Chez Panisse fez 40 anos

panisse40
panisse40panisse40
panisse40panisse40
panisse40panisse40
panisse40panisse40
panisse40panisse40

O restaurante Chez Panisse completou 40 anos no domingo, 28 de agosto e não faltaram celebrações, artigos em jornais, revistas e blogs, entrevistas com a sua ilustre proprietária, Alice Waters e todo tipo de reverência e homenagem. Aconteceram muitos jantares pela cidade de Berkeley durante o final de semana comemorativo e infelizmente todos custavam muitos dinheiros. Mas um dos eventos era público e era grátis. Minha amiga Maryanne gentilmente me avisou e reservamos nossos ingressos para participar da comemoração organizadas pelo OPEN education e o Edible Schoolyard program nos jardins do UC Berkeley Art Museum.

Esse evento foi um pouco diferente do que eu imaginava que iria ser. Mais desorganizado e com muito mais opções de ver, fazer e comer, ele foi mais ou menos uma amostra da filosofia que serve de sustento para o restaurante e os outros projetos da Alice Waters. Enquanto esperávamos uma leva de pão assados na latinha, sob o comando de Steve Sullivan [o padeiro do inicio da história do restaurante e hoje dono da famosa Acme Bakery] ouvimos uma história bacana de como uns hippies desapropriavam alimentos de estabelecimentos comerciais para alimentar os pobres e desabrigados da cidade no final da década de 60 e inicio de 70. O pão quentinho foi servido com mel de um apiário, que explicava todos os detalhes da criação de abelhas numa barraquinha ao lado. Outro stand tinha as cabras de onde saia o leite cru que virava um fudge bem branco e bem doce. Outra fazia um pesto com abobrinhas, e outra limonada com lavanda e mel, e ainda tinha águas frescas de melancia e morango, sanduiches de mortadela, tamales e milho assado, salsa de tomatillos com tortillas que você mesmo podia prensar, fatias de melancia vermelha e amarela, café e muita água para hidratar os visitantes, afinal estava um CALORÃO de 25ºC em Berkeley naquele lindo dia de verão.

A exposição foi bem divertida e organizada para que os visitantes pudessem ficar lá por muitas horas, ouvindo as histórias, experimentando as coisinhas de comer, aprendendo um pouco sobre horta, animais, ingredientes. E também aprendendo algo sobre idéias, persistência e dedicação. De como algo tão simples, como um restaurante que serve uma comida descomplicada usando ingredientes da melhor qualidade e incentivando a agricultura e comércio locais, pode prosperar, se estabilizar e frutificar.

»algumas fotos da edição vip da sexta-feira do evento nos jardins do museu publicadas na coluna do Todd Selby na revista do NYT.

»não tem mais jeito, até que levei minha câmera, mas ela nem saiu da bolsa. fotos de eventos agora só com iphone. sorry! *pisc!

Comentários

Gostei do calorao de 25! Só podia ser aqui mesmo.
Que vontade de ter ido num dos jantares da Alice. Bj, foi bom ver vcs.

Puxa Fer quanta coisa bacana e gostosa! Eu adoraria ter ido num evento desse, que bom q vc aproveitou!
Bjs
Ana

Adicione seus temperos

O formulário de comentários teve que ser desativado temporariamente por causa de um problema com spammers. Será reativado assim que eu conseguir resolver essa chatice. Desculpem e obrigada, Fer