhe até as lentilhas ficarem molinhas, tempere com sal e pimenta e 1 colher de sopa de suco de limão. Sirva bem quente com pão fresco.

*Se não tiver ou achar a lentilha verde, faça com qualquer lentilha.

cassoulet de grão de bico

cassouletdegraodebico.JPG

Meu irmão é um apreciador da boa mesa e já comeu de tudo, em muitos lugares do mundo. Ele contando de um cassoulet de feijão branco com pato que comeu na França me deu uma idéia para o jantar. Nesse frio, queremos comer coisas quentes e substanciosas, para aquecer o corpo, dar sustância. O cassoulet é uma comida perfeita pro inverno. Fiz com grão de bico, que cozinhei "from scratch", a partir do grão seco, porque os de lata se fesfazem durante o cozimento. Usei bacon, uma dessas linguiças com recheio de tomate seco e sei lá mais o que, e uma peça de smoked pork shank, que dá um sabor especial ao guisado. Alho refogado, louro e salsnha fresca no final. Sal e pimenta do reino a gosto. Voilá!

sopa de lentilhas

Um dilema na sexta-feira à noite: ir à um restaurante ou comer em casa? O cansaço era grande, a fome era enorme, mas fiquei pensando onde ir? Onde? Peguei um enjôo da maioria dos restaurantes de Davis - e olha que eles abundam, principalmente os asiáticos. Sinceramente, pra comer uma comida como a feita em casa, só mesmo indo num lugar excelente, desses que não usam salada de saco e são bem mais caros. Estou ficando uma chatonilda de galochas. Assumo. E por isso decidi que comeríamos em casa. Fiz um rango simples, uma sops prática, rápida e nutritiva. A sopa de lentilhas.

belugalentils.JPG
a lentilha beluga

Minha receita de sopa de lentilha não tem segredo e fica pronta em menos de uma hora. Eu uso a variedade beluga, que acho gostosa. Quando você lava, fica mesmo com cara de caviar! Eu então lavo uma xícara de lentilhas, deixo escorrer. Refogo uns três dentes de alho cortadinho num tanto de azeite. Acrescento a lentilha, refogo um pouquinho. Ponho uns tomates picados. Refogo mais um pouquinho. Jogo três partes de água e deixo ferver, abaixo o fogo, deixo a panela meio tampada. Quando a lentilha ficar molinha e o caldo ficar grosso, acrescento sal, pimenta do reino. Não se cozinha nenhum grão com sal, pois ele não amolece direito. Na hora de servir jogo bastante salsinha fresca picada. Sirvo com torradas feitas na frigideira de ferro, regadas com um fio de azeite.

* se quiser pode usar bacon invés do azeite - fritar o bacon e no óleo que soltar fritar o alho. pode acrescentar os tomates, ou nao. fica uma sopa bem saborosa.

Salada de quinoa com limão e tomate

Finalmente arrumei ânimo para sair do 'feijão-com-arroz' de sempre e tentei uma receita nova. Usei esta receita do blog 101 Cookbooks como base e a partir dela fui modificando uma coisa aqui, outra ali. Eu queria fazer algo com quinoa. Fiz uma pesquisazinha e aprendi algumas coisas úteis: primeiro deixar a quinoa de molho por uma meia hora, depois lavá-la bem pra tirar qualquer resquícito da cobertura de saponin dos grãos que dá à quinoa um sabor amargo, e por último uma dica que eu achei muito importante, que é guardar a quinoa sempre na geladeira, pois ela se deteriora facilmente mesmo não estando cozida - bem diferente de outros grãos que dá pra guardar por anos no armário.

Fiz então a minha salada de quinoa. Deixei 1 xícara de molho por meia hora. Lavei bem, enxaguei, enxaguei, peneirei. Coloquei a quinoa numa panela de ferro com 2 xíicaras de água. Quando ferveu, abaixei o fogo e deixei cozinhar com a panela tampada por uns 15 minutos. Mexi com o garfo pra misturar, coloquei numa vasilha e deixei esfriar.

Numa vasilha maior preparei o molho. Misturei 1 colher de chá de tahini com raspas e suco de um limão verde. Coloquei bastante azeite, sal e pimenta do reino moída a gosto e um punhado de coentro picadinho. Misturei bem com o batedor de arame. Piquei três tomates sem sementes em cubinhos pequenos. Misturei ao molho. Na hora de servir, adicionei a quinoa cozida e deixei macerar por uns minutos.

couscous com canela

couscouscanela.JPG

Achei essa receita quando procurava saber mais sobre o vinho Gewurztraminer muito gostosinho no qual ando viciada, no site da Fetzer. Fiz então, mas vou falar sinceramente, fica bem 'rich", com um sabor bem acentuado, por causa de todas as especiarias. Não é um couscous pra se comer regularmente, mas fica bem interessante. Servi acompanhando umas pernocas de frango grelhadas na churrasqueira. Meu marido não gostou muito, então tenho muitas sobras. Oh, well...

Couscous com Canela

I xícara de um bom e grosso caldo de galinha ou legumes
1/4 colher de chá de açafrão
2 colheres de sopa de azeite de oliva
2 colheres de chá de alho assado [roasted garlic]*
1/4 colher de chá de cominho em pó
1/4 colher de chá de coentro em pó
1/2 colher de chá de canela em pó
1/4 colher de chá de nos moscada ralada na hora
1 xícara de couscous [semolina]
Sal e pimenta moída na hora a gosto
1/4 xícara de cebolinha picadinha
1/4 xícara de pine nuts [pinoles] tostadas

Numa panela pequena misture o caldo de galinha/legumes com o açafrão e ponha no fogo até ferver. Desligue o fogo e deixe o líquido descansar por 15 minutos. Acrescente o alho assado e as especiarias e ferva novamente. Coloque o couscous numa vasilha com tampa. Jogue o líquido fervendo sobre o couscous, mexa com uma colher rapidamente, tampe e deixe descansar por 5 minutos. Acresnente a cebolinha e as pine nuts e mexa bem com um garfo. Sirva quente ou morno.

Eu usei amendoas torradas no lugar dos pinoles.

*para assar o alho: corte a parte superior de uma cabeça de alho, coloque no centro de um quadrado de papel alumínio, tempere com sal, pimenta do reino moída e azeite. Feche num pacorinho e asse num forno médio por 30 minutos. Eu faço os meus na churrasqueira e guardo na geladeira, num container com tampa.

it's all about the beer

Acho que foi anteontem que tive esse sonho estranho. Olhei para o outro lado da rua e vi o supermercado canadense que eu frequentava. Não era exatamente o mesmo, vocês sabem como as imagens dos sonhos nunca são exatas, mas eu sabia que era o Superstore. E estava coberto de neve, como costumava ficar - e ainda costuma, com certeza - durante oito longos meses. Mas por que estou contando isso? Não é só porque eu gosto de enrolar. O ponto é que depois do sonho fiquei o dia todo pensando naquele país gelado, onde vivi por alguns anos. Tirei do baú uma caderneta onde eu anotava tudo junto, receitas que eu pegava dos amigos, nas revistas ou na tevê e até dúvidas das aulas de inglês. Minha missão era encontrar nesse caderninho a receita de uma sopa de cevada que eu fazia sempre pra aquecer os ossos nos invernões. Não achei a receita, mas acho que me lembro mais ou menos como fazer. A receita original era beef and barley soup, que eu incrementei para beef, barley and beer soup. Excellent, eh?

A receita:

Sopa de Cevada com Carne e Cerveja
Refogue no azeite ou óleo meio quilo de carne para refogado [stew] cortada em cubinhos. Acrescente cebolas e cenouras picadinhas. Acrescente a cevada lavada e escorrida, refogue por um minuto. Jogue um litro de caldo de carne ou legumes, deixe cozinhar até a carne amaciar e a cevada ficar bem cozida e molinha. Acrescente mais liquido se precisar. No final acrescentar uma lata ou garrafinha de cerveja - de preferência uma bem forte e encorpada, testar o sal e acrescentar mais à gosto. Pode pôr um pouquinho de pimenta do reino se quiser. Deixar ferver por mais um minutos e servir fumegando.




[VOLTAR]